conecte-se conosco


MATO GROSSO

Justiça do Trabalho marca audiência com viúva de trabalhador que morreu com 90% do corpo queimado

Publicado


Jorge Tedeia, que completaria 35 anos no dia 7 de setembro, faleceu após 15 dias na UTI sem tratamento adequado. Audiência de conciliação será nesta segunda-feira.

Desde o dia 30 de junho passado, quando ficou viúva, Marizete Lemes Simões tem vivido com o mínimo, juntando dor, dívidas e anseios. Ela está, agora, juntamente com a filha de 14 anos, na expectativa de que se faça justiça com a aproximação da primeira audiência do caso da morte do seu marido, o trabalhador Jorge Tedeia, que será em 13 de setembro de 2021, em audiência on-line da Comarca de Sorriso. Jorge Tedeia morreu há cerca de dois meses por complicações de um acidente de trabalho, após ter 90% do corpo queimado durante o conserto de uma caldeira na empresa em que trabalhava, no município de Sorriso (MT). Com apenas 34 anos, Jorge passou 15 dias em tratamento na Unidade de Terapia Intensiva(UTI), entubado em um hospital sem Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), e sem condições adequadas para tratá-lo. Não recebeu suporte com a rapidez necessária e, no dia 30 de junho, faleceu.

A viúva do trabalhador começou a semana que antecede a audiência com R $15,00 no bolso. Ela começou a receber o valor de R$ 1.150,00 em agosto, a título de concessão provisória de urgência de tutela, por determinação da Justiça do Trabalho, o que não está sendo suficiente para ela e sua filha. Ela e a filha dependem 100% desta renda para despesas básicas como medicamentos, supermercados e a educação da adolescente, mas a conta não bate. Na última quarta-feira, outro valor de R$ 1.150,00 caiu na sua conta bancária mas Marizete diz que já está no sufoco. Sua tarifa de energia elétrica já estava atrasada (R$ 120,00), precisará pagar o aluguel do mês de setembro (R$ 750,00), bancar a despesa de internet para as aulas on-line da filha (R$ 50,00) e de água (R$ 40,00). Vão sobrar pouco mais de R$ 200,00, levando em conta os R$ 15 que Marizete tinha no bolso no início da semana.

O desafio, segundo a viúva, será equilibrar o orçamento com as despesas de alimentação e de medicamentos (de depressão, que custam R $120,00 para ela e a filha). “Vou ter que empurrar as contas para frente”, adianta ela, que nem foi atrás da fatura do cartão do marido, vencida desde o mês de julho. “Tá lá no posto dos Correios há dois meses. Não tenho dinheiro para pagar”, conta ela, que não tem Código de Endereço Postal na rua onde mora, e, por isso, tem que caminhar cerca de dois quilômetros para pegar qualquer correspondência na agência postal dos Correios.

Leia mais:  Governo amplia isenção para motoristas de aplicativo

Marizete Simões continua morando em Sorriso, mas precisou se mudar há um mês, por não conseguir arcar com o aluguel antigo, no valor de R $1.000,00. Economizou R $250,00 com o novo aluguel e também nas despesas de internet e de água, já que compartilha com a dona da casa. Ela mora agora num puxadinho de dois quartos no fundo do quintal. Alimenta a esperança que haja entendimento na audiência de conciliação, agendada para a próxima segunda-feira. “Espero que haja entendimento de que não quero nada além do que é meu direito. Por causa da negligência, do abandono, afinal, eles tinham ciência do problema gravíssimo do meu marido com 90% do corpo queimado.Eu quero justiça.”, afirma a viúva.

A ajuda que ela está recebendo foi decorrente do pedido feito pelas advogadas de defesa dela e da filha feito no dia 22 de julho passado, e concedido pela Justiça. “As provas indicam que houve negligência patronal, não tendo agido a reclamada com cautela diante dos fatos narrados, nem a tempo de evitar um mal maior”, assegurou o Juiz do Trabalho Substituto Fabio Luiz Pacheco, que deferiu a tutela provisória. No caso de não cumprimento da obrigação, a empresa fica sujeita à multa de R$ 3 mil por dia, limitadas a 30 dias.

Luta pela sobrevivência

A luta da família para que o marido de Marizete conseguisse sobreviver às queimaduras em 90% do seu corpo começou em meados de junho, quando ele foi transferido para um hospital de Lucas do Rio Verde que não tinha CTQ. No dia 26 de junho, um laudo médico assinado por um médico do próprio hospital indicava a necessidade dele ser transferido para uma unidade de saúde com divisão de queimados. Não havia unidade disponível no SUS. Foi necessário recorrer à Justiça para que a perspectiva de atendimento adequado fosse viabilizada. No dia 29 de junho, foi obtida a liminar que determinou que a empresa transferisse o empregado para um hospital com CTQ em até 48 horas – mas isso não significava, segundo a defesa da vítima, que a empresa empregadora precisava esperar o prazo final, porque cada segundo contava. Antes mesmo do cumprimento final da liminar, no dia 30 de junho, devido às graves queimaduras e complicações, Jorge não resistiu. “Ele poderia ter sobrevivido com dignidade se tivesse sido socorrido mais cedo, tinha uma equipe toda esperando por ele no hospital de Ribeirão Preto (SP), que tinha CTQ”, comentou a advogada Cristina Pezzella.

Leia mais:  PM fará solenidade de troca de comando do 4º Batalhão nesta terça-feira

A viúva do trabalhador precisa, além da audiência de conciliação, aguardar outros desdobramentos de processos judiciais na esfera da Justiça Estadual e também Federal. A defesa de Marizete também precisará entrar na Justiça Comum (Estadual) com uma ação de retificação da certidão de óbito de Jorge Tadeia, pois o documento saiu sem o nome da viúva (cita apenas que ele é casado e tem um filho) e isso impede que ela tenha acesso a benefícios do marido como INSS. Também será necessário entrar com um alvará na Justiça Federal, a jurisdição de competência para os casos que envolvem o saque do FGTS. As guias emitidas pela empresa para saque do Fundo de Garantia não constavam o nome da viúva. “Além disso, a empresa fez um cálculo errado das verbas rescisórias, pois o funcionário não recebia nenhum adicional – noturno, de periculosidade ou insalubridade -, correspondentes à sua função, então, tudo isso precisará ser revisado”, informou a advogada Cristina Cereser Pezzella.

Toda a assistência jurídica de Marizete e da sua filha está sendo feita desde o dia 26 de junho pelo escritório Cereser Pezzella – Consultoria em Direito, com sede em Porto Alegre/RS, que decidiu assumir o caso em caráter pro bono. Inicialmente, foi dada entrada em Ação Cautelar visando a transferência imediata de Jorge para uma UTI com Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), mas ele faleceu 24 horas antes do prazo concedido pelo juiz para que a transferência fosse feita para um hospital de São Paulo. Depois que o trabalhador morreu, a defesa entrou com um pedido de indenização pela morte do funcionário com um pedido de liminar por tutela antecipada, o que foi concedido pela Justiça do Trabalho em Sorriso.

Leia mais:  Programa Rios+Limpos retira toneladas de resíduos sólidos do Rio Cuiabá e Baías do Chacororé e Siá Mariana

Entenda o caso

O acidente aconteceu, de acordo com relatos das advogadas de defesa, quando o trabalhador estava em uma escada, a uma altura de aproximadamente 3 metros, fazendo manutenção em uma correia que passa por cima de uma caldeira – recipiente metálico usado para aquecer líquidos ou produzir vapor -, por volta das 22 horas do dia 15 de junho. Durante o trabalho, os gases produzidos na caldeira tiveram uma reação espontânea, vindo a atingir e queimar Jorge. Ele também caiu da escada após ser atingido pelo vapor.

Jorge trabalhava na função de auxiliar de subproduto na empresa Marombi Alimentos e tinha sido admitido em 10 de outubro de 2018. O que ele fazia na hora do acidente, de acordo com suas advogadas, extrapola a sua função. “Além disso, ele não tinha capacitação para tal e não utilizava Equipamento de Proteção Individual (EPI ‘s). Jorge estava, portanto, em desvio de função, cobrindo um funcionário que estava ausente”, acrescenta a advogada Cristina Luz.

Logo após o ocorrido, Jorge Tedeia foi para um hospital em Lucas do Rio Verde, a 360 quilômetros de Cuiabá. “Desde então,

a família do empregado vinha tentando compor, de forma amigável com a empresa, um tratamento adequado e que garantisse a sobrevivência de Jorge, diante da gravidade das lesões – ele teve 90% do corpo queimado -, além do transporte da esposa, Marizete, até o hospital, que se localizava em outra cidade, Lucas do Rio Verde, para prestar o devido acompanhamento, já que ela não tinha condições financeiras para fazer isso”, relata a advogada Cristina Cereser Pezzella.

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

PM fará solenidade de troca de comando do 4º Batalhão nesta terça-feira

Publicado


Nesta terça-feira (21.09), a Polícia Militar realizará a solenidade de passagem de comando do 4º Batalhão, às 17h, no auditório do Senai, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande. O tenente-coronel Jean Araújo de Lima deixa a sua função e passa o comando do Batalhão para o tenente-coronel Jean Klebber Britto da Silva.  

O batalhão do 4º Bravo ficou sob o comando do então tenente-coronel Januário Antônio Edwiges Batista por cinco anos. No último dia 03 de setembro o militar foi promovido ao cargo de coronel. Com a promoção do coronel Januário, a unidade do 4º BPM ficou sob a coordenação do tenente-coronel Jean Araújo de Lima até esta terça-feira (21). 

O 4º Batalhão faz parte do 2º Comando Regional de Polícia Militar de Várzea Grande. A unidade conta com 185 policiais e atua com o policiamento ostensivo e ações preventivas de segurança pública como o projeto ‘4º Bravos Lutas’ que atende 60 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.  

A solenidade de troca de comando do 4º Batalhão vai ser presidida pelo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Jonildo José de Assis, e pelo comandante do segundo comando regional, Wankley Corrêa Rodrigues.  

Serviço 

Solenidade de troca de comando do 4º Batalhão da Polícia Militar de Várzea Grande  
Data: 21.02.2021 
Horário: 17 h 
Endereço: Senai, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande (MT) 

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Secretário de Desenvolvimento destaca eficiência e sustentabilidade da 1ª ferrovia estadual de MT
Continue lendo

MATO GROSSO

Reunião acerta detalhes para expedição de RGs para índios em mutirão

Publicado


O diretor-geral da Politec, Rubens Sadao Okada, recebeu em seu gabinete, nesta segunda-feira, o juiz coordenador da Justiça Comunitária, José Antonio Bezerra Filho (Dr Toni), e equipe, para tratar dos detalhes da participação da Diretoria Metropolitana de Identificação Técnica na emissão de RGs durante a 3ª edição da Expedição Araguaia – Xingu.

A expedição será realizada no período de 16 de novembro a 05 de dezembro em seis municípios: Santa Terezinha, Luciara, São Félix do Araguaia, Cocalinho, São José do Xingu e Santa Cruz do Xingu. Nesta região, a expedição irá buscar atender especialmente a população indígena que vive no Parque Nacional Indígena do Xingu.

O objetivo da Expedição Araguaia é oferecer aos moradores das localidades visitadas serviços de saúde, cidadania e justiça, como registro tardio, resolução de conflitos sociais, consultas médicas, entre as quais oftalmológicas, tratamento odontológico, vacinas, documentação, além de estimular nos cidadãos a consciência ambiental.

“Quero agradecer a todos os servidores da Politec em nome do diretor Okada, pelo carinho dispensado a todos nós durante todos esses anos, falo pelo projeto ribeirinho cidadão, e agora, pela expedição Xingu-Araguaia. A identificação é um dos serviços mais procurados em nossa expedição, e sempre somos recebidos com muita presteza, seriedade, competência e zelo de todos os servidores. Quero dizer que é uma honra vir na Politec e encontrar uma equipe devidamente comprometida em servir eu acho que esse é o papel de todos nós, servidores, diretores, conduzir tamanha responsabilidade. Sem vocês nós não teríamos o brilho da expedição”, destacou o magistrado.

O projeto é promovido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso em parceria com inúmeras instituições, como o Governo do Estado de Mato Grosso, por meio principalmente da Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Setasc-MT), e prefeituras locais. Também são parceiros o Ministério Público Estadual, a Defensoria Pública, Bombeiros, PM, INSS, Energisa, Politec, Senar e Juvam, entre outros. A Setasc, por exemplo, fará a doação de cestas básicas e cobertores que serão entregues a população atendida.

Leia mais:  Governo amplia isenção para motoristas de aplicativo

Participaram da reunião o Gerente de Identificação Civil, Ronaldo Borges Magalhães, o Diretor-Geral Adjunto da Politec, Emivan Batista de Oliveira, e o chefe de gabinete da Politec, Francis Raymon Cordeiro de Souza.

Programação

Santa Cruz do Xingu (18/11 – 8h30 às 17h)

São José do Xingu (20/11 – 8h30 às17h; 21/11 – 8h30 às 16h)

Santa Terezinha (23/11 – 8h30 às 17h; 24/11 – 8h30 às 17h)

Luciara (26/11 – 8h30 às17h; 27/11 – 8h30 às17h)

São Félix do Araguaia (30/11 – 8h30 às 17h)

Cocalinho (02/12 -8h30 às 17h; 03/12 – 8h30 às 17h)

(horário de Brasília)

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana