conecte-se conosco


ENTRETENIMENTO

Pequena Lo revela vontade de trabalhar na televisão

Publicado


source
Pequena Lo revela vontade de ser apresentadora
Reprodução/Instagram

Pequena Lo revela vontade de ser apresentadora

Mineira de Araxá, seu nome de batismo é Lorrane Silva, mas todo mundo conhece mesmo como Pequena Lo. A influenciadora, portadora de uma síndrome rara chamada displasia óssea, se tornou um fenômeno nas redes sociais com seu humor ácido e envolvente. Aos 25 anos, formada em Psicologia, ela é um fenômeno nas redes sociais e em conversa com a coluna, a influenciadora fala sobre preconceito, inclusão, sonhos e metas. Tudo com muita naturalidade de quem vive de bem com a vida e quer aproveitar tudo o que ela possa oferecer. As horas passam rápido conversando com Lolo, como é chamada pelos mais próximos. Vaidosa assumida, ela quer ser atriz, mas descobriu outra função também muito interessante: apresentadora.

Como uma psicóloga vira humorista? Olha, eu acho que as duas coisas são interligadas. Eu aprendi muito com o meu curso de Psicologia desde quando eu entrei na faculdade, isso em 2015, na mesma época que eu comecei os meus vídeos. Foi também quando eu comecei a me conhecer mais, a conhecer essa parte do humor que eu já fazia e fui aperfeiçoando até conseguir ver qual era o meu limite e qual era o meu perfil que gera empatia e identificação para quem me assiste.

Quando você descobriu que tinha mais talento em fazer rir do que analisar as pessoas? Então… desde criança eu era muito observadora. Nas rodas dos meus amigos, quando nós saíamos, sempre tinha um momento que eles pediam para eu contar história como se fosse uma amiga que eu imitava. Imitava a voz, os trejeitos. Eu conseguia observar isso nas pessoas antes mesmo de fazer o curso. Como eu falei antes. As duas coisas são interligadas para mim. Por exemplo, eu tenho que analisar a minha mãe para poder colocá-la no vídeo. Analisar uma situação do cotidiano e colocar numa história.

Como foi crescer em uma cidade pequena como Araxá, sair de lá para estudar e morar em uma república em Uberaba? Foi uma experiência muito boa e eu aprendi muitas coisas. Mesmo eu tendo a minha deficiência, eu morava com amigas em um apartamento eu aprendi que eu podia lavar louça, conseguia varrer a casa mesmo com as muletas, limpar o meu quarto… Eu fui me adaptando, fui fazendo as coisas que eu não fazia em casa. Eu vi que eu conseguia fazer tudo. Era uma questão de adaptação. Eu precisava sair de casa. Saí de casa com 17 anos, fui para Uberlândia e depois para Uberaba. Foram duas cidades, foram experiências diferentes. Foi muito enriquecedor e eu pude conhecer os meus limites.

Leia mais:  Boca Rosa vibra ao saber que Anitta utiliza sua linha de maquiagem: "Felicidade"

Você começou na internet fazendo vídeos falando de suas vivências e preconceitos? Quando você teve essa sacada e quando sentiu que esse seria o caminho para dar certo nas redes sociais? Quando comecei, eu estava me conhecendo também na internet, buscando saber quais os conteúdos eu queria fazer e descobrir qual seria o perfil que eu iria gostar e o meu público também. Demandou algum tempo. Fui aperfeiçoando aqui e ali. A cada ano, eu fui vendo o caminho que eram os vídeos sobre o cotidiano. Como eu era uma pessoa muito observadora desde criança, pude colocar isso em prática. Vi que eu poderia fazer personagens de mãe, tia, avó e amigas. No final de 2019, comecei a fazer situações das minhas amigas e situações que eu mesma vivi e muitas pessoas começaram a se identificar. Aí eu vi que era por ali.

Claro que você procura ver sempre o lado positivo, mas o preconceito machuca e fere. Sente ainda o preconceito? Como as pessoas te olham na rua? Com certeza ainda existe preconceito. Os olhares nas ruas, eu não consigo ver tanto nas ruas porque, hoje, eu sou conhecida. Mas vejo pelos meus seguidores que no início quando falavam de mim, falavam ‘A Pequena Lo, aquela que anda de muletas’. Falavam pela minha condição e não o que eu fazia. Hoje, eles já falam ‘A Pequena Lo, aquela criadora de conteúdo, a psicóloga’. Isso é legal, essa evolução de como as pessoas se referem a mim. Só que eu acho que o preconceito está muito longe de acabar. A inclusão ainda tem muito a melhorar na nossa sociedade, mas consigo ver pequenas mudanças. Vejo mesmo. Eu costumo falar que, hoje, eu sou bem tratada porque sou conhecida, mas eu já passei por várias situações. Já passei por situações em lojas. Já teve uma vendedora que não quis me atender porque achava que eu não conseguia escolher uma roupa e agora isso não acontece. É legal? OK. Mas eu fico triste. Eu acho que a pessoa merece respeito sendo famosa ou não.

O que se sabe sobre a sua deficiência? Ela é uma síndrome rara, que não foi descoberta. Se nomeia como displasia óssea, mas existem inúmeras displasias, mas o nome específico não foi descoberto. Não se sabe a quantidade exata de quantas pessoas têm essa síndrome no mundo justamente porque nada foi descoberto. Eu comecei a estudar e pretendo voltar a fazer um estudo genético. As coisas estão evoluídas e acredito que eu possa encontrar as respostas. Ter uma conclusão.

Leia mais:  'A Fazenda 13': Gui Araújo detona Nego do Borel e diz não acreditar em mudanças

O que ninguém imagina que a Lo faz ou gostaria de fazer? Eu quero viajar para fora do Brasil, o que eu nunca fiz. Eu tenho medo de avião, mas eu quero viajar. Eu quero levar a minha mãe e meu pai numa viagem bem bacana.

Li que você acredita ter sido escolhida por Deus para ter voz e que você pretende usar a sua voz em defesa das pessoas com deficiência. Por que acha isso e até onde você pretende levar a sua voz? Eu acho que já consegui dar muita voz nesse período que as pessoas passaram a me conhecer mais, esse período de viralização do meu conteúdo. Foi importante ter saído na ‘Forbes’ americana e ter sido capas de duas revistas bem nomeadas, que levam informações para muitas pessoas. Ser uma pessoa com deficiência e ser capa de revistas conceituadas é um passo muito grande, é uma representatividade. Até mesmo nos meus vídeos de humor existem uma representatividade, uma mensagem ali que cada pessoa interpreta de um jeito. Eu já consigo ter essa voz, mas o preconceito ainda existe e está longe de acabar. A acessibilidade ainda precisa melhorar muito, mas algumas coisas já foram alcançadas.

Você viu?

O que não tem perdão para Lorrane? Mentira. Eu odeio mentiras.

Trabalhar com humor nas redes sociais foi uma coisa espontânea, mas você já pensava em seguir o campo da atuação desde pequena? Eu sempre gostei muito de aparecer (risos). Eu tenho um vídeo do meu aniversário de três anos que ali já dava para perceber que eu gostava de uma câmera. Eu sempre gostei de contar piadas, gostava de interpretar e de improvisar. Eu tinha essa meta, tinha isso na cabeça, mas não sabia exatamente que queria ser atriz ou humorista. Isso era confuso na minha cabeça. Mas, quando eu comecei a fazer os vídeos, eu percebi que era isso porque no final das contas, eu estou encenando. Tenho vontade de ser atriz, mas a maior vontade agora está na apresentação no meu IGVT. E eu quero ir para a televisão.

Você é uma pessoa mística? Tem fé em que? A religião que eu mais admiro é espiritismo e com a vivências que já tive e eu gosto muito. Já li vários livros e gosto dessa coisa de ajudar o próximo, do amor e do respeito. Eu tenho muita vontade de estudar mais sobre o assunto, me informar mais.

Leia mais:  Thaeme homenageia Ivy em novo videoclipe

O que você não abre mão? Da minha família e da minha saúde mental. Eu acho que você pode ter tudo, pode ganhar muito dinheiro, mas se não tiver bem, não estiver com a cabeça legal, você não consegue aproveitar nada.

De onde veio as inspirações para a ‘Robertinha, conselheira sem papas na língua’, e a ‘Bruninha, a baladeira’? A Robertinha não é a Pequena Lo. Ela é uma personagem que eu criei que eu imaginava que seria um sucesso e acabou virando uma rotina de todas as sextas-feiras. Eu queria uma personagem que fosse curta, grossa e sincera com as pessoas. Ela não é polêmica, não magoa as pessoas. Ela vai no ponto. Já a Bruninha é uma personagem que sou eu quando estava na faculdade (risos). Baladeira, que não quer saber de nada, mas ao mesmo tempo quer saber de tudo. Responsável, mas aproveita a vida, quer sair para se divertir. Eu fui assim nos tempos da faculdade. Bruninha sou eu no passado.

Você estreou como co-apresentadora do novo programa de Luisa Sonza: ‘Prazer Luísa’, no Multishow. Conta um pouco sobre esse projeto e como é sua relação com a Luísa? Quem é a Luísa para você? Foi muito legal e a minha primeira experiência que eu tive como co-apresentadora. Gravei com ela todos os dias e nós nos tornamos amigas. Eu fiquei muito feliz por ela ter me convidado para participar do programa e eu acredito que a galera vai gostar. Tem humor, tem música, mas tem papos sérios e eu falei também coisas da minha vida pessoal.

E o ‘Fast Show’? Como vai ser? O ‘Fast Show’ é uma realização e como eu já te falei que eu quero ser apresentadora, está sendo uma experiência para eu aprender mais, me aperfeiçoar nesse campo de atuação.

Você é vaidosa? Eu sou muito vaidosa. Eu tenho que fazer as unhas todas as semanas, tenho que fazer o cabelo todas as semanas mesmo que eu não saia ou não tenha nenhuma compromisso. Sempre fui e é uma questão de amor próprio, de eu estar sempre em primeiro lugar pra mim mesma. Tenho que me amar para poder amar o outro, né? Toda semana eu tenho que ficar uma boneca.

O que você admira em uma outra pessoa? Sinceridade, companheirismo e confiança.

Você tem namorado? Não. Estou solteira e soltinha que nem arroz (risos).

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
publicidade

ENTRETENIMENTO

Rafinha Bastos tira sarro de Jair Bolsonaro comendo pizza em NY: “Bolsotrouxa”

Publicado


source
Rafinha Bastos
Reprodução/Instagram

Rafinha Bastos


Rafinha Bastos  compartilhou uma  foto do chefe do Executivo, acompanhado por ministros e autoridades, fazendo a primeira refeição em solo estadunidense no meio da rua. O motivo, segundo consta, seria driblar a exigência da imunização em locais fechados.

“O Bolsotrouxa chupa as bolas dos americanos durante anos e os caras não deixam ele entrar num restaurante porque não vacinou. Hehahehahe! Que dia!”, escreveu o  humorista e apresentador do podcast “Mais Que Oito Minutos” no Twitter.


Com a interação, um dos internautas divulgou a mensagem do jornalista Guga Chacra, correspondente da GloboNews, que diz: “Não é necessário apresentar comprovante de vacinação para comer nas mesas externas em Nova York. Apenas na parte interna. Logo, Bolsonaro não seria impedido. Foi à pizzaria por opção”.


Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Leia mais:  Boca Rosa vibra ao saber que Anitta utiliza sua linha de maquiagem: "Felicidade"
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

Neta de Nicette Bruno e Paulo Goulart dará curso sobre seus familiares no teatro

Publicado


source
Vanessa Goulartt
Divulgação

Vanessa Goulartt


A linhagem Bruno Goulart é um verdadeiro patrimônio das artes no Brasil. Ciente disso,  Vanessa Goulartt vai ministrar aulas gratuitas na SP Escola de Teatro, ligada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado e gerida pela Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap).

A atriz recebeu o convite do coordenador Miguel Arcanjo Prado. “Vanessa Goulartt traz o talento no DNA. É bisneta de Eleonor Bruno, neta de Nicette Bruno e Paulo Goulart, filha de Bárbara Bruno, enteada de Lauro César Muniz e sobrinha de Beth Goulart e Paulo Goulart Filho. Ela estreou nos palcos ainda criança e aprendeu o ofício artístico em família, com quem realizou o icônico projeto Teatro nas Universidades e a administração histórica do Teatro Paiol”, lembrou o jornalista.

Os 'Bruno Goulart' reunidos
Divulgação

Os ‘Bruno Goulart’ reunidos


Sem esconder a ansiedade para começar a turma,  Vanessa revelou que o que chamou a atenção na proposta foi o fato de poder resgatar a cultura por meio da sua trajetória parental. “Acho de extrema relevância que disciplinas teóricas entrem na grade das instituições de ensino. Afinal, a história em nosso país é muito negligenciada. E o que pudermos fazer para mantê-la viva é de suma importância”.

Mais do que isso, ainda recordou o amor que os brasileiros sentem por  Paulo GoulartNicette Bruno, um dos casais mais respeitados da televisão. “Meus avós são muito queridos pelo público por sua experiência televisiva, mas poucos sabem da dimensão da carreira teatral deles, como atores e produtores. Este projeto inova neste sentido”, ressaltou.


Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana