conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

PT vai ao TSE e acusa Bolsonaro de impulsionamento digital irregular

Publicado

PT quer explicações do PL sobre o tema envolvendo a convenção de Bolsonaro
Reprodução

PT quer explicações do PL sobre o tema envolvendo a convenção de Bolsonaro


O Partido dos Trabalhadores (PT) entrou nesta segunda-feira com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o Partido Liberal (PL), do presidente Jair Bolsonaro, por impulsionamento irregular de conteúdo eleitoral envolvendo a convenção que lançou o mandatário à reeleição, neste domingo.

O partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato às eleições de outubro, argumenta ao TSE que o PL fez uma campanha de impulsionamento de conteúdo digital em 22 e 23 de julho, dias que antecederam a convenção, e gastou R$ 742.000 em 15 vídeos em apenas dois dias.

O PT pede ao TSE que, uma vez demonstrada ausência de moderação dos gastos, seja determinada a imediata interrupção do impulsionamento pelo Partido Liberal e a apuração da origem dos recursos utilizados para os impulsionamentos pois “potencialmente pode ter ocorrido aplicação indevida de recursos do Fundo Partidário com impulsionamento de conteúdo”.

A legenda também pede a aplicação de multa em valor equivalente ao dobro da quantia gasta pelo PL a título de impulsionamento irregular de conteúdo, totalizando o valor de R$ 1.484.000.

Segundo a equipe jurídica que representa o PT, o alcance dos vídeos chegou a 81 milhões de visualizações em apenas 72 horas. Para os advogados Cristiano Zanin e Eugênio Aragão, que assinam a peça, “essa situação configura violações às regras de propaganda no período da pré-campanha, dada a inobservância do dever de moderação de gastos com impulsionamento previsto na legislação eleitoral”.

De acordo com o pedido apresentado pelo PT ao TSE, o segundo partido que mais gastou com esse tipo de propaganda, o PSDB, levou oito meses para investir R$ 109.000.

Leia mais:  Haddad assume compromisso com Boulos

“Sob outro prisma, percebe-se que o Partido Liberal gastou, por anúncio, uma média de R$ 49.466,67 (quarenta e nove mi, quatrocentos e sessenta e seis reais e sessenta e sete centavos), enquanto os demais partidos reunidos gastaram, por anúncio, uma média de R$ 2.169,46 (dois mil, cento e sessenta e nove reais e quarenta e seis centavos): ou seja, impressionantes vinte e duas vezes mais, por anúncio, que a média dos outros partidos”, diz o partido, defendido pelos escritórios Aragão e Ferraro e Teixeira Zanin Martins Advogados.

O processo foi encaminhado ao ministro Raul Araújo. No entanto, em razão do recesso, o caso foi inicialmente distribuído para as mãos do presidente da Corte, ministro Edson Fachin, responsável por tomar decisões consideradas urgentes nesse período.


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal iG .

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

PoderData: 41% dos evangélicos desaprovam governo Bolsonaro

Publicado

PoderData: 41% dos evangélicos desaprovam governo Bolsonaro
Reprodução/YouTube Cara a Tapa 13.08.2022

PoderData: 41% dos evangélicos desaprovam governo Bolsonaro

O eleitorado evangélico mantém 55% de aprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), segundo pesquisa realizada pelo PoderData e divulgada nesta quinta-feira (18). Ao mesmo tempo, 41% não o aprovam.

O percentual de apoio teve leve queda em relação a 15 dias antes, quando 61% dos identificados com esse grupo religioso avaliavam positivamente a gestão. Bolsonaro tem na base evangélica o principal ponto de apoio. Os números dele com esse segmento são maiores em comparação ao quadro de aprovação geral, onde marca 40%.

Entre os pessoas da Igreja Católica, 63% reprovam o mandato de Bolsonaro. Apenas 31% o aprovam. Essa diferença na avaliação positiva transitou para a dúvida nos últimos 15 dias – se antes 2% dos católicos não sabiam avaliar a gestão, agora são 6%.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Leia mais:  'Trabalhei pro Bolsonaro e votei nele', diz Elvis Cezar, do PDT
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Genial/Quaest: Lula e Bolsonaro estão empatados com 39% no RJ

Publicado

Genial/Quaest: Lula e Bolsonaro estão empatados com 39% no RJ
Divulgação – 17.08.2022

Genial/Quaest: Lula e Bolsonaro estão empatados com 39% no RJ

O presidente Jair Bolsonaro (PL) cresceu cinco pontos percentuais e empatou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na intenção de votos dos eleitores do Rio de Janeiro, segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quinta-feira (18). Bolsonaro agora tem 39% dos votos, a mesma porcentagem que Lula.

O crescimento de Bolsonaro foi puxado principalmente pelos eleitores com menor renda, menor escolaridade e mulheres. Entre os mais pobres, Bolsonaro foi de 28% para 37% das intenções de voto. Já entre os que cursaram até o Fundamental, sua fatia do eleitorado foi de 28% a 36% dos votos. Entre as mulheres, o crescimento foi de 28% a 35%.

Cenário de 2° turno 

Em um eventual segundo turno, a distância entre Lula e Bolsonaro no Rio de Janeiro, que era de nove pontos, voltou a cair e agora os dois estão tecnicamente empatados: Lula tem 44% dos votos e Bolsonaro, 42%.

A pesquisa ouviu 1.5 mil eleitores no Rio de Janeiro entre os dias 12 e 15 de agosto. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número RJ-07554/2022 e BR-08389/2022.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil  geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Leia mais:  Lula afirma que planeja criar Ministério da Pequena e Média Empresa
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana