conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro interrompe coletiva e reza o ‘Pai Nosso’ após não gostar de pergunta

Publicado


source
Presidente interrompeu entrevista após não gostar de pergunta e começou a rezar o
Reprodução/redes sociais

Presidente interrompeu entrevista após não gostar de pergunta e começou a rezar o “Pai Nosso”

Enquanto estava em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, dia 12, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mostrou-se descontente com uma das perguntas e, em vez de responder, interrompeu a entrevista para convidar os jornalistas a rezarem com ele o “Pai Nosso”. O momento, que tratava de suas tentativas de provar supostas fraudes na urna eletrônica, foi registrado em vídeo e repercute nas redes sociais.

— Para de falar em “se arrepende?”, cara, que tá feio. Eu não vim aqui para brigar com ninguém. Acabei de falar. Vai acabar a entrevista. Depois diz que eu grosso — afirmou Bolsonaro, indicando que poderia terminar de atender a imprensa naquela hora. — Queria falar para você, bom, vamos rezar um Pai Nosso aqui, vamos? Vamos rezar? Vamos lá, ajuda aí, pessoal — continuou.

No Twitter, uma postagem recebeu mais de 130 mil visualizações e o nome da oração entrou na lista dos assuntos mais comentados. 

Você viu?

A interrupção ocorreu enquanto o tema abordado tratava de sua defesa do voto impresso nas eleições . Embora tenha ameaçado concluir a coletiva, a entrevista prosseguiu mais um pouco. Ele afirmou que tinha acabado de assinar um ofício para ser encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo mais prazo para que apresente evidências sobre a existência de fraude nas eleições. Segundo ele, um especialista conhecido seu que teria essas evidências estaria debilitado após se infectar com Covid-19 e só deve estar disponível para prestar os esclarecimentos nas próximas semanas.

Leia mais:  Bolsonaro rebate fala de Lula: "Se ele está criticando, estou no caminho certo"

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

PF abre inquérito para apurar suposto pedido de propina em vacinas da Covid-19

Publicado


source
Ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias
Pedro França/Agência Senado

Ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias

A Polícia Federal abriu inquérito para investigar se o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, pediu propina em uma negociação paralela de venda de vacinas feita por um vendedor ligado à empresa Davati Medical Supply , o policial militar Luiz Paulo Dominguetti.

O inquérito irá tramitar em Brasília, no Serviço de Inquéritos (Sinq). Também tramitam no Sinq o inquérito sobre possíveis irregularidades na compra da Covaxin e sobre suspeita de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no caso Covaxin.

O suposto pedido de propina de Roberto Dias foi relatado por Dominguetti em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo e à CPI da Covid . A empresa Davati Medical Supply se apresentava como intermediadora da venda da vacina AstraZeneca e fez uma oferta de 400 milhões de doses da vacina ao ministério. A AstraZeneca, entretanto, nega que sua vacina seja vendida por meio de empresas intermediárias.

Em seu relato, Dominguetti afirmou que Dias pediu propina de US$ 1 por dose em um encontro em um restaurante em Brasília .

O ex-diretor de Logística, porém, nega a acusação. Ele afirma que Dominguetti foi levado ao restaurante por um amigo em comum, o coronel Marcelo Blanco, que havia trabalhado no ministério, mas diz que nunca houve conversa sobre propina.

“É importante frisar que, ao contrário do que é alegado pelo Dominguetti, o tema propina, pedido de dinheiro, facilitação… nunca foi tratado à mesa ou em qualquer outro ambiente em que eu estive presente”, afirmou em uma nota divulgada na época das acusações.

Leia mais:  Ignorando pedidos de impeachment, Lira esvazia denúncia a Bolsonaro, diz jurista

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro rebate fala de Lula: “Se ele está criticando, estou no caminho certo”

Publicado


source
Ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido)
Ricardo Stuckert e Palácio do Planalto

Ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido)

Nesta terça-feira (27), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) rebateu as críticas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e disse que a reprovação de Lula não o intimida, mas serve para ele saber que está “no caminho certo”. As informações são do jornalista Magno Martins.

Nas redes sociais, o ex-chefe do Executivo disse que Bolsonaro está se fazendo “refém” do Centrão, em referência à nomeação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para ministrar a Casa Civil.



“Se ele está criticando, estou no caminho certo. Estímulo que ele dá para mim. Mas antes dele, temos que falar do nosso governo, estamos com a verdade, usamos uma passagem bíblica na nossa campanha: conhecereis a verdade e a verdade vos libertara”, rebateu o mandatário.

Ao ser questionado pelo jornalista sobre a popularidade de Lula no Nordeste, Bolsonaro disse que o petista “não fez nada” que justifique a população da região ser mais “inclinada” a votar nele.

Na ocasião, o presidente perdeu a paciência com as pessoas que estavam na mesma sala que ele e acompanhavam a entrevista, que era transmitida ao vivo. Nas imagens, não é possível ver a quem Bolsonaro se dirige, mas ele diz que “ninguém é obrigado a acompanhar a live” dele.

Leia mais:  Prefeito de SP nega B.O. por violência contra mulher: "Nunca agredi ninguém"

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana