conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Aziz diz que depoente da CPI de hoje fez treinamento para responder perguntas

Publicado


source
Senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid, em entrevista coletiva
Divulgação/Agência Senado/Pedro França

Senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Covid, em entrevista coletiva

Em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, 13, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM) , disse que soube que a depoente de hoje, a diretora técnica da Precisa Medicamentos, Manuela Medrades , fez um media training [curso preparatório para entrevistas] para ser inquirida pelos senadores. Ainda assim, ela estaria sendo aconselhada por seus advogados a ficar em silêncio sempre que possível.

“O que eu sei é que ela [Manuela Medrades] fez uma media training ontem e que, durante a essa media training, ela ‘perdeu a cabeça’ várias vezes. Então, os advogados estão aconselhando ela a não responder [as perguntas dos senadores]. É isso que está acontecendo”, disse Aziz.

E completou: “Fatos são fatos. Se ela não responder, os fatos serão declarados, até porque a Covaxin foi a única vacina que o presidente [Jair Bolsonaro] fez questão de ligar para o primeiro ministro da Índia, pedindo agilidade para comprar. Só esse fato é algo muito grave”.

Manuela possui um habeas corpus parcial concedido pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), com o qual tem o direito de ficar em silêncio quando acreditar que a resposta pode incriminá-la de alguma forma. 

A Precisa Medicamentos foi a empresa que intermediou a negociação para compra da vacina indiana Covaxin, alvo de suspeitar de irregularidades e de corrupção – como denunciado pelo deputado federal Luiz Miranda (DEM-DF) e pelo irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luiz Ricardo Miranda.

Leia mais:  Mourão recusa comentar declaração de Bolsonaro de que precisa que aturá-lo

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro rebate fala de Lula: “Se ele está criticando, estou no caminho certo”

Publicado


source
Ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido)
Ricardo Stuckert e Palácio do Planalto

Ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido)

Nesta terça-feira (27), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) rebateu as críticas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e disse que a reprovação de Lula não o intimida, mas serve para ele saber que está “no caminho certo”. As informações são do jornalista Magno Martins.

Nas redes sociais, o ex-chefe do Executivo disse que Bolsonaro está se fazendo “refém” do Centrão, em referência à nomeação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para ministrar a Casa Civil.



“Se ele está criticando, estou no caminho certo. Estímulo que ele dá para mim. Mas antes dele, temos que falar do nosso governo, estamos com a verdade, usamos uma passagem bíblica na nossa campanha: conhecereis a verdade e a verdade vos libertara”, rebateu o mandatário.

Ao ser questionado pelo jornalista sobre a popularidade de Lula no Nordeste, Bolsonaro disse que o petista “não fez nada” que justifique a população da região ser mais “inclinada” a votar nele.

Na ocasião, o presidente perdeu a paciência com as pessoas que estavam na mesma sala que ele e acompanhavam a entrevista, que era transmitida ao vivo. Nas imagens, não é possível ver a quem Bolsonaro se dirige, mas ele diz que “ninguém é obrigado a acompanhar a live” dele.

Leia mais:  Ignorando pedidos de impeachment, Lira esvazia denúncia a Bolsonaro, diz jurista

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Flávio Bolsonaro terá vaga na CPI da Covid após Ciro Nogueira assumir Casa Civil

Publicado


source
Flávio Bolsonaro
Divulgação/Agência Senado/Pedro França

Flávio Bolsonaro

Com a ida de Ciro Nogueira (Progressistas-PI) para a chefia da Casa Civil do governo Bolsonaro , o senador Flávio Bolsonaro assumirá uma vaga de suplente na CPI da Covid. Já Luís Carlos Heinze (PP-RS), conhecido por ser defensor assíduo de medicamentos ineficazes para Covid-19, deixará a suplência e se tornará titular da Comissão. A alteração já foi oficializada pela cúpula da CPI.

Flávio Bolsonaro já participava da CPI de forma esporádica. Com a mudança, deve ter presença mais frequente nas oitivas da comissão e atuará como mais uma arma dos governistas na defesa do governo federal.

O senador protagonizou diversas discussões com o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), e chegou a  acionar o Conselho de Ética do Senado contra o relator por sua atuação na CPI.

Comentários Facebook
Leia mais:  Queiroz volta a elogiar Bolsonaro após postar mensagens críticas em rede social
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana