conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Pensando na reeleição, Lira busca acordo em disputa por vaga no TCU

Publicado

source
Pensando na reeleição, Lira busca acordo em disputa por vaga no TCU
Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

Pensando na reeleição, Lira busca acordo em disputa por vaga no TCU

Em uma estratégia já projetando a campanha por mais um mandato à frente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) busca ganhar tempo para construir um consenso em torno do nome que será escolhido pelos deputados para a vaga a ser aberta no Tribunal de Contas da União (TCU). Há cinco nomes na disputa, e o presidente elegeu o seu preferido — mas, por ora, o objetivo é estender o calendário para que a definição ocorra sem fissuras que possam prejudicar o projeto de reeleição no comando da Casa.

Lira tem acordo com o Republicanos para apoiar Jhonatan de Jesus (RR), nome do partido e ex-líder da bancada. Com 42 deputados, a legenda pode ser determinante para que ele, caso conquiste um novo mandato de deputado nas urnas, seja reconduzido à chefia da Casa no biênio 2023-2024. Segundo aliados, Lira quer ganhar tempo na missão de negociar apoio a Jhonatan, que sofre resistência entre os pares. Por outro lado, outros concorrentes também buscam ser apadrinhados pelo presidente da Câmara, a quem cabe marcar a data de votação. Ele tem dito a interlocutores que só pretende agendar o pleito após as eleições gerais, em outubro.

A ministra do tribunal Ana Arraes vai completar 75 anos em julho, quando precisará se aposentar compulsoriamente. O TCU é composto por seis integrantes: metade indicada pelo Senado e outros três pela Câmara.

Embora haja negociações para pacificar a escolha, as movimentações dos deputados interessados na vaga estão em curso. Soraya Santos (PL-RJ) e Hugo Leal (PSD-RJ) também buscam a bênção de Lira. Fábio Ramalho (MDB-MG), por sua vez, tenta uma candidatura independente, buscando votos na esquerda e na direita. Há ainda no páreo o bolsonarista Hélio Lopes (PL-RJ), que deve lançar seu nome como postulante avulso.

Leia mais:  Renan Calheiros pode voltar ao Senado caso CPI do MEC seja instalada

Mapa na mão

O adiamento da votação para o fim do ano pode ser estratégico para Lira. Após o primeiro turno das eleições gerais, ele já saberá quais deputados terão sido reeleitos e, com isso, poderá usar a disputa pela cadeira no TCU como instrumento nas articulações para conquistar o apoio necessário à própria reeleição. Procurado, o deputado não quis se pronunciar.

Na corrida pelo posto, Soraya Santos passa por um momento de desgaste interno, apesar de manter boa relação com parlamentares do Centrão, grupo político majoritário a Casa. Alguns correligionários estão insatisfeitos com o fato de que ela querer ser indicada ao TCU e, ao mesmo tempo, empenhar o seu capital político para eleger a filha deputada federal. O ideal, segundo eles, seria dar prestígio aos deputados que buscam a reeleição no Rio.

Fábio Ramalho já tentou duas vezes se eleger presidente da Câmara, sem sucesso. Apelidado de “rei do baixo clero”, ele tem procurado os colegas para pedir votos e, como faz desde sempre, patrocinado banquetes de comida mineira no café da Câmara na hora do jantar, quando há votação na Casa.

“Os deputados veem que eu perdi duas eleições (para a presidência da Câmara) e não mudei em nada. Falam: “A gente deve esse voto para o Fabinho”. O Arthur (Lira) tem que entender que essa campanha não pertence a ele, pertence ao plenário. Mas não quero comprar briga com ninguém. Sei que política é servir os outros e vou estar lá para atender a todos”, diz Ramalho.

O líder do MDB, Isnaldo Bulhões (AL), pontua que a movimentação nesse momento está restrita aos candidatos postulantes à vaga.

“Os candidatos estão postos. Lira está avaliando para ouvir as pessoas, para ver se coloca a eleição agora ou lá na frente. Mas a movimentação é muito mais dos candidatos e menos dos partidos”, diz Isnaldo.

Leia mais:  MEC: empresário que denunciou esquema diz como eram as abordagens

Foco de tensão

O cargo é importante para os parlamentares, principalmente no contexto atual. Recentemente, o tribunal determinou a paralisação de obras em diferentes estados que eram patrocinadas por congressistas por meio de emendas de relator. Trata-se do instrumento por meio do qual deputados e senadores indicaram gastos do governo federal, sem serem identificados. Na semana passada, contudo, o TCU liberou a continuidade das obras.

Ainda assim, a intervenção irritou os deputados, inclusive Lira, embora eles saibam que fiscalizar gastos públicos é justamente a função da Corte. Numa contraofensiva, os parlamentares ameaçam inclusive alterar a legislação para que a interrupção de investimentos só ocorra com o aval do Congresso.

Em um reflexo desse incômodo, o deputado Celso Sabino (União-PA), presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), pediu ao TCU que enviasse sua prestação de contas dos anos anteriores para que o Legislativo fizesse um “pente-fino” sobre os gastos do tribunal.

Com o crescimento das emendas de relator, os congressistas passaram a ter mais poder para canalizar investimentos. Além disso, colhem dividendos políticos e eleitorais a partir das indicações dessas emendas.

Em 2011, a então deputada Ana Arraes (PSB-PE), mãe do ex-governador Eduardo Campos, foi eleita com 222 votos, mas a disputa foi acirrada. O segundo colocado foi o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), também governista à época, com 149 votos. Foram derrotados Átila Lins (PMDB-AM), Damião Feliciano (PDT-PB) e Milton Monti (PR-SP).

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Leia mais:  Flávio Bolsonaro tenta barrar CPI do MEC no Senado

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Queiroga pode prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação do filho

Publicado

 Queiroga é convidado a prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação de seu filho na pasta da Saúde
Reprodução

Queiroga é convidado a prestar esclarecimentos na Câmara sobre atuação de seu filho na pasta da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi convidado pela Comissão do Trabalho, Administração e Serviço Pública da Câmara dos Deputados para explicar a atuação de seu filho, Antônio Cristovão Neto, o Queiroguinha, na pasta. Reportagens do GLOBO revelaram que Queiroguinha tem atuado como intermediário para a liberação de recursos do ministério, segundo prefeitos. Como se trata de um convite, o ministro Marcelo Queiroga não é obrigado a comparecer.

Segundo prefeitos e vídeos de eventos do Ministério da Saúde, Queiroguinha tem atuado como representante do seu pai e trabalhado para conseguir a liberação de recursos públicos da pasta para atender a demandas de prefeituras da Paraíba. Queiroguinha é pré-candidato a deputado federal pelo PL, mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro. Segundo prefeitos ouvidos pelo GLOBO. “Ao que se verifica, mesmo não investido em cargo público, o filho do Ministro da Saúde vem exercendo atribuições que legalmente são acometidas a servidores públicos, assumindo papel relevante no Ministério da Saúde, no que diz respeito às escolhas políticas para a destinação de recursos públicos, orientando decisões administrativas e interferindo diretamente na gestão do interesse públicos”, afirmou o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA) no requerimento aprovado nesta terça-feira pela Comissão.

O caso também é investigado pelo Ministério Público Federal. Na semana passada, Queiroguinha esteve ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante evento de entrega de residências populares em João Pessoa, na Paraíba. Ao final do seu discurso, Bolsonaro agradeceu Queiroguinha pela presença. “Agradecer a presença também do Queiroguinha”, disse Bolsonaro citando nominalmente diversas autoridades presentes.

Leia mais:  Ex-gerente do MEC recebeu propina de R$ 20 mil, aponta MPF

No palco, reservado para as autoridades, Queiroguinha sentou atrás de Bolsonaro e em determinado momento chegou a sussurrar em seu ouvido. Na abertura do evento, ele também foi citado pelo prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena. “Presidente Jair Bolsonaro, ministro da Defesa, Paulo Sergio Nogueira de Oliveira, ministro da Saúde, o conterrâneo, Marcelo Queiroga e aos demais, Queiroguinha, também aqui presente”, disse o prefeito.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Câmara convida ministro da Justiça para explicar interferência na PF

Publicado

Bolsonaro e Anderson Torres, ministro da Justiça, exibem novo passaporte
Divulgação/Ministério da Justiça

Bolsonaro e Anderson Torres, ministro da Justiça, exibem novo passaporte

A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira um convite para que o ministro da Justiça, Anderson Torres, preste esclarecimentos sobre a suposta interferência na investigação que resultou na prisão do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro.

Como se trata de um convite, o ministro não é obrigado a comparecer. De acordo com o requerimento, Torres foi convidado para explicar a participação da cúpula da instituição ou de integrantes do Poder Executivo na operação “Acesso Pago”.

O requerimento citou, entre outros pontos, a mensagem enviada pelo delegado Bruno Calandrini em um grupo de policiais afirmando que não teria autonomia e independência investigativo. Posteriormente, áudios de ligações de Milton Ribeiro interceptadas pela Polícia Federal indicaram que o ex-ministro conversou com o presidente Jair Bolsonaro, que teria dito que tinha um pressentimento de que uma operação poderia ser realizada contra Ribeiro.

Segundo os deputados do PT, Bohn Gass, Rogério Correia e Reginaldo Lopes, autores do requerimento, “qualquer interferência numa investigação dessa magnitude deve ser apurada com rigor e identificado os responsáveis”.

Na última sexta-feira, o Ministério Público Federal pediu que a investigação sobre a possível interferência de Bolsonaro seja enviada ao Supremo Tribunal Federal, já que o presidente tem foro privilegiado.

Na ligação a Ribeiro, Bolsonaro estava em viagem a Los Angeles, nos Estados Unidos, onde participou da Cúpula das Américas. O ministro da Justiça, Anderson Torres, fez parte da comitiva para a cidade americana.

Em suas redes sociais, Anderson Torres negou que tenha conversado com o presidente sobre operações da Polícia Federal durante a viagem.

“Diante de tanta especulação sobre minha viagem com o Presidente Bolsonaro para os EUA, asseguro categoricamente que, em momento algum, tratamos de operações da PF. Absolutamente nada disso foi pauta de qualquer conversa nossa, na referida viagem”, escreveu Ribeiro.


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana