conecte-se conosco


MATO GROSSO

Websérie e livro homenageiam fundadores de grupo de siriri de Chapada dos Guimarães

Publicado


Reconhecidos pelo trabalho de fortalecimento e difusão do cururu e siriri em Chapada dos Guimarães, o casal Deijanil Maria do Nascimento e Pedro Boaventura da Silva será homenageado em uma websérie e um livro desenvolvidos com recursos do edital Conexão Mestres da Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel).

As obras trazem uma retrospectiva do trabalho realizado pelos fundadores do Grupo Folclórico Siriri Patucha, bem como o reconhecimento pela valorização da cultura popular no município. O lançamento será na segunda-feira (29.11), às 19h, na Casa da Quineira, em Chapada dos Guimarães.

O projeto ‘Aos mestres com carinho’ foi selecionado no edital, desenvolvido a partir da Lei Aldir Blanc. No dia 01 de dezembro ocorre a exibição pública da websérie, na Câmara Municipal de Vereadores de Chapada dos Guimarães, às 19h. O material, que conta com 10 episódios, também ficará disponível no youtube.

Proposto pela incubadora de negócios Pedaço do Mundo Hub, coordenado por Eliana Muxfeldt e Idineia Bressan, o projeto possui um instagram (@mestresculturaismt), onde há informações e contato do grupo.  

“O Patucha representa muito mais que um grupo de dança tradicional mato-grossense, foi e continua sendo um espaço afetivo que impactou positivamente a vida de inúmeros jovens, que cresceram em um contexto de união, pertencimento, integração, responsabilidade, amizade e respeito. E esse impacto se deve à dedicação do professor Pedrinho e Deja, como são chamados carinhosamente os homenageados”, descreve o texto de divulgação na mídia social.

O nome Patucha é uma sigla de Panorama Turístico de Chapada, termo que, na década de 70, era usado em um clube onde o siriri era uma das atrações. Nos 20 anos de história, o Grupo Folclórico Patucha fez apresentações em várias cidades de Mato Grosso, além de marcar presença em eventos para turistas, no Festival de Inverno de Chapada dos Guimarães e no Festival de Cururu e Siriri, em Cuiabá.  

Leia mais:  Força Tática apreende 102 kg de drogas e prende três suspeitos em Cuiabá

Conexão Mestres da Cultura

O edital surgiu para compartilhar os saberes e fazeres artísticos e culturais do estado, reconhecendo o trabalho desenvolvido por pessoas impactaram a cultura mato-grossense, considerando sua contribuição para o fortalecimento da cultura do estado e sua importância para a comunidade que atua.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Manejo e adubação refletem em maior produção de café para agricultores de Cotriguaçu

Publicado


Assistidos há um ano pela Empresa Mato-grossense de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer), junto ao Programa REM-MT, produtores de café de Cotriguaçu (a 940 km de Cuiabá) estão otimistas com a safra deste ano. Na segunda colheita prevista para o mês de abril, a meta é chegar a 100 sacas por hectare, 60% a mais que o total do ano passado, que chegou a 60 sacas por hectare.

O aumento na produção dos 50 produtores atendidos nesse período está relacionado ao manejo com o uso de técnicas corretas para adequação do solo, adubação, podas, manejo integrado de pragas e doenças, além do controle de plantas daninhas.

Um exemplo é a produtora Daiane Gilioli, que chegou a pensar em desistir após anos de muita dor de cabeça e despesa. Ela lembra que seu café era amarelo e já teve 70% da produção perdida por não saber como e o que fazer.

Atualmente, com 13 mil pés de café, Daiane destaca que espera ter todo investimento de anos, finalmente, revertidos em renda com a colheita de 2022. “Aprendi que tem tempo para tudo, desde a correção do solo, a adubação, a poda, até as demais técnicas. Segui todas as recomendações e vou colher o resultado de todo esse trabalho”.

O produtor Samuel dos Santos Freitas, do Projeto de Assentamento Nova Cotriguaçu, tem a mesma expectativa de aumento da produção para este ano, em que espera colher até 300 sacas em 2,4 hectares, sendo 8 mil pés de café. Além dos anos de experiência, ele destaca que a assistência da Empaer tem contribuído muito para a superação das metas.

Ainda assim, o maior temor é com as pragas, entre elas, as mais perigosas são a cochonilha e a broca. “Vi produtor perder até 40% da produção por causa dessas pragas. Em 15 dias elas se espalham pela lavoura e tudo fica comprometido. A orientação do uso e da aplicação do inseticida correto faz toda diferença”.

Leia mais:  Dunga Rodrigues é homenageada em projeto de audiotur pelo Centro de Cuiabá

O engenheiro agrônomo da Empaer, Thiago Tombini, explica que todo trabalho de acompanhamento e orientações associado às práticas recomentadas vêm auxiliando na produtividade e na qualidade dos grãos colhidos.

“Tudo influencia diretamente no crescimento e produtividade do cafeeiro por fornecer nutrientes adequados à planta e, principalmente, representar alto valor no custo da produção. Além das questões técnicas sobre o cultivo, orientamos também o produtor sobre outro tema importante, que é a gestão da propriedade”.

Técnicos orientam produtores sobre o cultivo do café em Cotriguaçu – foto Empaer

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Dunga Rodrigues é homenageada em projeto de audiotur pelo Centro de Cuiabá

Publicado


Que tal um passeio guiado por pontos históricos de Cuiabá, ouvindo lendas de suspense, mistério e humor? A idealização de um audiotur pelo Centro de Cuiabá foi uma escolha criativa do Grupo Tibanaré para homenagear, in memoriam, uma das mais célebres ativistas culturais de Mato Grosso, Dunga Rodrigues.

Essa é a proposta do projeto “Experiências Sensoriais”, aprovado no edital Conexão Mestres da Cultura de Mato Grosso, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), com recursos da Lei Aldir Blanc. O aplicativo “Passeio Sonoro” estará disponível a partir deste sábado (29.01), às 12h, na Play Store (Android) e App Store (IOS).

O secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Secel-MT, Beto Dois a Um,  celebrou a inciativa. “Dunga tem uma contribuição inconteste para nossa cultura, principalmente pela diversidade de sua produção. Este projeto promove a integração da cultura e do turismo, potencial que deve ser sempre explorado como via de mão dupla no fortalecimento dos dois segmentos”.

Produtora executiva do projeto “Experiências Sensoriais – Dunga Rodrigues”, Fernanda Gandes, conta que, por conta da situação pandêmica, a equipe optou por liberar apenas a visitação individual nesse primeiro momento. Como o app fica ativo por 12 meses, espera-se que os atores que interpretaram os personagens também possam integrar um tour presencial, aos moldes de outro projeto do repertório do Tibanaré, o Passeio Noturno.

“E além disso, é desejo da nossa equipe ampliar o circuito para o Porto e Coxipó. Nessa primeira fase estão disponíveis seis lendas do Centro Histórico. No aplicativo, um mapa revela os pontos de visitação”, explica Fernanda.

Exposição

O projeto prevê ainda uma “exposição virtual” dedicada a Dunga Rodrigues, com a curadoria de Naine Terena, Jefferson Jarcem e Fernanda Gandes. No site oficial do projeto, estarão reunidas fotos e poesias, dentre outros itens de acervo composto a partir da colaboração da família, que vive no Rio de Janeiro, da direção do Conservatório Musical Dunga Rodrigues, em Cuiabá, e extraídas do site www.familiascasabarao.com.br, organizado pela historiadora Elizabeth Madureira Siqueira.

Leia mais:  Licitação do BRT tem o acompanhamento simultâneo da CGE

A curadora explica que o objetivo da exposição é amplificar o alcance da tradição oral das histórias pelas quais Dunga tinha muito apreço.

“Era seu desejo que as lendas fossem mantidas vivas no imaginário popular, sendo reproduzidas pelas próximas gerações. Ela inclusive manifesta esse desejo em um de seus livros, o dedicando às crianças, para que elas celebrem as histórias de seus antepassados”.

Biografia

Maria Benedita Deschamps Rodrigues, nome de batismo, foi professora, musicista, historiadora e escritora. Na perspectiva da literatura, teve como um dos principais focos o registro da história oral da capital mato-grossense.

Dunga Rodrigues nasceu em Cuiabá, em 1908, e morreu em Santos, em janeiro de 2006. Ela é uma das figuras femininas da cultura mato-grossense do século passado, das mais cultuadas. Por conta da sua inconteste produção literária, conquistou uma cadeira na Academia Mato-grossense de Letras, em tempos em que a instituição era frequentada majoritariamente por homens.

Dunga Rodrigues deu aulas de francês e, principalmente, de música. Promoveu recitais, formou muitos músicos na capital e escreveu diversos livros sobre a cultura e história de Cuiabá e Mato Grosso. Também foi membro do Instituto Histórico e Geográfico do Estado, do Centro de Música Brasileira do Estado de São Paulo e integrou a Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra.

Serviço

Lançamento Audiotour do projeto “Experiências Sensoriais – Dunga Rodrigues”

Dia: 29/01/2022

Hora: 12h

Onde baixar o app: Passeio Sonoro – Play Store (Android) e App Store (IOS)

Mais informações: www.grupotibanare.com.br

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana