conecte-se conosco


POLICIAL

Polícia Civil conclui inquérito e indicia autor por homicídio qualificado em Arenápolis

Publicado


Assessoria | Polícia Civil-MT

A Polícia Civil de Arenápolis (258 km a médio norte de Cuiabá) concluiu o inquérito que apurou o homicídio de João Batista Fernandes Vicente, 57 anos, com indiciamento do autor do crime por homicídio qualificado e porte ilegal de arma de fogo. O inquérito foi relatada pelo delegado Cesar Henrique Ferreira, em 6 de janeiro, e encaminhada ao Poder Judiciário e Ministério Público Estadual para prosseguimento da ação criminal contra o indiciado.

Homicídio

O crime ocorreu na tarde do dia 28 de novembro de 2021, no bairro Jardim Canaã, em Arenápolis, quando a vítima João Batista foi atingida por disparos de arma de fogo na região da cabeça e do tórax.
Na ocasião, moradores que residem nas proximidades, informaram somente terem ouvido de quatro a cinco disparos e o barulho de uma motocicleta saindo do local.

Apuração

No decorrer das diligências para esclarecer o crime, o autor do homicídio se apresentou na Delegacia de Arenápolis, acompanhado do seu advogado. Durante interrogatório, ele alegou que seu sobrinho havia sofrido abusos sexuais por parte da vítima e sua irmã estava sendo ameaçada por João Batista, caso acionasse a polícia.

O suspeito contou que no dia do crime, a vítima passou próximo à casa onde ele e outros familiares se encontravam. Diante desse comportamente, o indiciado, que possuía uma revólver calibre 38 dentro do seu automóvel, resolveu segui-lo de carro.No percurso, o investigado recebeu uma ligação de João Batista dizendo que queria resolver a situação e era para ambos se encontrarem. Ao chegar próximo ao endereço combinado, a vítima estava parada próxima a um veículo e ao ver o indiciado, sacou uma arma de cano longo.

Porém, o investigado, ainda dentro do carro, pegou sua arma e efetuou os disparos contra a vítima. Ao ser questionado sobre a arma utilizada no crime, este relatou que a teria jogado em um rio, a caminho de Nova Mutum.

Leia mais:  Mais duas prisões da Operação Incipere, sobre roubo de defensivos, são efetuadas no interior de MT

Outras pessoas foram ouvidas no andamento das investigações, além de diversas diligências realizadas pelos policiais civis para esclarecimento das circunstâncias em que o crime ocorreu e a motivação.

Uma das pessoas ouvidas foi a irmã do suspeito, mãe da vítima dos abusos sexuais cometidos por João Batista, que foi companheiro da avó das crianças. A mãe percebeu um comportamento estranho dos filhos, que relataram ter sido abusados pelo companheiro da avó. Na época, a avó das crianças pediu para não denunciar o companheiro, pois ele era perigoso e poderia matá-los. A partir de então, a mãe das crianças começou a ser perseguida por João Batista e a receber ameaças de morte, caso contasse para alguém.

Ela inclusive teve que mudar de cidade e trocar o número de telefone. No dia anterior ao crime, a mulher voltou para Arenápolis e em 28 de novembro, João Batista passou em frente a residência dela e fazendo gestos ameaçadores. Ela ficou assustada e pediu ajuda a seu irmão.

De acordo com o delegado Cesar Henrique Ferreira, no celular da vítima apreendido no local do homicídio constam conversas realizada por João Batista momentos antes do homicídio.

“O exame de necropsia da vítima apontou que os disparos foram efetuados à distância, por atirador que estava à esquerda do periciando, visto que todos os projéteis que atingiram a vítima, apresentaram sentido da esquerda para a direita com trajetória perpendicular ao maior eixo do corpo da vítima, gerando as lesões letais encontradas”, destacou Cesar Henrique Ferreira.

Conclusão

As evidências coletadas na investigação apontaram a autoria do crime de homicídio, qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima e o porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, uma vez que o autor possuía e portava o revólver de forma ilícita.

Leia mais:  Polícia Civil lamenta o falecimento do delegado Adalberto Antônio de Oliveira

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
publicidade

POLICIAL

Mais duas prisões da Operação Incipere, sobre roubo de defensivos, são efetuadas no interior de MT

Publicado


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT 

Policiais civis da Gerencia de Combate ao Crime Organizado (GCCO) cumpriram mais duas prisões relacionadas à Operação Incipere, que apura roubos de cargas de defensivos agrícolas ocorridos no estado. As prisões foram cumpridas nos municípios de Porto dos Gaúchos e Sorriso, na região norte do estado.

A primeira operação do ano foi deflagrada no início da semana passada para cumprimento de 13 mandados de prisão preventiva expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá. Seis prisões foram cumpridas e a equipe da unidade especializada continua mobilizada em diversas regiões do estado para localizar os demais investigados.

A operação tem como foco principal a repressão qualificada em relação a dois fatos específicos, o primeiro deles chegar aos membros de uma organização criminosa que agiu no estado em 2019. Depois de serem investigados e processados, a Justiça de Mato Grosso condenou os réus e expediu os mandados de prisão.

A segunda investigação é relacionada a um grupo criminoso identificado em um roubo majorado com emprego de arma de fogo, concurso de pessoas e restrição à liberdade das vítimas, ocorrido em novembro de 2020, no município de Nova Brasilândia, na região de Chapada dos Guimarães. No dia 12 de novembro de 2020, por volta das 18h30, cinco criminosos armados invadiram uma fazenda localizada próxima à comunidade de Peresópolis, onde renderam 13 vítimas e as mantiveram em restrição de liberdade durante sete horas. Enquanto mantinham as vítimas presas, os criminosos aproveitaram para roubar pertences da propriedade, entre eles objetos pessoais, aparelhos eletrônicos, uma caminhonete VW/Amarok, um VW/Saveiro e cerca de 1.500 quilos de defensivos agrícolas.

Durante a investigação do roubo à fazenda, as vítimas reconheceram cinco autores do crime. O grupo é suspeito ainda de ter participado de pelo menos outros três roubos a fazendas localizadas nos municípios de Ipiranga do Norte e Brasnorte.

Leia mais:  Polícia civil apreende cargas de madeira extraída ilegalmente

Os cinco investigados têm histórico criminal. Entre os crimes praticados pelo grupo estão furto, receptação, roubo, porte ilegal de arma de fogo, homicídio e tráfico de drogas.

Roubo de defensivos

Investigações realizadas pela Gerência de Combate ao Organizado para desbaratar grupos criminosos que atuam no furto de defensivos agrícolas em Mato Grosso chegaram a 19 toneladas de produtos apreendidas, parte deles de benzoato, defensivo de comercialização proibida no Brasil. 

O trabalho de enfrentamento a esse tipo de crime é desenvolvido de forma integrada, com apoio de outras unidades da Polícia Civil, em virtude da dimensão territorial de Mato Grosso, e também de outras instituições, como por exemplo, a Polícia Rodoviária Federal que tem sido parceira nas ações de repressão ao contrabando, roubo e furto de defensivos. 

“Em um estado de dimensões continentais, com a economia agrícola bem forte, as apreensões de defensivos contrabandeados são constantes, tanto que no ano passado somamos 19 toneladas apreendidas”, explicou o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, reforçando que a tecnologia e a inteligência, junto ao trabalho integrado, são fundamentais para que as polícias possam avançar na repressão qualificadas a essas organizações criminosas.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

POLICIAL

Foragido do estado de Alagoas por triplo homicídio é localizado em Feliz Natal

Publicado


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT 

Um foragido do estado de Alagoas, pelo crime de homicídio qualificado, foi preso na sexta-feira (14.01), em Feliz Natal, após um trabalho em conjunto entre a Polícia Civil e a PM do município para localizá-lo.

O homem de 34 anos estava com mandado de prisão decretado pela Justiça de Alagoas após ser investigado pela Polícia Civil por envolvimento em um triplo homicídio ocorrido em maio de 2020, na cidade de Marechal Deodoro, na região metropolitana de Maceió.

A Polícia Civil em Feliz Natal recebeu informações da Secretaria de Segurança Púbica e do 17º Distrito Policial de Marechal Deodoro de que um dos procurados pelo crime estava se escondendo na cidade, localizada na região norte de Mato Grosso. Com a descrição sobre o foragido, os policiais civis e militares realizaram diligências para localizá-lo.

Os policiais apuraram que o foragido estava trabalhando em uma empresa de construção civil e foi encontrado, trabalhando em uma via pública de Feliz Natal. No momento da abordagem, ele não apresentou nenhum documento de identificação e foi encaminhado à delegacia.

Na unidade policial, ele se apresentou com outro nome e mostrou um documento de identidade, que foi apreendido. Após checagens dos dados fornecidos, a equipe da Polícia Civil constatou que se tratava de fato do foragido M.W.S.S., de 34 anos, que acabou afirmando ser a pessoa foragida.

Após a formalização do mandado judicial de prisão, ele foi encaminhado a uma unidade prisional da região norte, onde aguardará definição para o recambiamento para Alagoas.

O triplo homicídio ocorreu na noite de 08 de maio de 2020, quando quatro jovens foram surpreendidos por um grupo armado, na periferia de Marechal Deodoro. O grupo fez diversos disparos de arma de fogo que atingiram fatalmente dois rapazes e uma adolescente. Uma quarta adolescente foi ferida em estado grave, mas sobreviveu. A Polícia Civil de Alagoas identificou oito envolvidos no crime, sendo que cinco deles foram presos e outros três estavam foragidos, um deles o que foi preso em Feliz Natal.

Leia mais:  Polícia Civil lamenta o falecimento do delegado Adalberto Antônio de Oliveira

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana