conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Pré-campanha: Lula vê vaias contra Alckmin e fecha aliança com o MDB

Publicado

source
Lula participa de ato de pré-campanha em Aracaju
Ricardo Stuckert/Divulgação

Lula participa de ato de pré-campanha em Aracaju

Em seu giro de três dias por três estados do Nordeste, o pré-candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, viu o seu vice, Geraldo Alckmin, ser vaiado pela primeira vez. O petista ainda aproveitou a viagem para sacramentar a aliança com um governador do MDB, Paulo Dantas , de Alagoas, que participou de um ato ao seu lado.

Desde que Alckmin foi escolhido vice havia o receio entre os petistas de que ele fosse vítimas de vaias por parte da militância, como era rotina em 2002 com então vice de Lula, o empresário José Alencar. O ex-governador de São Paulo, porém, vinha conseguindo escapar de passar por esse constrangimento.

Em alguns eventos, Alckmin era chamado ao palco ou ao microfone junto com Lula, justamente para não ficar exposto às vaias. Mas na última quinta-feria, o nome do ex-tucano, que enfrentou o PT em duas eleições presidenciais (2006 e 2018), foi vaiado nas duas vezes em que foi anunciado no estádio das Dunas, em Natal, onde foi realizado um ato a favor da pré-candidatura de Lula.

Coube à presidente do PT, Gleisi Hoffmann, defender Alckmin ao afirmar que no palanque de Lula poderia ter “gente com quem a gente divergiu, mas que é a favor da democracia e contra Bolsonaro”. O pré-candidato a vice não comentou as vaias.

No dia seguinte, em evento em Maceió, Lula defendeu Alckmin ao dizer que é preciso “juntar os divergentes para vencer os antagônicos”, uma frase que tem sido repetida pelo ex-presidente para justificar a aliança com o antigo adversário.

Leia mais:  Após áudios, governistas veem dificuldade para retirar apoio a CPI

No mesmo evento, Lula viu o governador local elogiá-o. Paulo Dantas afirmou que o petista foi “o maior presidente que o Brasil já teve”. O MDB lançou a pré-candidatura a presidente da senadora Simone Tebet (MS). Mas Dantas, aliados do senador Renan Calheiros (AL), não deve se engajar na campanha da sua colega de partido e, sim, na do petista.

Ainda em Maceió, Lula, ao falar de Renan, rememorou uma passagem que acabou servindo de munição para que bolsonaristas o atacassem nas redes sociais. O petista contou que em 1998 procurou o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para libertar os sequestradores do empresário Abílio Diniz da prisão. Diniz havia sido sequestrado em 1989. Os sequestradores estavam presos há dez anos e entraram em greve de fome. Renan era o ministro da Justiça de FHC.

“Esses jovens, que tinham argentinos, tinha gente da América Latina, ficaram presos 10 anos. Teve um momento que eu fui conversar com o Fernando Henrique Cardoso porque eles estavam em greve de fome e iam entrar em greve seca que é ficar sem comer e beber. A morte seria certa. Aí então eu fui procurar o ministro da Justiça chamado Renan Calheiros”, disse.

Lula relatou então que o tucano teria respondido que libertaria os presos se ele os convencesse a acabar com a greve de fome, o que acabou acontecendo.

Bolsonaristas usaram o trecho da fala de Lula em Maceió para acusá-lo de defender criminosos. O deputado federal Eduardo Bolsonao (PL/SP) publicou no Twitter: “O deputado federal Eduardo Bolsonao (PL/SP) publicou “Se alguém sequestrar seu filho ou cometer outra barbaridade e quiser ficar livre, certamente Lula intercederá pela soltura deste criminoso”.

Leia mais:  Pacheco critica desconfiança 'sem justa causa' sobre sistema eleitoral

Neste sábado, último dia de seu giro pelo Nordeste, Lula atacou o presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Eu fico triste quando vejo as Forças Armadas batendo continência para uma pessoa que foi expulsa do Exército por mau comportamento”, atacou o petista, em Aracaju.

Enquanto completava a sua viagem pelo Nordeste, Lula recebeu uma boa notícia do Sul. O PDT, do presidenciável Ciro Gomes, anunciou apoio ao pré-candidato petista em Santa Catarina, Décio Lima. Mas asituação no estado ainda não está definida. O PSB quer lançar o senador Dário Berger como candidato ao governo. As direções nacionais de PT e PSB trabalham pela união entre Lima e Berger.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Queiroga pode prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação do filho

Publicado

 Queiroga é convidado a prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação de seu filho na pasta da Saúde
Reprodução

Queiroga é convidado a prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação de seu filho na pasta da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi convidado pela Comissão do Trabalho, Administração e Serviço Pública da Câmara dos Deputados para explicar a atuação de seu filho, Antônio Cristovão Neto, o Queiroguinha, na pasta. Reportagens do GLOBO revelaram que Queiroguinha tem atuado como intermediário para a liberação de recursos do ministério, segundo prefeitos. Como se trata de um convite, o ministro Marcelo Queiroga não é obrigado a comparecer.

Segundo prefeitos e vídeos de eventos do Ministério da Saúde, Queiroguinha tem atuado como representante do seu pai e trabalhado para conseguir a liberação de recursos públicos da pasta para atender a demandas de prefeituras da Paraíba. Queiroguinha é pré-candidato a deputado federal pelo PL, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro. Segundo prefeitos ouvidos pelo GLOBO. “Ao que se verifica, mesmo não investido em cargo público, o filho do Ministro da Saúde vem exercendo atribuições que legalmente são acometidas a servidores públicos, assumindo papel relevante no Ministério da Saúde, no que diz respeito às escolhas políticas para a destinação de recursos públicos, orientando decisões administrativas e interferindo diretamente na gestão do interesse públicos”, afirmou o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA) no requerimento aprovado nesta terça-feira pela Comissão.

O caso também é investigado pelo Ministério Público Federal. Na semana passada, Queiroguinha esteve ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante evento de entrega de residências populares em João Pessoa, na Paraíba. Ao final do seu discurso, Bolsonaro agradeceu Queiroguinha pela presença. “Agradecer a presença também do Queiroguinha”, disse Bolsonaro citando nominalmente diversas autoridades presentes.

Leia mais:  Centrão vê equívoco em decisão de Braga Netto como vice de Bolsonaro

No palco, reservado para as autoridades, Queiroguinha sentou atrás de Bolsonaro e em determinado momento chegou a sussurrar em seu ouvido. Na abertura do evento, ele também foi citado pelo prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena. “Presidente Jair Bolsonaro, ministro da Defesa, Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, ministro da Saúde, o conterrâneo, Marcelo Queiroga e aos demais, Queiroguinha, também aqui presente”, disse o prefeito.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Câmara convida ministro da Justiça para explicar interferência na PF

Publicado

Bolsonaro e Anderson Torres, ministro da Justiça, exibem novo passaporte
Divulgação/Ministério da Justiça

Bolsonaro e Anderson Torres, ministro da Justiça, exibem novo passaporte

A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira um convite para que o ministro da Justiça, Anderson Torres, preste esclarecimentos sobre a suposta interferência na investigação que resultou na prisão do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro.

Como se trata de um convite, o ministro não é obrigado a comparecer. De acordo com o requerimento, Torres foi convidado para explicar a participação da cúpula da instituição ou de integrantes do Poder Executivo na operação “Acesso Pago”.

O requerimento citou, entre outros pontos, a mensagem enviada pelo delegado Bruno Calandrini em um grupo de policiais afirmando que não teria autonomia e independência investigativo. Posteriormente, áudios de ligações de Milton Ribeiro interceptadas pela Polícia Federal indicaram que o ex-ministro conversou com o presidente Jair Bolsonaro, que teria dito que tinha um pressentimento de que uma operação poderia ser realizada contra Ribeiro.

Segundo os deputados do PT, Bohn Gass, Rogério Correia e Reginaldo Lopes, autores do requerimento, “qualquer interferência numa investigação dessa magnitude deve ser apurada com rigor e identificado os responsáveis”.

Na última sexta-feira, o Ministério Público Federal pediu que a investigação sobre a possível interferência de Bolsonaro seja enviada ao Supremo Tribunal Federal, já que o presidente tem foro privilegiado.

Na ligação a Ribeiro, Bolsonaro estava em viagem a Los Angeles, nos Estados Unidos, onde participou da Cúpula das Américas. O ministro da Justiça, Anderson Torres, fez parte da comitiva para a cidade americana.

Em suas redes sociais, Anderson Torres negou que tenha conversado com o presidente sobre operações da Polícia Federal durante a viagem.

“Diante de tanta especulação sobre minha viagem com o Presidente Bolsonaro para os EUA, asseguro categoricamente que, em momento algum, tratamos de operações da PF. Absolutamente nada disso foi pauta de qualquer conversa nossa, na referida viagem”, escreveu Ribeiro.


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana