conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Pesquisa mostra que 54% desaprovam atuação de Bolsonaro como presidente

Publicado


source
Bolsonaro tem a maior desaprovação desde o começo do governo
Isac Nóbrega/PR

Bolsonaro tem a maior desaprovação desde o começo do governo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem 54% de desaprovação em sua atuação no cargo, enquanto 25% aprovam a forma como ele atua como presidente. Os dados são de pesquisa realizada pelo Exame Invest Pro, braço de análise de investimentos da EXAME, em parceria com o instituto de pesquisa IDEIA.

De acordo com o levantamento, a avaliação do governo chegou ao pior patamar desde que Bolsonaro assumiu a presidência, em janeiro de 2019. Em junho de 2020, o mesmo percentual de 54% desaprovou a maneira como o presidente trabalha.

A pesquisa ouviu 1.200 pessoas entre os dias 19 a 22 de abril. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

A desaprovação é maior na parcela de pessoas com idade entre 30 e 39 anos (57%), e em entre os moradores das regiões Norte (60%) e Sudeste (58%). Os números mais favoráveis ao presidente continuam predominantemente na região Norte (51% de aprovação) e entre os evangélicos (44%).

Você viu?

Analisando os dados por classe econômica, a rejeição ao governo do presidente é maior entre os mais pobres. Nas classes D e E, 55% não concordam com a maneira como Bolsonaro trabalha. Esta parcela é a mais impactada pelo auxílio emergencial.

O ritmo da vacinação contra o coronavírus também é outro ponto que puxa a avaliação de Bolsonaro para baixo. Na quarta-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revisou as projeções de imunizar o grupo prioritário, composto por 77 milhões de pessoas. O chefe da pasta mudou a meta de concluir a aplicação de maio para setembro.

Leia mais:  Alexandre de Moraes manda abrir inquérito para investigar ataque ao site do STF

Eleições 2022

O impacto também se reflete nas opiniões sobre as eleições de 2022. Entre os entrevistados, 50% consideram que Bolsonaro não merece continuar como presidente do Brasil. Outros 39% dariam a ele mais quatro anos no comando do País.

Essa mesma pergunta foi feita sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e 52% não querem vê-lo novamente no Palácio do Planalto, contra 41% que gostariam que ele governasse o país pela terceira vez.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Pazuello terá habeas corpus produzido pela AGU para poder manter silêncio na CPI

Publicado


source
AGU prepara habeas corpus para Pazuello, como aval de Bolsonaro
O Antagonista

AGU prepara habeas corpus para Pazuello, como aval de Bolsonaro

Com o aval do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a Advocacia-Geral da União (AGU) está preparando um habeas corpus que será apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tenha o direito de ficar calado durante seu depoimento na CPI da Covid, respondendo apenas as perguntas que quiser. A presença de Pazuello no Senado está marcada para o dia 19.

Um ex-ministro da Saúde ser assessorado pela AGU é um fato inédito. O Planalto avalia que proteger Pazuello na CPI seria proteger também Jair Bolsonaro. Segundo apuração da CNN Brasil, o Planalto avalia que a CPI já condenou o governo e, principalmente, a gestão Pazuello.

Apesar de o general ter sido convocado como testemunha, o que lhe obriga a falar, há jurisprudência no STF para que tenha o direito do silêncio. Em 2019, o ex-ministro Celso de Mello autorizou que uma ex-funcionária da Câmara de Comércio Exterior ficasse em silêncio durante depoimento na CPI do BNDES. O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, também conseguiu o mesmo direito na época. 

Comentários Facebook
Leia mais:  Alexandre de Moraes manda abrir inquérito para investigar ataque ao site do STF
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Pazuello terá habeas corpus produzido pela AGU para poder manter silêncio na CPI

Publicado


source
AGU prepara habeas corpus para Pazuello, como aval de Bolsonaro
O Antagonista

AGU prepara habeas corpus para Pazuello, como aval de Bolsonaro

Com o aval do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a Advocacia-Geral da União (AGU) está preparando um habeas corpus que será apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tenha o direito de ficar calado durante seu depoimento na CPI da Covid, respondendo apenas as perguntas que quiser. A presença de Pazuello no Senado está marcada para o dia 19.

O fato de um ex-ministro da Saúde ser assessorado pela AGU é um fato inédito. O Planalto avalia que proteger Pazuello na CPI seria proteger também Jair Bolsonaro. Segundo apuração da CNN Brasil, o Planalto avalia que a CPI já condenou o governo e, principalmente, a gestão Pazuello.

Apesar de o general ter sido convocado como testemunha, o que lhe obriga a falar, há jurisprudência no STF para que tenha o direito do silêncio. Em 2019, o ex-ministro Celso de Mello autorizou que uma ex-funcionária da Câmara de Comércio Exterior ficasse em silêncio durante depoimento na CPI do BNDES. O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, também conseguiu o mesmo direito na época. 

Comentários Facebook
Leia mais:  Yamagushi diz que Barra Torres mentiu sobre ela apoiar mudar bula da cloroquina
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana