conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Em discurso, Lula promete criar programa para jovens sem escola

Publicado

Lula criticou o governo Bolsonaro
Reprodução/Youtube

Lula criticou o governo Bolsonaro

Em discurso para a comunidade científica, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeu que, se eleito, irá criar um Programa Emergencial de Inclusão e Reintegração Educacional para os jovens sem escola em diferentes graus educacionais. O ex-presidente afirmou que há um “apagão científico” no governo de Jair Bolsonaro que contribuiu com parte dos 680 mil mortos pelo coronavírus.

“O resultado mais trágico desse apagão científico que estamos sofrendo hoje são os quase 680 mil brasileiros mortos pela Covid. Muitos deles porque o atual presidente ignorou todas as recomendações da comunidade científica, chegando ao cúmulo de boicotar as vacinas, que salvaram milhões de vidas ao redor do mundo”, disse Lula, em discurso lido.

Cumprindo agendas da pré-campanha em Brasília, Lula participou da 74ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na manhã desta quinta-feira, onde recebeu um documento com propostas para retomar o desenvolvimento científico e tecnológico do país. Na sexta-feira, Ciro Gomes (PDT) participará do mesmo evento.

A uma plateia formada por reitores, Lula voltou a criticar o teto de gastos e disse que Bolsonaro é um retrocesso ao país.

“O chamado Teto de Gastos, que tira dos pobres para dar aos ricos, aprofundou a agenda neoliberal na direção do estado mínimo. Ultrapassando as piores previsões, o atual governo colocou o Brasil numa máquina do tempo rumo ao passado. Fome, desemprego, destruição dos direitos trabalhistas, inflação, corrupção e ameaças à democracia são as marcas desse desgoverno que nega a ciência em todos os seus atos”, disse o petista.

Leia mais:  'Políticas públicas são de modinha', diz Elvis Cezar sobre Cracolândia

Em um tom mais forte, falou de corrupção e criticou diretamente a família de Bolsonaro, citando uma série de suspeitas dos últimos anos, algumas sob investigação:

“Veja que eu falei corrupção, vira e mexe o presidente diz que não tem corrupção no governo dele, mas parece que ele não sabe a família que tem. Me parece que ele esqueceu do Queiroz, da quadrilha da vacina, para toda e qualquer denúncia perto dele, ele por decreto decreta sigilo de cem anos. Eu vou fazer um ‘revogaço’ disso”.

O presidenciável aproveitou o evento para apresentar propostas para ciência e tecnologia que estarão presentes em seu plano de governo. Lula citou a criação de um Programa Emergencial de Inclusão e Reintegração Educacional para jovens sem escola, da educação básica à pós-graduação, com prioridade para a universalização da inclusão digital.

Também prometeu trabalhar na reconstrução do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, com a colaboração de agências federais, estaduais e municipais. Lula afirmou que reforçará e ampliará o orçamento de agências de fomento federais como CNPq, FINEP e CAPES, e comparou o investimento em ciência feito pelas suas gestões aos patamares do governo atual.

“Enquanto no último ano de meu governo a receita do Fundo (FNDCT, principal fundo de apoio à Ciência) foi inteiramente investida em ciência, no ano passado, do total de R$ 6 bilhões arrecadados, apenas 10% foram liberados para execução. Do mesmo modo, nos últimos anos os orçamentos do CNPq e da CAPES despencaram, e, este ano, são inferiores a um terço dos valores de 2015”, comparou Lula.

À tarde, Lula participa do 5º Fórum CNT de Debates — Diálogos com os Presidenciáveis, na sede da CNT, em Brasília. E na sexta-feira, estará na convenção nacional do PSB, que irá oficializar o nome de Geraldo Alckmin como vice na chapa petista.

Leia mais:  Alexandre de Moraes assume TSE nesta terça-feira, em cerimônia, às 19h

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal iG .

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

PoderData: 56% desaprovam governo de Jair Bolsonaro

Publicado

PoderData: 56% desaprovam governo de Jair Bolsonaro
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

PoderData: 56% desaprovam governo de Jair Bolsonaro

O governo de  Jair Bolsonaro (PL) é desaprovado por 56% do eleitorado brasileiro, de acordo pesquisa PoderData realizada de 14 a 16 de agosto. Além disso, 40% aprovam a gestão do atual presidente.

De acordo com a pesquisa, a aprovação do governo é ligeiramente mais favorável entre os beneficiários do Auxílio Brasil: 45% aprovam e 51% desaprovam.

Veja em quais grupos Bolsonaro tem mais dificuldade:

  • sexo – só 34% das mulheres aprovam o governo; entre homens, a taxa sobe para 46%
  • idade – aprovação é mais alta entre os adultos de 25 a 44 anos (47%)
  • região – moradores do Nordeste (61%) são os que mais desaprovam a gestão Bolsonaro
  • renda – desaprovação é de 61% entre os que têm renda familiar de até 2 salários mínimos

Os dados foram coletados de 14 a 16 de agosto de 2022, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 3,5 mil entrevistas em 331 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O registro no TSE é BR-02548/2022.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Leia mais:  Candidato com patrimônio de R$ 448 mi já foi condenado por estelionato
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Prazo para pedir voto em trânsito termina nesta quinta-feira (18)

Publicado

Prazo para solicitar habilitação de voto em trânsito termina nesta quinta-feira (18)
Geraldo Magela/Agência Senado

Prazo para solicitar habilitação de voto em trânsito termina nesta quinta-feira (18)

Termina nesta quinta-feira (18) o prazo para os eleitores que não estiverem no seu domicílio eleitoral no dia da votação, no primeiro turno, em 2 de outubro; e, em caso de segundo turno, no dia 30 de outubro, solicitarem o voto em trânsito .

O requerimento para votar em trânsito precisa ser feito presencialmente, em qualquer cartório eleitoral, sem necessidade de agendamento. É possível solicitar o voto em trânsito para o primeiro, o segundo ou ambos os turnos.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em trânsito vale apenas para o cargo de presidente da República, quando a eleitora ou eleitor indicar uma cidade localizada em outra unidade da Federação diferente da do município do seu domicílio eleitoral.

“Podem votar nos cargos de deputado federal, deputado estadual, senador, governador e presidente da República apenas eleitoras e eleitores que indicarem para o voto em trânsito um município que esteja localizado na mesma unidade da Federação do seu domicílio eleitoral”, diz ainda o TSE.

O pedido para votar em trânsito só pode ser feito para as capitais e cidades com eleitorado igual ou superior a 100 mil pessoas. É possível consultar os locais habilitados a receber o voto em trânsito no site do TSE. Não é possível indicar municípios em outros países para o voto em trânsito.

Eleitores com o título de eleitor cadastrado no exterior, poderão votar em trânsito se estiverem em viagem ao Brasil. Para isso, devem indicar o município onde estarão no dia da votação. Nesses casos, só poderão votar exclusivamente em candidatas e candidatos a presidente da República.

“O voto em trânsito funciona como uma transferência temporária de domicílio eleitoral. A habilitação para votar em trânsito não transfere ou altera quaisquer dados da inscrição eleitoral. Após as eleições, a vinculação do eleitor com a seção de origem é restabelecida automaticamente”, informa o TSE.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana