conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

STF determina que PGR se manifeste sobre investigação de Ribeiro

Publicado

source
O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro
Reprodução: commons – 22/03/2022

O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a Procuradoria Geral da República (PGR) se manifeste sobre os próximos rumos da  denúncia contra o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro por suposto crime de homofobia. O pedido de manifestação do ministro teve como base a exoneração do ex-chefe do MEC em 28 de março.

Em 2020, ao conceder uma entrevista ao jornal “O Estado de S.Paulo”, o ministro associou a homossexualidade a “famílias desajustadas”.

“Trata-se de denúncia contra Milton Ribeiro, à época dos fatos, Ministro de Estado da Educação, pela suposta prática do crime previsto no art. 20, § 2°, da Lei nº 7.716/1989. Ocorre, entretanto, que o requerido foi exonerado, a pedido, do cargo de Ministro de Estado da Educação em 28 de março de 2022. Considerando este novo fato, dê-se vista à Procuradoria-Geral da República para manifestação. No retorno, voltem conclusos”, diz o despacho publicado por Toffoli nesta terça-feira.

A denúncia contra Ribeiro foi apresentada ao Supremo em dezembro do ano passado. “Ao afirmar que adolescentes homossexuais procedem de famílias desajustadas, o denunciado discrimina jovens por sua orientação sexual e preconceituosamente desqualifica as famílias em que criados, afirmando serem desajustadas, isto é, fora do campo do justo curso da ordem social”, diz a denúncia apresentada ao STF.

Na denúncia, assinada pelo então vice-procurador-geral da República Humberto Jacques de Medeiros, a PGR afirma que ao enunciar que “a questão de gênero’ “não é normal’ e mencionar que “o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo”, o ministro da Educação “induz o preconceito contra homossexuais colocando-os no campo da anormalidade”.

Leia mais:  Ciro Gomes sobe o tom contra Lula e aumenta isolamento no PDT

“Ao desqualificar grupo humano – publicamente e por meio de comunicação social publicada – depreciando~o com relação a outros grupos em razão de orientação sexual, o denunciado adota um discrímen vedado e avilta integrantes desse grupo e seus familiares, emitindo um desvalor infundado quanto a pessoas, induzindo outros grupos sociais a ter por legítimo o discrímen, por sustentável o pre~juízo sem lastro, por reforçado o estigma social, por aceitável a menos~valia de pessoas e por explicável a adoção e manutenção de comportamentos de rejeição e mesmo hostilidade violenta a esse grupo humano vulnerável”, afirma a PGR.

Em um dos trechos da entrevista citados pela PGR, Ribeiro, que é pastor da igreja Presbiteriana, declarou:

“Quando o menino tiver 17, 18 anos, ele vai ter condição de optar. E não é normal. A biologia diz que não é normal a questão do gênero. A opção que você tem como adulto de ser um homossexual, eu respeito, não concordo”.

Em outro trecho, o ministro da Educação sugere que o adolescente “muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo (sic) tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa.São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe. Vejo menino de 12, 13 anos optando por ser gay, nunca esteve com uma mulher de fato, com um homem e caminhar por aí”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


Leia mais:  Aras se descontrola e parte pra cima de colega da PGR durante sessão

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Google: RJ é o local que mais pesquisa o termo ‘terceira via’

Publicado

source
Ciro Gomes e Simone Tebet
Reprodução

Ciro Gomes e Simone Tebet

Nos últimos 30 dias, o termo “terceira via” foi mais buscado no Rio de Janeiro que no resto do país. Na plataforma de pesquisas do google, o estado aparece com interesse 100, enquanto Pernambuco, segundo colocado, apresenta apenas 23: um interesse 77% menor. Paraíba, Ceará e Bahia integram o top cinco de interessados, respectivamente. São Paulo é o nono colocado.

Nos assuntos relacionados, PSDB e “Partido Social Democracia Brasileira” aparecem em primeiro e segundo lugar. Nesta segunda-feira, o candidato do partido, o ex-governador de São Paulo João Doria, deixou a disputa presidencial. A senadora Simone Tebet (MDB) e o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), ambos pré-candidatos à Presidência, integram as pesquisas dos internautas nesta ordem de preferência. Tebet apresenta aumento repentino nas buscas de mais de 700%, enquanto Ciro sofreu alta de 300%.

Dentro do estado do Rio, Campos dos Goytacazes é o município que mais procura por terceira via (100) na ferramenta. São João da Barra e São Francisco de Itabapoana, municípios do norte fluminense estão em segundo e terceiro lugar. A capital fluminense ocupa a quarta posição e com interesse baixo, apenas um.

Para a disputa presidencial que ocorre nas eleições de outubro, os partidos se organizam em busca da terceira via. Até o momento, oito pré-candidatos já desistiram de se candidatar como alternativa à polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL). Além de João Doria, o ex-juiz Sérgio Moro (União), o presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD), o fundador do Novo João Amôedo, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (União) e o apresentador Luciano Huck também desistiram de representar a terceira via nas urnas.

Leia mais:  Doria recua e espera pressão por aprovação cair sobre Tebet

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Mensalidade em universidades públicas já foi defendida por Alckmin

Publicado

source
Geraldo Alckmin, candidato à vice-presidência na chapa de Lula (PT)
Divulgação

Geraldo Alckmin, candidato à vice-presidência na chapa de Lula (PT)

Candidato à vice-presidência na chapa de Lula (PT) , o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) jé defendeu a possibilidade de cobrança de mensalidade em universidades públicas. Em sabatina promovida pela GloboNews em 2018, o ex-tucano disse que não descartava a possibilidade de acabar com a total gratuidade nas universidades públicas.

Alckmin afirmou, na época, que a alternativa de cobrar mensalidade de alunos mais ricos estava sendo avaliada por sua equipe. Segundo ele, o primeiro passo era instituir a cobrança na pós-graduação, a não ser para aqueles que precisam de bolsa de estudos.

“O Brasil não investe pouco, é 6% do PIB em educação. Precisa ter uma melhor gestão. Pode ser discutido o pagamento por alunos mais ricos. Não temos nada fechado sobre isso, há um grupo estudando essa questão. Você pode estabelecer uma faixa de alunos mais ricos que pagam mensalidade. Acho que é um tema a ser aprofundado, não descarto”, explicou Alckmin.

Veja fotos do lançamento da pré-candidatura de Lula à presidência da República Lula critica privatizações, prega união de democratas e diz não ter desejo de vingança.

Tramita na Câmara dos Deputados uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para que universidades públicas cobrem mensalidade dos estudantes. De acordo com o projeto, que seria discutido na terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o curso seria gratuito somente para os alunos que comprovarem não ter recursos financeiros.

Como o relator do tema, Kim Kataguiri (União-SP), está de licença médica, houve acordo para retirada de pauta. Além disso, um requerimento da deputada Maria do Rosário (PT-RS) foi aprovado para que haja realização de audiência pública antes que o tema seja pautado novamente na comissão.

Leia mais:  Doria recua e espera pressão por aprovação cair sobre Tebet

Nas redes sociais, líderes do Partido dos Trabalhadores criticaram a possibilidade de aprovação da proposta, como a deputada federal Gleisi Hoffmann:

“Enquanto Lula criou 18 novas universidades federais, 173 campus e centenas de institutos de ensino, bolsonaristas e neoliberais na Câmara querem cobrar mensalidade”, disse.

O deputado federal Paulo Pimenta, por outro lado, publicou um vídeo em seu perfil no Twitter afirmando que a PEC é a “porta de entrada para a privatização do ensino público, como querem fazer com o SUS”. Na sequência, publicou:

“Esse é o projeto do bolsonarismo, acabar com as oportunidades de quem mais precisa”.

Recém chegado no partido, o senador Fabiano Contarato disse que “essa coalizão (de governo) não cansa de sapatear na cara do Povo”. Já o senador e ex-ministro da Saúde Humberto Costa compartilhou uma imagem com os dizeres “filho de pobre vai continuar sendo doutor” e, também no Twitter, comemorou o adiamento das tratativas sobre o assunto.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana