conecte-se conosco


MATO GROSSO

Coral Mato Grosso une rasqueado à música eletrônica; confira o resultado no canal do youtube

Publicado


Tchá por Deus! O coral mais cuiabano de Mato Grosso está a caminho das pistas de dança. Em um projeto inovador, o grupo de coralistas que há 27 anos exalta o linguajar cuiabano, agora une música folclórica à eletrônica. Qué vê, iscuta!

A primeira a ser lançada – de sete canções selecionadas para o projeto inovador – é a “O Falar Cuiabano”. De cara nova, já pode ser apreciada no canal do Coral Mato Grosso no YouTube. No decorrer das próximas semanas o público poderá conferir como ficaram as outras seis faixas. Foi o produtor musical e arranjador José Stival quem trabalhou no remix das músicas, a convite do diretor artístico e produtor, Rogê Além.

Um evento em dezembro marcará o lançamento oficial do novo álbum e de um mini-documentário, produtos previstos no projeto Música Mato-Grossense Tipo Exportação, que recebe incentivo da Lei Aldir Blanc. O edital foi realizado pelo Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), em parceria com o Governo Federal, por meio da Secretaria Nacional de Cultura, do Ministério do Turismo. 

Sônia Mazetto ficou eufórica quando conferiu as intervenções eletrônicas nas faixas que, até então, eram totalmente orgânicas. “Quando ouvi pela primeira vez, pensei: ‘esse é só o começo. Não vamos parar’’’, relembra. A maestrina do Coral Mato Grosso acredita que a música folclórica se oxigenou com novos fragmentos.

Foi durante a pandemia que a ideia surgiu. Sônia estava inquieta pela suspensão imperativa dos ensaios e apresentações. Foi então que a tecnologia se tornou válvula de escape. Ela convocou o músico Rogê Além, que já realiza um trabalho na área da música eletrônica, para ser o diretor artístico e produtor do projeto que é divisor de águas na história do coral.

Leia mais:  Fiscais do Indea vão percorrer 57 propriedades de MT em ações de vigilância

“Das pesquisas que eu já realizava, vi que o downtempo se encaixava como uma luva ao som orgânico do coral. E então, com as habilidades do produtor musical José Stival, promovemos a intersecção da música folclórica mato-grossense com este que é um subgênero da música eletrônica. Acredito que foi uma aposta muito bem-sucedida, de universalizar o sotaque cuiabano, o rasqueado e assim, recriar a linguagem da música regionalizada”, explica.

No downtempo, as usuais batidas rápidas e dançantes da música eletrônica dão lugar a padrões de ritmo mais espaçados para que assim possam ser preenchidos por linhas melódicas e harmônicas mais consistentes. Bandas como a Portishead, Gotan Project, Massive Attack e Morcheeba são algumas das que se enveredam pelo gênero.

História de ativismo

Sônia Mazetto relembra que desde que o coral nasceu, no ambiente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), sua principal diretriz era quebrar barreiras do preconceito que havia em relação ao falar cuiabano.

“A gente sempre foi presença fácil em eventos culturais, dos oficiais às festas de santo. E de pronto já éramos reconhecidos quando chegávamos com nossos lenços de chita no pescoço e mais tarde, com as varandas feitas e bordadas pelas redeiras de Limpo Grande”.

Os coralistas sempre foram guiados pela necessidade urgente de exaltar a cultura regional. “De cantar as coisas que representassem o que a gente tem de mais genuíno. E para o lançamento do projeto, tínhamos que escolher a O Falar Cuiabano, pois foi essa canção que deu início a tudo que temos hoje, como grupo, como história, como cuiabanos de chapa e cruz e claro, paus rodados também. É importante ressaltar que mais uma vez estamos fazendo ecoar a sonoridade das obras da compositora Edna Maciel Vilarinho”.

Leia mais:  Seminário vai debater a valorização da produção literária e dos autores mato-grossenses

Sônia ressalta que além do figurino característico e músicas que enaltecem a cultura cuiabana, o Coral Mato Grosso sempre teve esmero em tornar atrativas as suas apresentações.

“As performances sempre foram muito marcantes. A gente já fazia stand up, muito antes do estilo se popularizar por aqui. Dessas nossas apostas nasceram dois personagens que seguem até hoje, a Comadre Guanira e o Chico Petxero, ambos interpretados por Gonçalo Cristiano, um dos pioneiros do coral”. Com as músicas recriadas, em breve, o público poderá conferir ao vivo, uma apresentação jamais imaginada, com direito a DJ, globo espelhado e luzes pulsantes.   

Somam à equipe do novo projeto, o designer gráfico Eduardo Dario, o assistente de produção André G e os instrumentistas Claudinho (Henrique, Pescuma e Claudinho) e Alex Teixeira.

Curta, siga e compartilhe o trabalho do Coral Mato Grosso nas redes: @coralmatogrosso

Ficha técnica 

Direção Geral e Musical: Sonia Mazetto

Direção Artística e Produção: Rogê Além

Assistente de Produção: André G.

Produção Musical e Fonográfica: José Stival

Direção de Arte: Eduardo Dario

Produção Gráfica: Renan Archer

Instrumentação: Claudinho (viola caipira) e Alex Teixeira (bateria e percussão)

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Seminário vai debater a valorização da produção literária e dos autores mato-grossenses

Publicado


Ocorre nesta quarta-feira (1º.12), às 19h, o seminário “Caminhos e desafios para a valorização dos autores mato-grossenses”. O evento será online, com transmissão pelo canal Instituto Saberes no YouTube. A proposta do seminário é debater políticas públicas que valorizem e fortaleçam a produção literária mato-grossense e seus autores. O evento é um dos projetos contemplados no edital Movimentar, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

Durante o evento será apresentado um panorama das produções mato-grossenses e exemplos de municípios que implementaram políticas de fomento à produção, leitura, e aquisição de obras. Além disso, o Instituto Saberes apresentará uma minuta de projeto de lei para criação da Feira Literária Mato-grossense (FLIM) e a Política Estadual de Valorização dos Autores Mato-grossenses, que serão colocados sob consulta pública e posteriormente protocolados na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

O seminário pretende envolver gestores públicos, profissionais que atuam em bibliotecas, profissionais da educação e mediadores de leitura, na valorização dos autores e das obras mato-grossenses, bem como a inclusão dessas obras no currículo escolar.

O evento contará com a participação do secretário de estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), Beto Dois a Um, e do secretário-adjunto de Cultura (Secel-MT), Jan Moura. Também participam os escritores Eduardo Mahon, Marta Cocco e Luciene Carvalho, a professora Dra. Vanilda Reis, e a presidente do Instituto Saberes, Vanilda Reis.

Serviço

Seminário “Caminhos e desafios para a valorização dos autores mato-grossenses”

Quando: 1º de dezembro de 2021 (quarta-feira), às 19h

Link para a transmissão: https://www.youtube.com/watch?v=f3-ZWuF55k0

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Segunda-feira (29): Mato Grosso registra 552.613 casos e 13.999 óbitos por Covid-19
Continue lendo

MATO GROSSO

Polícia Civil abre investigação para apurar crime de maus-tratos e lesão contra bebê de 10 meses

Publicado


A Polícia Civil em Paranatinga abriu investigação para apurar o crime de maus-tratos seguido de lesão corporal grave contra uma bebê de apenas 10 meses de idade, que deu entrada no Hospital Regional de Rondonópolis, no último sábado (27.11), com diversas fraturas pelo corpo.

A mãe da criança, de 25 anos, foi detida em flagrante após o hospital acionar o Conselho Tutelar, que comunicou a Polícia Militar. Os militares conduziram a mulher à 1ª Delegacia de Rondonopópolis, onde ela foi atuada em flagrante por lesão corporal qualificada.

A criança deu entrada na unidade hospitalar em Rondonópolis depois de ser encaminhada pelo Hospital de Paranatinga. As lesões apresentadas não condiziam com o que a mãe havia informado, de que a bebê havia caído de um triciclo. A menina estava com ferimentos em várias partes do corpo, inclusive com sinais antigos das lesões. A equipe do hospital então acionou o Conselho Tutelar, que posteriormente chamou a polícia.

Um tio da criança ficou responsável por ela no hospital de Rondonópolis, enquanto a mãe foi conduzida à delegacia.

Paranatinga

Nesta segunda-feira, em diligências para localizar o padrasto e suspeito também das agressões contra a criança, os policiais chegaram até a residência do casal, na Vila Concórdia, em Paranatinga. No local, os investigadores encontraram uma pessoa que tem diversas passagens por tráfico de drogas, além do dono da casa. Em buscas no imóvel, foram apreendidas porções de entorpecentes, como maconha, cocaína e pasta base de cocaína.

Os dois suspeitos foram conduzidos à Delegacia de Polícia e autuados em flagrante por tráfico. Em relação ao crime de maus tratos, o suspeito de 24 anos será investigado pelo delito contra a criança. 

Leia mais:  Inscrição no edital de Audiovisual requer registro de roteiro

O delegado Hugo Abdon explica que a apuração sobre o crime de maus tratos seguido de lesão corporal segue pela Delegacia de Paranatinga e vai reunir os laudos médicos sobre o estado da criança, além da declaração dos Conselhos Tutelares de Paranatinga e de Rondonópolis, entre outras diligências necessárias.

O Poder Judiciário em Rondonópolis converteu a prisão em flagrante da mãe em prisão preventiva e ela segue detida na unidade prisional feminina do município.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana