conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Policiais ligados ao PT pedem diálogo a Lula para conter Bolsonaro

Publicado

source
Policiais ligados ao PT pedem diálogo a Lula para conter Bolsonaro
Reprodução

Policiais ligados ao PT pedem diálogo a Lula para conter Bolsonaro

Policiais ligados ao PT estão preocupados com recentes declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com alegadas dificuldades para incluir demandas da classe no programa de governo do partido. O temor é que a falta de diálogo com os agentes empurre as corporações ainda mais para o colo  do bolsonarismo.

Durante a estadia de Lula em Porto Alegre, no fim de maio, um grupo inusitado se misturou à militância tradicional da esquerda, composta de professores, artistas e cooperativistas, para conversar com o presidenciável no hotel em que ele ficou hospedado por dois dias, no centro da capital.

Em contraste com as horas concedidas aos profissionais da educação e da cultura (inclusive com transmissão ao vivo), o petista recebeu representantes de sindicatos policiais e do setorial de segurança pública da legenda por cerca de 15 minutos. Ouviu deles um apelo: cuidado especial na comunicação para os policiais.

Declarações polêmicas

O pedido foi motivado por uma insatisfação da classe com comentários recentes de Lula. Num evento com mulheres em São Paulo, em 30 de abril, o petista afirmou que “Bolsonaro não gosta de gente, gosta é de policial” — afirmação pela qual ele depois se desculpou.

Já em Porto Alegre, em 1º de junho, um dia antes do encontro com os policiais, ele comentava o assassinato de Genivaldo de Jesus Santos por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) quando mencionou que a polícia, “quando chega, chega para atirar”.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), por outro lado, encontra amplo apoio na categoria, que recebeu diversos acenos desde o início do atual governo. A proximidade do mandatário com as forças de segurança é tanta que durante o Sete de Setembro no ano passado, governadores temeram que membros Polícia Militar pudessem aderir, incentivados pelo presidente, aos atos que tinham bandeiras antidemocráticas.

Leia mais:  Datafolha: Bolsonaro tem 55% de rejeição; Lula tem 35%

O vereador do PT de Porto Alegre Leonel Radde, ex-policial civil, um dos presentes no encontro com Lula, diz temer que as corporações vivam episódios de insubordinação em um eventual novo governo petista. Esse cenário seria possível, no seu entendimento, se os agentes entenderem que Lula considera os profissionais de segurança como “subcidadãos”. Para ele, o caldo de radicalização derramado pelo presidente Jair Bolsonaro sobre as categorias policiais exacerba esse quadro.

Radde também se diz insatisfeito pelo modo como, segundo ele, o núcleo da Fundação Perseu Abramo (instituição vinculada ao PT), responsável por debater políticas de segurança pública, tem monopolizado as discussões e apartado o setorial do assunto. Sua preocupação é que o futuro plano de governo de Lula não converse com as pautas de base dos policiais e leve a políticas públicas impostas de cima para baixo.

“Quando eu levava propostas mais corporativas, me chamavam de “bolsonarista de esquerda”, falavam que eram a “cloroquina da segurança pública”, como se todo policial fosse de extrema-direita”, diz Radde.

Reativado em 2021 após anos inoperante e composto por 17 coordenadores estaduais, sendo 15 delas ocupadas por policiais, o setorial é a principal ponte de acesso do PT com a categoria — a legenda tem outros 16 setoriais acerca de temas como economia, direitos humanos e moradia. O coordenador nacional, Abdael Ambruster, agente de segurança penitenciária, estima que cerca de 60% dos seis mil membros do setorial nacional trabalhem nas polícias.

Os policiais petistas dizem querer maior atenção às demandas corporativas, como políticas para reduzir a taxa de suicídio de agentes, a aprovação de uma lei orgânica para disciplinar as atividades dos policiais brasileiros, a carreira única e o ciclo completo para as Polícias.

Leia mais:  Áudios de Ribeiro reforçam abertura de CPI do MEC, dizem parlamentares

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), um dos responsáveis pelo núcleo da fundação voltado ao tema, rechaça a falta de diálogo e afirma haver policiais no grupo da Perseu Abramo. O programa de governo deve trabalhar macropolíticas, como melhorias nas carreiras e investimentos em formação, segundo ele:

“Estamos evitando trazer as temáticas de natureza corporativa para o plano. Na versão inicial das diretrizes para o programa de governo de Lula, tornada pública na última segunda-feira, o tema da segurança pública se concentrou em apenas um dos 90 parágrafos do documento. O partido defende um “conjunto consistente de políticas integradas para a redução da violência e da criminalidade, enfrentamento eficaz ao tráfico de drogas e armas, ao crime organizado e às milícias”.

Há também enfoque à principal parcela da população afetada pela violência policial: “especial atenção ao direito das mulheres e da juventude negra a uma vida livre de violência”.

Encontro com lideranças

O ex-policial militar Leandro Prior, coordenador do setorial em São Paulo, diz sentir uma “grande falta de comunicação” com a coordenação da pré-campanha petista com as demandas policiais. Ele cobra que declarações “mal colocadas” como as de Lula não se repitam, por entender que bolsonaristas estão prontos para repercuti-las.

“Foi justamente pela esquerda não tratar os policiais como servidores públicos e ouvi-los, como faz com outras categorias de trabalhadores, que permitiu que o discurso bolsonarista abraçasse as corporações”, diz ele.

O setorial levou à presidente do PT, Gleisi Hoffmann, um pedido para que Lula marque um encontro aberto com policiais, nos moldes da reunião feita com lideranças evangélicas em novembro. O ato, planejado para ser realizado em São Paulo, serviria como demonstração de valorização em relação a suas pautas.

Para policiais avessos às pautas de esquerda, o discurso de Lula implodiu pontes. Raquel Gallinati, presidente licenciada do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo e pré-candidata a deputada estadual pelo PL, classifica as declarações do ex-presidente como “inadmissíveis”:

“Se o principal expoente de uma determinada ideologia faz declarações desse tipo, é claro que os policiais vão ficar refratários a essa ideologia como um todo”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Pacheco não deve avaliar pedidos de CPI’s em ‘ordem cronológica’

Publicado

Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado Federal
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado Federal

pedido de senadores governistas para que o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD-MG) aprecie outros pedidos “em ordem cronológica” antes de deliberar sobre a criação da CPI do MEC , cujo requerimento foi apresentado hoje, não deve surtir resultado.

Segundo a assessoria da presidência do Senado, Pacheco irá cumprir o regimento do Senado Federal e não há uma exigência para que ele decida em ordem cronológica. O texto exige apenas que o pedido contenha “o fato a ser apurado, o número de membros, o prazo de duração da comissão e o limite das despesas a serem realizadas”.

Atendidos esses critérios, o presidente deve deliberar sobre os pedidos. Não há necessidade de que faça isso atendendo à ordem cronológica dos requerimentos.

Nesta terça-feira, os senadores Carlos Portinho (PL-RJ), líder do governo, e Plínio Valério (PSDB-AM) protocolaram requerimentos solicitando que a ordem cronológica de pedidos de aberturas das Comissões Parlamentares (CPIs) seja respeitada.

Os pedidos foram feitos minutos após a oposição protocolar o pedido de abertura da CPI do MEC, para averiguar irregularidades no ministério e a suposta interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

O objetivo dos senadores aliados ao governo é fazer com que outras comissões, mais “amistosas” ao governo, sejam abertas antes. No caso, eles pedem especificamente a abertura das CPIS das ONGs na Amazônia, que aguarda desde 2019, e da comissão para investigar obras inacabadas e o Fies, que aguarda instalação desde 12 de abril.

Leia mais:  Áudios de Ribeiro reforçam abertura de CPI do MEC, dizem parlamentares

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Queiroga pode prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação do filho

Publicado

 Queiroga é convidado a prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação de seu filho na pasta da Saúde
Reprodução

Queiroga é convidado a prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação de seu filho na pasta da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi convidado pela Comissão do Trabalho, Administração e Serviço Pública da Câmara dos Deputados para explicar a atuação de seu filho, Antônio Cristovão Neto, o Queiroguinha, na pasta. Reportagens do GLOBO revelaram que Queiroguinha tem atuado como intermediário para a liberação de recursos do ministério, segundo prefeitos. Como se trata de um convite, o ministro Marcelo Queiroga não é obrigado a comparecer.

Segundo prefeitos e vídeos de eventos do Ministério da Saúde, Queiroguinha tem atuado como representante do seu pai e trabalhado para conseguir a liberação de recursos públicos da pasta para atender a demandas de prefeituras da Paraíba. Queiroguinha é pré-candidato a deputado federal pelo PL, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro. Segundo prefeitos ouvidos pelo GLOBO. “Ao que se verifica, mesmo não investido em cargo público, o filho do Ministro da Saúde vem exercendo atribuições que legalmente são acometidas a servidores públicos, assumindo papel relevante no Ministério da Saúde, no que diz respeito às escolhas políticas para a destinação de recursos públicos, orientando decisões administrativas e interferindo diretamente na gestão do interesse públicos”, afirmou o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA) no requerimento aprovado nesta terça-feira pela Comissão.

O caso também é investigado pelo Ministério Público Federal. Na semana passada, Queiroguinha esteve ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante evento de entrega de residências populares em João Pessoa, na Paraíba. Ao final do seu discurso, Bolsonaro agradeceu Queiroguinha pela presença. “Agradecer a presença também do Queiroguinha”, disse Bolsonaro citando nominalmente diversas autoridades presentes.

Leia mais:  Câmara convida ministro da Justiça para explicar interferência na PF

No palco, reservado para as autoridades, Queiroguinha sentou atrás de Bolsonaro e em determinado momento chegou a sussurrar em seu ouvido. Na abertura do evento, ele também foi citado pelo prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena. “Presidente Jair Bolsonaro, ministro da Defesa, Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, ministro da Saúde, o conterrâneo, Marcelo Queiroga e aos demais, Queiroguinha, também aqui presente”, disse o prefeito.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana