conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Lula viaja a Minas Gerais em meio a impasse sobre palanque no estado

Publicado

source
O ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
Divulgação/PT

O ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

O e x-presidente Luiz Inácio Lula Silva (PT) precisará lidar com um impasse sobre a definição de seu palanque na primeira viagem que fará depois de oficializar a sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto. O petista desembarca na próxima segunda-feira em Minas, segundo maior colégio eleitoral do país e estado-chave na eleição presidencial, num momento em que as negociações para a formalização do apoio ao ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD) estão travadas.

Por causa dessa situação, ainda não está marcado um encontro de Lula com Kalil, pré-candidato ao governo do estado. Há desejo de ambos os lados de estarem juntos na eleição, mas o PSD não abre mão de lançar a candidatura à reeleição do senador Alexandre Silveira, que é presidente estadual do partido e figura próxima ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Já os petistas querem Reginaldo Lopes como candidato ao Senado da chapa.

“Estão fazendo uma batalha e não tem nada disso. Estou fazendo minha agenda, tenho que viabilizar minha campanha. Ninguém me convidou (para nada), não estou entendendo” disse Kalil ao GLOBO. “Eu sou de outro partido, não posso parar minha agenda pelo PT. Mas todas as vezes que o Lula me chamou para conversar eu me coloquei sempre à disposição. Para participar do evento (de lançamento da pré-candidatura de Lopes), precisaria avaliar com os colegas do partido, mas para tratar de política, estou às ordens.”

Questionado se acredita que PT e PSD chegarão a um consenso para a formação de um palanque no estado, Kalil disse esperar que sim, mas ressaltou que o assunto está sendo tratado pelo presidente nacional do PSB, Gilberto Kassab. Lideranças que participam das negociações para a formação da chapa dizem que Kalil não aceitará uma aliança informal com o petista, sem a formalização da chapa e o acerto da vaga ao Senado. O classificou a previsão como “futurologia”.

Leia mais:  Ciro Gomes diz que aceitaria ter Simone Tebet como vice em sua chapa

Aliados de Lula em Minas cobram uma definição sobre o cenário local.

“Estamos aguardando o presidente Lula há algum tempo, é importante a vinda dele aqui, mas acho que ele vir a Minas sem resolver esse imbróglio do Senado não vai ter o brilho que poderia ter a visita. Esse assunto do Senado deveria ser resolvido antes” afirmou Anderson Adauto, que foi ministro dos Transportes no primeiro governo Lula e está filiado ao PCdoB, que faz parte da federação que terá o PT e o PV.

Adauto acredita que Lula tem opções de dois perfis para de chapa, uma mais ao centro com Silveira na disputa para o Senado e outra mais à esquerda com Lopes.

“O importante é ter uma solução.  Se ele vier sem a solução, vai criar mais uma onda sobre esse assunto.”

A avaliação dos dois lados é que, sem um consenso, tanto Lula quanto Kalil saem perdendo —  pelo peso que o estado tem na eleição presidencial e o ex-prefeito pela necessidade de conquistar apoio fora da capital.

Os petistas de Minas acreditam que o impasse pode se resolver caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorize que sejam apresentadas duas candidaturas ao Senado por cada chapa. O deputado delegado Waldir (PL-GO) fez uma consulta à corte sobre o tema, mas ainda não há uma resposta.

Reservadamente, lideranças do PT no estado dizem que hoje Kalil, diante das últimas projeções de desempenho eleitoral, depende mais de Lula do que o contrário. Também afirmam que não há hipótese de acordo se Reginaldo Lopes não for contemplado com a vaga para concorrer ao Senado.

Um dos argumentos dos defensores de Silveira é que ele possui, graças ao manejo de emendas federais, grande influência sobre prefeitos do estado, o que poderia ajudar tanto Kalil como Lula.

Leia mais:  Hackers da Lava Jato não tiveram mandantes e nem foram pagos, alega PF

O deputado petista Odair Cunha (PT) diz que o impasse será resolvido no tempo adequado e que Lula não pode esperar a definição exata de todos os palanques para só depois colocar a sua pré-campanha na rua.

“A pré-campanha do ex-presidente Lula deve ocorrer independentemente do tempo dos acertos eleitorais. O Lula não pode esperar que as coisas estejam todas resolvidas para percorrer o Brasil. E na política, prazo existe para ser usado. Se tem prazo (até agosto) para fazer convenções, por que temos que decidir antes da hora? Mas acredito que o melhor para Minas e para o Brasil é a nossa composição com o Kalil.”

A agenda de Lula em Minas inclui um ato político em Belo Horizonte, e visita a duas cidades governadas por petistas: Contagem, na região metropolitana, que tem Marília Campos como prefeita, e Juiz de Fora, na Zona da Mata, comandada por Margarida Salomão. Até agora, no entanto, não há confirmação de agenda com Kalil. Os petistas dizem que foi feito um convite ao ex-prefeito de BH para uma reunião a portas fechadas com Lula,mas o pré-candidato a governador nega.

Segundo maior colégio eleitoral do país, com mais de 15 milhões de eleitores, Minas é uma peça-chave para as eleições de outubro. Foi lá que Jair Bolsonaro (PL) venceu Fernando Haddad (PT) com 58,19 % dos votos válidos, acima do percentual nacional, e ainda conseguiu eleger Romeu Zema (Novo), atualmente favorito nas pesquisas. Desde a redemocratização, nenhum presidente conseguiu se eleger sem vencer no estado.

Lula tem defendido a ideia de não lançar um candidato próprio do PT no estado, já que o partido não tem nenhum nome competitivo para bater de frente com Zema. A apoiadores, o ex-presidente lembra o desempenho “vexatório” da sigla nas eleições municipais de Belo Horizonte, quando o ex-deputado federal Nilmário Miranda terminou a disputa com 1,88% dos votos.

Leia mais:  PSB estuda lançar Lu Alckmin como deputada federal em São Paulo

Além de Minas, o PT também tem um imbróglio envolvendo o palanque do Rio, onde a sigla apoia a candidatura de Marcelo Freixo (PSB), mas se opõe à escolha de Alessandro Molon (PSB) para o Senado. Os petistas querem emplacar o deputado estadual André Ceciliano.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram   e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Moro fala de tentativa de intimidação ao comentar inquérito da PF

Publicado

source
Em vídeo publicado nas redes sociais, Moro falou sobre inquérito da Polícia Federal
Reprodução/Redes sociais – 17/05/2022

Em vídeo publicado nas redes sociais, Moro falou sobre inquérito da Polícia Federal

O ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) criticou nesta terça-feira a determinação do Ministério Público Eleitoral (MPE) de São Paulo para que a Polícia Federal instaure inquérito policial e investigue se o ex-ministro da Justiça cometeu fraude na mudança de seu domicílio eleitoral do Paraná para São Paulo.

Como revelou O GLOBO, o MPE-SP entendeu que as explicações apresentadas por Moro e sua mulher, Rosângela, também alvo da ação, “não convencem, impondo-se a necessidade de aprofundamento das investigações para melhor compreensão dos fatos”. O promotor do caso solicitou ainda que o casal preste depoimento à Polícia Federal.

“Não sei se você já percebeu, mas a todo momento surge um fato novo para tentar intimidar uma possível candidatura minha. A bola da vez é meu domicílio eleitoral e da minha esposa. É sério que essa é a discussão? Enquanto tem condenado em três instâncias por corrupção solto por aí e posando de candidato a salvador da pátria?”, disse o ex-juiz em vídeo publicado em suas redes sociais.

Segundo ele, mudar o domicílio eleitoral é um “direito de qualquer brasileiro”.

Hoje, para fazer a troca de domicílio, a legislação exige residência de ao menos três meses no novo local. Porém, uma jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabelece que o domicílio eleitoral também ocorre pela constituição de “vínculos políticos, econômicos, sociais ou familiares”.

A denúncia feita à Procuradoria Eleitoral de São Paulo e encaminhada ao MPE do estado diz que Moro e Rosângela trocaram o domicílio sem ter “qualquer vínculo” com São Paulo.

Desde março, o ex-juiz passou a morar com sua mulher em um flat na Zona Sul, endereço que incluiu no cadastro junto à Justiça Eleitoral e onde diz ter um contrato de locação. Antes disso, ele disse que residia no Hotel Intercontinental, onde cumpria “agendas semanais” e se valia da cidade “como seu hub”.

Leia mais:  PSB estuda lançar Lu Alckmin como deputada federal em São Paulo

No vídeo gravado, Moro ressalta sua atuação na cidade paulista quando ainda era ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro (PL). De acordo com ele, as ações levaram ao “game over” de lideranças de uma facção criminosa de São Paulo.

“Transferi os criminosos mais perigosos do estado para presídios federais de segurança máxima. Eles comandavam crimes de dentro dos presídios estaduais, tinham até planos de resgates e ameaça de morte a juízes e promotores estaduais. A transferência foi uma verdadeira operação de guerra feita junto com o governo do estado de São Paulo”, afirmou Moro, que ainda assume um tom eleitoral: “Isso foi só uma amostra do que posso fazer por esse estado.”

O ex-ministro cogita ser candidato ao Senado por São Paulo, mas enfrenta resistência no diretório paulista do União Brasil. Aliados acreditam, no entanto, que o posto seria garantido a qualquer custo por Luciano Bivar, presidente da sigla.

Sobre o inquérito, a defesa de Moro disse que ambos cumpriram rigorosamente todas exigências da legislação eleitoral ao solicitarem a mudança de domicílio eleitoral. “Moro e sua esposa estão à disposição da Polícia Federal para prestar todos os esclarecimentos necessários, confiantes de que a lei vale para todos e deverá prevalecer.”

Entre no canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo . Siga também o perfil geral do Portal iG .

Leia mais:  Ipespe: Lula lidera com 44% das intenções e Bolsonaro cresce para 32%

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Santos Cruz é internado em Brasília após sofrer princípio de infarto

Publicado

source
Carlos Alberto dos Santos Cruz, general de divisão da reserva do Exército Brasileiro
Commons/Sylvain Liechti

Carlos Alberto dos Santos Cruz, general de divisão da reserva do Exército Brasileiro

Ex-ministro do governo Bolsonaro, o general Carlos Alberto dos Santos Cruz está internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília. O militar da reserva sofreu um princípio de infarto na segunda-feira.

Ainda não há informações sobre o estado de saúde dele ou sobre procedimentos médicos realizados.

Aos 69 anos, o nome de Santos Cruz chegou a ser ventilado como possível candidato à Presidência pelo Podemos. O general se tornou conhecido ao assumir como ministro-chefe da Secretaria de Governo, de janeiro a junho de 2019, e passou a ser crítico ao Governo após o presidente Jair Bolsonaro demiti-lo do cargo.

Procurado pelo GLOBO, o HFA informou que as informações seriam divulgadas pelo Ministério da Defesa, responsável por gerenciar o hospital. A pasta não respondeu até a publicação deste texto. A reportagem também tenta contato com a família do general.

Entre no canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo . Siga também o perfil geral do Portal iG .

Comentários Facebook
Leia mais:  Ciro Gomes diz que aceitaria ter Simone Tebet como vice em sua chapa
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana