conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Calendário eleitoral de 2022: confira as principais datas

Publicado


source
Confira o Calendário Eleitoral
Antonio Augusto/ Ascom TSE

Confira o Calendário Eleitoral

As  eleições para presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais estão marcadas para 2 de outubro deste ano, mas alguns prazos, como a obrigatoriedade de registro de pesquisas eleitorais, já começaram a valer desde o dia 1º de janeiro.

Outros, como a transferência do local de votação do título de eleitor, a formação de coligações ou divisão do tempo de propaganda eleitoral gratuito ainda estão por vir.

Confira, abaixo, as principais datas aprovadas pelo Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do calendário eleitoral de 2022:

  • Entre 3 de março e 1º de abril – Janela partidária 

Durante o período, os deputados federais, estaduais e distritais ainda estarão aptos a trocar e partido para concorrer às eleições.

  • 2 de abril – Registro de estatutos no TSE e renúncia de cargos atuais

Seis meses antes do pleito, todas os partidos e federações partidárias devem obter o registro dos estatutos no TSE.

Dia 2 de abril também é a data-limite para que p presidente da República, governadores e prefeitos que desejam concorrer a outros cargos em 2022 renunciem aos respectivos mandatos.

  • 5 de abril – Formação de coligações

As normas para a formação de coligações devem ser publicadas pelo órgão de direção nacional do partido político ou federação no Diário Oficial da União (DOU) até 5 de abril, 180 dias antes das eleições.

  • 4 de maio – Transferência do título e solicitação da emissão do documento

Os eleitores precisam realizar as operações de transferência do local de votação e revisão de qualquer informação constante do Cadastro Eleitoral até 4 de maio, 151 dias antes das eleições.

Até a data, as pessoas com mais de 18 anos que ainda não possuem o título eleitoral também devem solicitar a emissão do documento por meio do sistema TítuloNet.

Leia mais:  Bolsonaro publica vídeo com ataques a Moro e ex-juiz reage: 'Covarde'

Já as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida que desejam mudar a seção ou local de votação têm entre os dias 18 de julho e 18 de agosto de 2022 para informar a Justiça Eleitoral.

  • 11 de julho – Quantitativo do eleitorado

O TSE vai publicar na internet o número oficial de eleitores aptos a votar em 11 de julho. Os dados servem para que partidos e candidatos possam calcular o limite de gastos nas campanhas.

  • Entre 11 e 13 de maio – Teste de Confirmação do TPS e lacração dos sistemas

Na sede do TSE, em Brasília, o Teste de Confirmação do Teste Público de Segurança do Sistema Eletrônico de Votação (TPS) será realizado com a participação de investigadores para conferir se as soluções aplicadas pela equipe técnica foram suficientes para corrigir possíveis problemas encontrados durante a realização do TPS.

Em 30 de maio, a documentação e conclusões da Comissão Avaliadora do TPS serão publicados pelo TSE.

O prazo para que os sistemas eleitorais e programas de verificação sejam lacrados, diante de apresentação, compilação, assinatura digital e guarda das mídias pelo TSE durante cerimônia é 12 de setembro.

Leia Também

  • 15 de maio – Financiamento coletivo

A partir da data, os pré-candidatos poderão iniciar a campanha de arrecadação prévia de recursos por financiamento coletivo. No entanto, eles não podem fazer pedidos de voto e devem obedecer às demais regras relacionadas à propaganda eleitoral.


  • 1º de junho – Fundo Eleitoral
Leia mais:  Janaína critica candidatura de Damares: 'Bolsonaro quer vassalos'

Dia 1º de junho é o prazo final para que as legendas comuniquem ao TSE a renúncia ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). A quantia que será disponibilizada deve ser anunciada pelo Tribunal até 16 de junho.

  • Entre 5 de julho e 3 de agosto – Composição da mesa receptora de votos

Entre estes dias, os juízes eleitorais vão divulgar os eleitores que farão parte das mesas receptoras de votos e de justificativas, além das pessoas escolhidas para dar apoio logístico nos locais de votação.

  • 20 de julho a 5 de agosto – Convenções partidárias e registros de candidatura

É permitida a realização de convenções partidárias para deliberar sobre coligações e escolher candidatos à presidência da República, governos e para os cargos de deputado federal, estadual e distrital. As siglas terão até 15 de agosto para solicitar o registro de candidatura aos nomeados. Os pedidos devem ser analisados pelo TSE até 12 de setembro.

  • 12 de agosto – Propaganda eleitoral

Até 12 de agosto, o TSE vai publicar a tabela com a representatividade do Congresso Nacional sobre as novas totalizações das últimas eleições, para divisão do tempo de propaganda eleitoral gratuita. 

As propagandas de qualquer tipo passam a ser permitidas a partir de 16 de agosto.

  • 2 de outubro – Eleições

O primeiro turno das eleições está marcado para ocorrer no primeiro domingo de outubro e um eventual segundo turno será realizado no dia 30 do mesmo mês. A votação vai acontecer entre as 8h e 17h.

  • Entre 9 e 12 de setembro – Prestação de contas

Partidos e candidatos têm de 9 a 12 de setembro para apresentar a prestação de contas parcial da campanha. A documentação será divulgada pelo TSE em 15 de setembro.

A prestação de contas referentes ao primeiro turno das eleições deve ser feita até 1º de novembro, já a dos que participarem do segundo turno, até 19 de novembro, 20 dias após o pleito.

  • 19 de dezembro – Diplomação e posse
Leia mais:  Frota acusa Bolsonaro de aparelhar PF, COAF e MP: "Não sou ingênuo"

Os candidatos eleitos serão diplomados pela Justiça Eleitoral até 19 de dezembro. A posse para os cargos de presidente, vice e governador ocorre em 1º de janeiro de 2023. Parlamentares assumem os mandatos em 1º de fevereiro do próximo ano.

Confira  aqui a íntegra do calendário eleitoral.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro confirma Alexandre Silveira como líder do governo no Senado

Publicado


source
Alexandre Silveira será novo líder do governo Bolsonaro no Senado
Gustavo Lima

Alexandre Silveira será novo líder do governo Bolsonaro no Senado


O governo Jair Bolsonaro (PL) já decidiu quem será seu novo líder no Senador. O escolhido foi o senador Alexandre Silveira (PSD-MG), suplente de Antonio Anastasia (PSD-MG) e aliado do presidente da Casa , Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

“Estou combinando com o Tarcisio [Freitas, ministro da Infraestrutura] três, quatro dias montado num trem nessa ferrovia. Talvez março. A gente vai convidar a bancada mineira, tem que convidar, né? Vamos convidar o novo líder do governo que vai assumir agora em fevereiro, o Alexandre Vieira. Silveira. Desculpa aí, Alexandre Silveira”, disse Bolsonaro durante sua tradicional live de quinta-feira (20) nas redes sociais.

No momento que confirmou o cargo, ele falava sobre a ferrovia Norte-Sul. Nesta edição, a transmissão ao vivo contou com a presença de Tarcísio Freitas, ministro da Infraestrutura, e de Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia.

Mais cedo, Silveira havia dito que não poderia analisar o convite para assumir a liderança antes de tomar posse como senador. Isso não deve acontecer antes de fevereiro, quando o Congresso dará início aos trabalhos legislativos.

Leia Também

Anastasia, titular da vaga, vai deixar a cadeira no Senado porque foi aprovado pelo Congresso para o cargo vitalício de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Sua posse, no entanto, também não foi marcada.

Saída de Fernando Bezerra

conquista de Anastasia tem relação direta com a mudança na liderança do governo. Ele disputou a vaga contra os senadores Fernando Bezerra (MDB-PE), então líder da gestão na Casa, e Kátia Abreu (PP-TO).


O resultado da votação foi com 52 votos para o vencedor, 19 para Kátia e apenas 7 para Bezerra. Com isso, de acordo com o blog de Valdo Cruz, no G1, o emedebista se sentiu traído. No dia seguinte, ele entregou o cargo.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Lula alcança patamar de Bolsonaro entre evangélicos, aponta pesquisa

Publicado


source
Ex-presidente Lula
Ricardo Stuckert

Ex-presidente Lula


O presidente Jair Bolsonaro (PL) já não lidera sozinho a preferência dos eleitores evangélicos para a eleição de 2022. Ele foi alcançado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), como mostra a nova pesquisa  PoderData, realizada entre domingo (16) e terça-feira (18) e divulgada nesta quinta (20).

Segundo o levantamento, Bolsonaro possui 40% das intenções de voto desses eleitores, enquanto Lula possui 36%. Com a margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos, no entanto, os dois empatam tecnicamente.

O Poder360 destaca o crescimento do petista nesse segmento, já que a pesquisa feita no final de dezembro mostrou que ele tinha a preferência de apenas 26% desse eleitorado.

Entre católicos, Lula se manteve na liderança, com 46% de apoio. Já Bolsonaro caiu quatro pontos, chegando a 21% das intenções de voto.

Leia Também

 No espectro geral dos eleitores, o petista lidera com 42%, seguido de Bolsonaro, com 28%. Com essa porcentagem, Lula também empata tecnicamente com a soma do apoio dos outros pré-candidatos listados na pesquisa. O levantamento considerou o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos), que teve 8% das intenções de voto; o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), com 3%; o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 2%; Janones (Avante), 2%; e os senadores Alessandro Vieira (Cidadania), com 1%; e Simone Tebet (MDB), também com 1%.

Juntos, eles e Bolsonaro chegam a 46% das intenções de voto. A pesquisa citou ainda o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), e o empresário Felipe d’Ávila (Novo), mas ambos não pontuaram.

Outros 6% dos entrevistados disseram que votariam nulo e 6% ainda não sabem como votar. O PoderData ouviu 3 mil pessoas, espalhadas em 511 municípios do país, por telefone. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR 02137/2022.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana