conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Rodrigo Garcia é aprovado pelo PSDB como candidato ao governo de SP

Publicado

Rodrigo Garcia tem articulado para rachar ala bolsonarista
Reprodução/Instagram

Rodrigo Garcia tem articulado para rachar ala bolsonarista

O PSDB aprovou neste sábado a candidatura de Rodrigo Garcia ao governo de São Paulo. Apesar da pressão do União Brasil, os tucanos não bateram o martelo sobre quem ocupará a vice, decisão que deve ficar para o dia 5 de agosto, data-limite prevista em lei.

A vaga de vice na chapa de Garcia vem sendo disputada por dois partidos aliados, União Brasil e MDB. A sigla liderada por Luciano Bivar, pré-candidato à Presidência, que passou recentemente a negociar com o PT, argumenta que seu apoio quase dobra o tempo de televisão do governador paulista, motivo suficiente para garantir a vaga.

Já os emedebistas cobram de Garcia um acordo selado com o ex-prefeito Bruno Covas (morto em maio de 2021) para a escolha do nome, tarefa que agora caberia ao prefeito da capital, Ricardo Nunes. Não por acaso, o ex-secretário municipal de Saúde Edson Aparecido, que é um dos fundadores do PSDB, deixou o partido há três meses para ser vice do governador.

A situação tem desgastado a relação de Garcia com Nunes, que apesar disso marcou presença no evento deste sábado, realizado no Ginásio do Ibirapuera. A aliança com o chefe do Executivo municipal é tida como necessária para a disputa de votos na capital, onde o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) leva vantagem, avaliam aliados do governador de São Paulo.

Em discurso antes de Garcia subir ao palco, o prefeito Ricardo Nunes ressaltou a experiência do tucano na máquina administrativa e no Legislativo, afirmando que o governador é do “diálogo” e vai evitar que São Paulo se torne um “ringue” de luta.

A eleição polarizada no estado também pautou falas de dirigentes partidários, como Roberto Freire, presidente do Cidadania, Renata Abreu, do Podemos, e Baleia Rossi, do MDB.

Leia mais:  TSE: decisão de excluir vídeos de Lula preocupa ministros

“São Paulo não é para ser dirigido por cabo eleitoral. É para ser dirigido por quem tem raiz, compromisso e a capacidade administrativa”, disse Freire.

Além de Nunes, também compareceram à convenção estadual tucana o presidente nacional do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), e o vice-presidente do União Brasil, Antonio Rueda.

O ex-governador João Doria (PSDB), de quem Garcia foi vice, não foi ao evento. Em nota enviada ontem à noite por sua assessoria de imprensa, Doria disse que está em viagem ao exterior, e por isso declinou do convite. Mas reafirmou a “confiança e apoio” na reeleição do aliado.

O governador chegou ao placo montado no estádio dirigindo seu fusca, ao som de um jingle sertanejo que repete a frase “paulista de raiz”, mote de campanha em contraponto ao ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas, que não é nascido no estado.

Guinada à direita

Empatado em segundo lugar com o ex-ministro (candidato do Republicanos) na última pesquisa do Instituto Datafolha, de junho, Garcia tem se esforçado para conquistar o voto de eleitores da direita no estado, uma forma também de se descolar de Doria, cuja rejeição é alta.

Para isso, o governador de São Paulo ampliou alianças com partidos ligados nacionalmente ao presidente Jair Bolsonaro (PL), como PP, Patriotas e parte do PL, e investiu em medidas voltadas para os policiais. A mais recente, um decreto que obriga a Defensoria Pública a oferecer assistência jurídica gratuita aos profissionais.

Garcia também tem flertado com o agronegócio, outra classe ligada ao bolsonarismo: o agro. Na última quinta-feira, ele foi a Presidente Prudente para regulamentar uma lei que permite a transferência de terras do estado a produtores rurais.

Leia mais:  'Políticas públicas são de modinha', diz Elvis Cezar sobre Cracolândia

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Haddad assume compromisso com Boulos

Publicado

Haddad diz que apoiará Boulos em 2024
Reprodução/YouTube – 17.08.2022

Haddad diz que apoiará Boulos em 2024

Nesta quarta-feira (17), o candidato ao governo de São Paulo Fernando Haddad (PT) afirmou publicamente que apoiará a candidatura de Guilherme Boulos (PSOL) para a prefeitura de São Paulo, em 2024. A declaração foi dada em sabatina realizada pelo jornal O Globo, Valor Econômico e Rádio CBN.

Durante a entrevista, o ex-prefeito foi perguntado se o Partido dos Trabalhadores ficaria sem candidato na capital paulista para estar no mesmo palanque que o psolista, que abriu mão da candidatura ao Palácio dos Bandeirantes para apoiar o petista na corrida eleitoral deste ano.

Haddad garantiu que negociou com Boulos e se comprometeu a apoiá-lo em 2024, independentemente do resultado da eleição deste ano. O ex-ministro da Educação deixou claro que, além dele, o PT também avisou que não lançará nenhum nome para concorrer ao cargo de prefeito.

“Eu vou apoiar, vou estar no palanque dele [Boulos], qualquer que seja o resultado da eleição, porque eu assumi um compromisso pessoal, e o PT também”, resumiu o candidato.

No ano passado, o psolista se colocou como pré-candidato ao governo de São Paulo, mas se retirou da disputa para concorrer ao cargo de deputado federal, tendo como objetivo ser o nome mais votado.

Desta forma, o PSOL passou a fazer parte da coligação que apoia Haddad. Agora a expectativa é que o PT cumpra o combinado e esteja com Boulos na corrida eleitoral de 2024 para a prefeitura da capital paulista.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Lula diz que vai melhorar o país e chama Bolsonaro de “tralha”

Publicado

Lula detonou Bolsonaro
Reprodução/YouTube – 17.08.2022

Lula detonou Bolsonaro

Nesta quarta-feira (17), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que o Brasil tem totais condições para “deixar de ser pequeno” mundialmente e que o país não está conseguindo se desenvolver por “incapacidade” e pela “falta de gestão” do presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Este país está pronto [para voltar a crescer], é só tirar essa tralha que tem lá e colocar a gente no lugar que vocês vão ver como vamos melhorar este país”, disse o petista na fundação Perseu Abramo no encontro com empresários de micro, pequenos e médios empreendimentos.

Ele relatou que tem muita experiência porque governo o Brasil por oito anos e agora terá a “a experiência” de Geraldo Alckmin (PSB), que foi governador de São Paulo em quatro oportunidades. “A vantagem é que vai ter dois caras que gostam de conversar, então é o momento oportuno de fazer a pauta de reivindicações”, destacou.

O ex-presidente ressaltou que sua maior preocupação é a questão econômica. Na avaliação dele, seu plano é controlar a inflação, diminuir o desemprego e permitir com que as empresas se desenvolvam.

“Vamos voltar a fazer com que os bancos públicos atuem como bancos públicos. Não queremos que eles deem prejuízo, mas que prestem uma função social a este país. O BNDES, por exemplo, vai ter que deixar de fazer empréstimos para grandes empresas e vai ter que se dedicar a pequenos e médios negócios, porque o restante pode pegar empréstimo em dólar em qualquer banco”, completou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana