conecte-se conosco


POLICIAL

Operação integrada cumpre mandados contra grupo criminoso envolvido em crime de tortura em Cáceres

Publicado


Assessoria/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil, através da Delegacia Especial de Fronteira (Defron), e a Agência Regional de Inteligência do 6º Comando Regional, da Polícia Militar, deflagraram na manhã desta quarta-feira (28.04) a “Operação Mindinho”, com o objetivo de prender integrantes de uma associação criminosa envolvida em crimes de tortura e cárcere privado ocorridos no município de Cáceres (228 km a oeste de Cuiabá).

A operação teve como alvo suspeitos que tiveram a participação identificada na tortura e cárcere privado cometidos contra dois moradores de Cáceres, em dezembro de 2020. Na ocasião, as vítimas foram cruelmente torturadas, sendo que uma delas conseguiu escapar do cativeiro e a outra teve o dedo minímo cortado, antes de ser libertado em ação da Polícia.

No total, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão domiciliar e três de prisão. Um quarto suspeito alvo da operação ainda não foi localizado e é considerado foragido.

A delegada titular da Defron, Cinthia Gomes da Rocha Cupido, destacou que todo o trabalho operacional, desde a libertação do cativeiro e salvaguarda da vida da vítima, assim como as diligências investigativas foram bem sucedidas em virtude do trabalho integrado realizado com as instituições de segurança da fronteira de Mato Grosso.

“Um crime bárbaro em que os suspeitos foram identificados e indiciados em inquérito policial pelos crimes de associação criminosa, cárcere privado e tortura, previstos na Lei nº 9.455 de 07 de Abril de 1997”, disse a delegada.

.Entenda o caso

As investigações iniciaram no dia 28 de dezembro de 2020, logo após as equipes policiais serem acionadas sobre dois suspeitos, que em posse de arma de fogo, estariam envolvidos no sequestro de dois jovens, moradores do bairro Jardim Paraíso.

Leia mais:  Depois de diversas tentativas de se esconder, foragido de MT por homicídio bárbaro é localizado no litoral catarinense

Segundo as investigações, o crime foi cometido a mando de um grupo criminoso, em razão do sumiço de 20 quilos de drogas que estavam escondidos em uma residência no bairro Jardim Paraíso.

A primeira vítima foi rendida por volta das 06 horas, quando três homens armados invadiram a sua casa. A vítima teve a cabeça coberta por um pano e foi colocada em um veículo. Durante todo o trajeto, os criminosos questionavam onde estava a droga.

A vítima foi levada para uma residência, onde foi mantida encapuzada e amarrada em uma cadeira. No local, os criminosos realizaram a sessão de tortura, agredindo a vítima com socos, chutes, pedaços de madeira, fios elétricos, e, inclusive teve os dedos amassados e apertados com um alicate.

Logo em seguida, os criminosos chegaram com a segunda vítima, que também passou pelo ritual de tortura. Não aguentando mais as agressões, uma das vítimas revelou o suposto local em que a droga estava escondida. Com a informação, os criminosos, mantiveram uma das vítimas no cativeiro, enquanto a outra foi levada em uma motocicleta para indicar a região de mata onde a droga estaria escondida.

Ao chegarem ao local, nada foi encontrado, o que fez com que os criminosos ficassem mais irritados, dizendo que a vítima “pagaria” quando retornassem ao cativeiro, ocasião em que teria o dedo mindinho cortado. Temendo a ação dos suspeitos, a vítima, em um ato de desespero, saltou da motocicleta e saiu correndo conseguindo buscar por ajuda na Delegacia Especializada do Adolescente (DEA).

As equipes da Defron e da ARI foram acionadas e em posse da localização do imóvel em que a outra vítima estava, foram até a casa. Ao se aproximarem, ouviram gritos vindos do interior do imóvel. Os policiais pularam o muro e localizaram a vítima com os braços amarrados a uma cadeira, bastante debilitada, com diversos ferimentos na cabeça, hematomas nas costas e com o dedo mínimo da mão direita decepado.

Leia mais:  Estelionatária que causou prejuízo de R$ 20 mil a vítimas em venda de carro é presa em Cuiabá

A equipe de Perícia Técnica esteve no local realizando os levantamentos e fotos da casa, que auxiliaram nas investigações e fortaleceram o inquérito policial.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
publicidade

POLICIAL

Polícia Civil entrega armamentos para unidade especializada e anuncia nova sede para GCCO

Publicado


Assessoria/Polícia Civil-MT

A atuação da Polícia Civil de Mato Grosso no combate ao crime organizado foi fortalecida com a entrega, nesta terça-feira (11.05), de fuzis doados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça, à Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). 

A entrega do armamento, modelo carabina 556, com três carregadores com capacidade para 30 munições e mais 200 munições calibre 556 foi realizada pela Diretoria da Polícia Civil e pela Gerência de Armas, Explosivos e Munições (Gaem). 

No evento, o delegado-geral adjunto, Gianmarco Paccola Capoani, e o diretor de Atividades Especiais, Fernando Vasco Pigozzi Spinelli, aproveitaram para conversar com os policiais da GCCO sobre a gestão da unidade, as ações desenvolvidas pela equipe nas últimas semanas e a previsão da nova sede. 

O delegado-geral adjunto falou das dificuldades enfrentadas pela Polícia Civil, principalmente durante o período de pandemia, quando ficou ainda mais evidente a dedicação e esforços dos policiais no combate ao crime organizado.

Gianmarco destacou que, mesmo diante do decreto de calamidade financeira, a Polícia Civil continuou buscando recursos e conseguiu alcançar inúmeras conquistas nas áreas de tecnologia e de  infraestrutura e que foco agora também é a melhoria das condições de trabalho para o servidor. 

“Passamos por este período em que a aquisição de bens foi proibida, então buscamos recuperar os recursos, o que a princípio parece simples, mas é fruto de um esforço exaustivo da equipe da Diretoria de Execução Estratégica que manteve contato com o Ministério da Justiça para conseguir trazer esse armamento para a Polícia Civil de Mato grosso, fortalecendo ainda mais o trabalho da instituição”, disse.

O diretor de Atividades Especiais frisou que as armas atendem um deficit da unidade e que o objetivo é que em breve venham novas armas, veículos, além de pedir o reforço do efetivo.

Leia mais:  Polícia Civil cumpre ordens judiciais em investigação contra vereador de Lambari d'Oeste

“Estamos trabalhando para tentar melhorar cada dia mais as condições de trabalho da equipe. Sabemos que os trabalhos desenvolvidos pela GCCO são extremamente complexos, envolvendo investigação em todo o estado e que o reforço tanto de aparelhamento quando de efetivo é fundamental para o bom desempenho dos trabalhos”, ressaltou o delegado Fernando Spinelli. 

A diretora de Execução Estratégica, Daniela Silveira Maidel, pontuou que mesmo atuando em várias frentes, a DEE procurou buscar alternativas para a crise pela qual o Estado passou, ressaltando que atualmente a situação é outra. Daniela falou sobre a nova sede da GCCO, que será instalada no antigo prédio da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), no Centro Político, e da aquisição de novos armentos por meio de emenda parlamentar que atenderá unidades do interior do e também unidades especializadas como a gerência. 

“Agora, um dos nossos focos com a GCCO é trabalhar a questão estrutural, com a entrega da nova sede. Estamos com todo mobiliário comprado para atender a unidade, que será uma das melhores unidades da região metropolitana”, destacou.

O delegado titular da GCCO, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, agradeceu a entrega das armas e destacou que a gerência tem valorosos policiais e o reconhecimento do trabalho desenvolvido pela unidade é um grande motivador.

“Todo esse reforço estrutural é fundamental para equipe da GCCO, uma vez que unidade presta apoio e orientação para as unidades do interior do estado. Sabemos da luta da diretoria para atender tudo o que é necessário, que são muitas coisas, armamento, viaturas, capacitação, para manter essa equipe forte que estamos construindo. Lembrando que ninguém trabalha sozinho e por isso esse apoio é essencial para o desenvolvimento dos trabalhos”, destacou o delegado.

Fonte: PJC MT
Leia mais:  Fiscalização conjunta combate pesca predatória na Baixada Cuiabana

Comentários Facebook
Continue lendo

POLICIAL

Depois de diversas tentativas de se esconder, foragido de MT por homicídio bárbaro é localizado no litoral catarinense

Publicado


Assessoria/Polícia Civil-MT 

A trajetória de fugas de um foragido da Justiça, que cometeu um bárbaro homicídio no interior de Mato Grosso, chegou ao fim com a captura do criminoso nesta segunda-feira (10), na cidade de Balneário Camboriú, no litoral catarinense. A prisão ocorreu depois de informações repassadas pela Gerência de Polinter e Capturas de Mato Grosso à Polícia Civil de Santa Catarina, que levaram à prisão do homem de 30 anos. 

A Polinter recebeu no início deste ano uma solicitação de apoio da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cáceres para localizar o atual paradeiro do fugitivo, que foi identificado como autor de brutal homicídio ocorrido o em 11 de fevereiro de 2011, que vitimou Benedita de Paula Nunes, de 27 anos. A vítima foi cruelmente espancada e torturada até a morte e encontrada em sua residência totalmente despida e com várias lesões no corpo. O crime chocou moradores da cidade diante da gravidade e da forma cruel como a vítima foi morta.

Com o avanço das investigações realizadas pela DEDM de Cáceres e com a autoria do crime definida, após representação criminal da autoridade policial, o Poder Judiciário decretou em outubro de 2019 a prisão preventiva do investigado. Desde então, o autor do crime passou a ser considerado foragido da justiça.

Por diversas vezes, a Polícia Civil tentou capturá-lo, mas sem sucesso, pois ele se refugiava na Bolívia, de onde  retornou poucas vezes ao Brasil.

Em fevereiro deste ano, a Polinter chegou a enviar uma equipe a Cáceres, mas as buscas pelo foragido não tiveram êxito. Uma última tentativa foi realizada para localizá-lo em Goiânia, contudo, com os dados obtidos no decorrer das investigações, a equipe da Polinter conseguiu apurar o possível paradeiro do foragido, cujas informações levavam à região Sul do Brasil.

Leia mais:  Polícia Civil cumpre mandado de prisão contra mulher foragida da Justiça de Rondonópolis

Em um trabalho em conjunto com a equipe do delegado Vicente Soares, da Divisão de Investigação Criminal de Balneário Camboriú, os policiais civis do município catarinense checaram prováveis locais onde ele poderia esta e com apoio da Polícia Militar local conseguiram realizar a prisão nesta segunda-feira.

As buscas pelo foragido contaram também com o auxílio da Delegacia Regional de Cáceres.

O mandado de prisão preventiva foi expedido pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres, para onde o foragido deverá ser recambiado.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana