conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Em ano de eleição, Bolsonaro aumenta gastos com cartão corporativo

Publicado

source
Presidente Jair Bolsonaro (PL)
Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil – 04/05/2022

Presidente Jair Bolsonaro (PL)

No ano das eleições, o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o vice, Hamilton Mourão, explodiram os gastos com o cartão corporativo . De acordo com dados do Portal da Transparência, entre janeiro e maio deste ano, Bolsonaro gastou R$ 8.858.318,82.

A quantia é R$ 2,1 milhões a mais do que o mesmo período de 2021, quando se foi gasto R$ 6.770.405,80, segundo informações do governo federal.

Já Mourão, gastou mais do que o dobro no cartão corporativo em relação ao ano passado. Conforme as informações, de R$ 249.735,78 entre janeiro e maio de 2021, o valor pulou para R$ 531.889,89 em 2022.

Em março deste ano, Mourão se filiou ao Republicanos e confirmou sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo Rio Grande do Sul . Desde então, passou a viajar com frequência para o estado.

Uma análise dos dados do portal ao longo dos quatro anos de governo mostra que a tendência é de crescimento nos gastos com o cartão. Entre janeiro e maio de 2019, o presidente gastou R$ 4,8 milhões; em 2020, R$ 7,9 milhões; em 2021, R$ 6,7 milhões; e em 2022, R$ 8,8 milhões.

Mourão, por outro lado, gastou R$ 219 mil no mesmo período de 2019; R$ 260 mil em 2020; R$ 249 mil em 2021 e R$ 531 mil em 2022.

De acordo com o próprio Portal da Transparência, o Cartão de Pagamento do Governo Federal (CPGF) é um meio de pagamento utilizado pelo governo que funciona de forma similar ao cartão de crédito. O governo utiliza o cartão para pagamentos de despesas próprias, que possam ser enquadradas como suprimento de fundos.

O objetivo é “atender a despesas de pequeno vulto; despesas eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que exijam pronto pagamento” e as despesas devem ser feitas “em caráter sigiloso”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Aliados de Doria dizem que não vão aceitar nome de Tebet para 3ª via

Publicado

source
Ex-governador João Doria perdeu espaço para Tebet na terceira via
Rovena Rosa/Agência Brasil – 17/06/2019

Ex-governador João Doria perdeu espaço para Tebet na terceira via

Aliados do ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reagiram às informações de que a senadora Simone Tebet (MDB-MS) foi escolhida pelo MDB, Cidadania e pelo seu próprio partido para encabeçar a chapa da terceira via . O grupo de Doria disse que não vai aceitar a decisão e voltou a sinalizar com a possibilidade de judicialização , caso não haja respeito ao  resultado das prévias presidenciais — eleição interna vencida pelo paulista em dezembro.

O acordo firmado entre MDB, PSDB e Cidadania previa que o candidato do centro democrático seria escolhido com base em pesquisas quantitativa e qualitativa feitas no último fim de semana pelo professor Paulo Guimarães. O combinado era que o resultado do levantamento seria divulgado nesta quarta-feira, o que não ocorreu.

Estrategistas de Doria afirmaram que o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, sequer comunicou o paulista sobre os resultados e tampouco forneceu acesso ao levantamento . Especializado em direito eleitoral, o advogado Arthur Rollo, que representa Doria, voltou a dizer que o resultado das prévias , cuja decisão foi tomada por mais de 17 mil filiados tucanos, está acima de qualquer decisão de aliança da terceira via. A defesa de Doria se respalda num artigo do estatuto tucano que garante a convenção partidária como o momento certo para homologar a candidatura do vencedor das primárias.

Para Rollo, os dirigentes de MDB, PSDB e Cidadania não têm competência para decidir lançar Tebet como cabeça de chapa.

“Eles (Baleia Rossi, Bruno Araújo e Roberto Freire) não têm poder para tomar essa decisão.”

Marqueteiro experiente em campanhas políticas, Lula Guimarães, que trabalha com Doria, demonstrou indignação e cobrou que os dados sejam mostrados. Desde que o parâmetro de pesquisa foi adotado para que os partidos de centro apontassem um nome para encabeçar a chapa do centro democrático, diversas lideranças do PSDB denunciaram que a medida seria uma forma de tentar rifar Doria da disputa com base em sua rejeição, que é a maior que a da emedebista nas pesquisas de opinião, já que ela é pouco conhecida do eleitorado. Guimarães, no entanto, contesta essa tese:

Leia mais:  PoderData: Lula tem 64% dos votos de quem desaprova governo Bolsonaro

“Nenhuma das pesquisas divulgadas regularmente dão alguma vantagem para Simone Tebet em relação a João Doria. Nem o critério de rejeição se sustenta, já que proporcionalmente a senadora é mais rejeitada que o governador”, afirma Guimarães.

O marqueteiro ainda foi além e disse que uma hipótese de substituição de Doria por Tebet como cabeça de chapa “seria um equívoco histórico”. Para Guimarães, Doria tem mais experiência e ativos políticos a apresentar ao eleitorado do que a senadora. Ele citou o exemplo do legado vacina Coronavac contra a Covid-19:

“João tem o que mostrar numa campanha que compete com dois presidentes porque esteve no comando do executivo. O que a senadora Simone tem para mostrar ao eleitor além de intenções? João tem uma obra concreta que se materializa com o fato de ter trazido a vacina contra a Covid-19 para os brasileiros, por exemplo, entre outras. Logo, não há o que justifique a escolha da senadora. Seria um equívoco histórico.”

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.


Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

PSDB, MDB e Cidadania concluem que Tebet é mais viável para 3ª via

Publicado

source
Simone Tebet diz que sua decisão não depende dos planos de Doria
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 22/10/2019

Simone Tebet diz que sua decisão não depende dos planos de Doria

Em reunião a portas fechadas, os presidentes do PSDB, MDB e Cidadania chegaram à conclusão nesta quarta-feira que a senadora Simone Tebet (MDB-MS) é mais viável eleitoralmente do que o ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) . Os três dirigentes — Bruno Araújo (PSDB), Baleia Rossi (MDB) e Roberto Freire (Cidadania) — analisaram os dados de uma pesquisa encomendada pelas três siglas e combinaram de levar o nome da parlamentar para ser referendado pela Executiva dos três partidos na próxima terça-feira .

No encontro ocorrido na sede do Cidadania, em Brasília, o professor Paulo Guimãres, do instituto que leva o nome dele, apresentou os resultados do levantamento contratado para verificar quem seria o candidato mais viável para disputar o Planalto neste ano — Tebet ou Doria. Segundo políticos que participaram da reunião e não quiseram se identificar, o levantamento apontou a senadora como a favorita por ter uma  rejeição menor e ter mais potencial de crescimento.

O levantamento também verificou que a senadora é vista como alguém mais pacificador e menos agressivo, o que lhe daria mais condições de romper a polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) — os dois lideram as pesquisas eleitorais até agora . Ao GLOBO, Guimarães afirmou que Doria apareceu com uma rejeição “monstruosa”, assim como Lula e Bolsonaro. A pesquisa ouviu mais de 2.000 pessoas pelo Brasil no último fim de semana e não foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na saída do encontro, os três dirigentes não quiseram anunciar oficialmente a opção por Tebet, restringindo-se a dizer que consultariam antes a Executiva de cada partido para decidir por um candidato único da terceira via .

Leia mais:  Fachin afirma que Brasil não deve aceitar 'aventuras autoritárias'

“Terça-feira que vem fica público uma posição dos três partidos e se os três confirmam essa posição. E a partir daí inicia-se um processo de dois candidatos postos”, afirmou Bruno Araújo. “Nós três chegamos a um consenso. Só que não somos nós que vamos decidir, não vai ser uma decisão individual minha, nem do Bruno, nem do Baleia”, completou Freire.

A hesitação se deve ao fato do ex-governador paulista dar sinais de que não está disposto a deixar o páreo e ter ameaçado recorrer à Justiça se não fosse lançado como pré-candidato do PSDB . Ele se fia no argumento jurídico de que o partido aprovou em prévias o nome dele.

Nesta terça-feira, boa parte dos dirigentes do PSDB se reuniram no diretório nacional, em Brasília, para ampliar a pressão para que Doria seja desista da corrida à Presidência. O movimento foi capitaneado por seu opositor, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), que declarou ontem que ele está “atrapalhando” a campanha dos pré-candidatos aos governos estaduais. A Executiva tucana chegou a aprovar que o paulista fosse “convidado” para uma reunião na manhã desta quarta-feira, em Brasília. Mas ele declinou do convite.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.


Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana