conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro pede aplausos a Pazuello e Ernesto Araújo em evento da Saúde

Publicado


source
Presidente Jair Bolsonaro e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello
Carolina Antunes/PR

Presidente Jair Bolsonaro e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello

Horas depois de nomear Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, para um cargo na Secretaria de Assuntos Estratégicos,  o presidente Jair Bolsonaro pediu aplausos ao general em evento no Ministério da Saúde que marcou a assinatura do acordo de transferência tecnológica com a farmacêutica AstraZeneca para a produção nacional do insumo necessário para a fabricação da vacina desenvolvida pela empresa com a Universidade de Oxford.

No momento em que o acordo estava sendo assinado e os presentes aplaudiram, Bolsonaro fugiu do roteiro.

“Eu pediria também que aplaudissem também o ex-ministro Pazuello, (que era ministro) quando começou esse contrato”, afirmou.

Ao final do seu discurso, o presidente novamente fez uma reverência ao ex-ministro Pazuello e citou também o ex-chanceler Ernesto Araújo.

“Fazer aqui uma devida ressalva, cumprimentar o trabalho do antecessor do Queiroga, Eduardo Pazuello, e do antecessor também do Carlos França, Ernesto Araujo, que trabalharam e muito nessa questão deste acordo que acabamos de assinar agora”, afirmou.

Você viu?

Com o acordo assinado nesta terça-feira, o Ministério da Saúde espera acelerar a vacinação em todo o país, já que não dependerá da importação de insumos de outros países como a Índia e a China.

O início da produção ainda não é imediato, entretanto: inclui o treinamento das equipes da Fiocruz e a produção de lotes que serão submetidos a testes antes de produção em larga escala. A expectativa é de que as primeiras doses 100% nacionais sejam entregues apenas em outubro

Leia mais:  Quebra de sigilos de Pazuello, Araújo e Mayra Pinheiro são mantidas pelo STF

Até o momento já foram entregues 47,6 milhões de doses do imunizante ao Plano Nacional de Imunizações. Segundo o presidente, o Brasil poderá até mesmo começar a exportar a vacina. Bolsonaro afirmou que o mundo só estará seguro quando boa parte da população estiver imunizada.

“Cumprimento a todos os envolvidos e dizer que o Brasil é um país responsável e que tem um governo que se preocupa com a vida do próximo”, afirmou.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Queiroga prometeu à OMS incentivar o uso de máscara, apontam documentos

Publicado


source
Ministro da saúde Marcelo Queiroga
O Antagonista

Ministro da saúde Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga prometeu à Organização Mundial da Saúde (OMS), em abril, que incentivaria o uso de máscara no Brasil, apontam documentos do Itamaraty enviados à CPI da Covid e obtidos pela TV Globo. Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro informou que pediu que o ministro editasse medidas para desobrigar o uso do equipamento de segurança .

O relatório diz que Queiroga teve uma reunião no dia 3 de abril com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom. O documento foi enviado pela Missão Permanente do Brasil em Genebra ao Ministério das Relações Exteriores no dia 5 de abril.

Conforme a Missão Permanente do Brasil, na reunião: “O dr. Queiroga afirmou que, desde que assumiu a função de ministro da Saúde, tem se empenhado em dar exemplo quanto às medidas de saúde pública para enfrentar a pandemia, a exemplo do uso de máscaras.”

Na sequência o documento informa que Queiroga afirmou à OMS que busca “incentivar a adesão social, ainda limitada e errática”, às ações “fundamentais” para o combate à pandemia.

Você viu?

O uso de máscara é incentivado pela OMS e entidades médicas desde o início da pandemia para conter a disseminação do coronavírus. Estudos científicos mostram que as máscaras devem ser mantidas contra reinfecção e transmissão da Covid-19.

No entanto, o presidente Jair Bolsonaro insiste em criticar o uso do equipamento de segurança. Na quinta-feira (10) ele afirmou ter pedido a Queiroga que editasse medidas a fim de desobrigar o uso de máscaras por pessoas já vacinas ou que já tenham contraído a Covid-19. A declaração foi criticada pela população, políticos e especialistas, uma vez que a média móvel de mortes está em 1,9 mil óbitos por dia, com 11% da população vacinada.

Neste domingo,  Bolsonaro foi multado pelo governo de São Paulo por estar sem máscara em local público.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Embaixada do Brasil buscou cloroquina em empresas da Índia, diz Itamaraty

Publicado


source
Jair Bolsonaro incentiva o uso de Cloroquina
O Antagonista

Jair Bolsonaro incentiva o uso de Cloroquina

A embaixada do Brasil na Índia procurou três empresas no país em busca de cloroquina, de acordo com documentos enviados à CPI da Covid pelo Ministério das Relações Exteriores e obtidos pela TV Globo. Segundo a emissora, os mesmos documentos foram enviados ao Ministério da Saúde em junho de 2020.

Os documentos apontam que somente uma, das três empresas procuradas pela embaixada, informou produzir a cloroquina. Esta empresa ainda disse ter capacidade de produzir três toneladas, vender o quilo do medicamento a US$ 190 e previsão mínima de entrega de 4 semanas.

Contudo, o Ministério da Sáude informou ao Itamaraty, em outubro de 2020, que a importação do remédio não seria mais necessária. O documento aponta que a Saúde tomou a decisão “após consulta à área técnica pertinente”, mas não faz menção a ineficácia da cloroquina no tratamento de Covid-19.

Em setembro, um outro ofício da área técnica do Ministério Saúde detalhou a quantidade de cloroquina já adquirida pelo Brasil por meio de outras fontes.

Você viu?

O presidente Jair Bolsonaro defende o uso do medicamento contra a Covid. Estudos científicos, contudo, já comprovaram a ineficácia do remédio para a doença. Além disso órgãos de saúde como a Organização Mundial de Saúde (OMS) dizem que a cloroquina não deve ser usada como forma de prevenção. 

Outros documentos enviados à CPI pelo Itamaraty revelam que o presidente Jair Bolsonaro telefonou para o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, para convencer o país a acelerar a liberação e envio de insumos para a produção de hidroxicloroquina no Brasil para o tratamento da Covid.

O pedido de aceleração seria para duas empresas no páis, a EMS e a Apsen. Quando a informação se tornou conhecida, a EMS declarou que sempre disponibilizou esses produtos a pacientes com prescrição médica e apoiou o principal estudo clínico do Brasil, que não mostrou efeito favorável em pacientes adultos hospitalizados com formas leves ou moderadas de Covid.

A Apsen afirmou que todas as interações com governos são por meios legais, com lisura, em conformidade com as normas do setor e com a legislação do país.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana