conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Lewandowski é relator de ação para tirar Calheiros de relatoria da CPI da Covid

Publicado


source
Senador Renan Calheiros (MDB-AL) durante sessão da CPI da Covid
Edilson Rodrigues/Agência Senado

Senador Renan Calheiros (MDB-AL) durante sessão da CPI da Covid

O ministro  Ricardo Lewandowski , do  Supremo Tribunal Federal (STF), foi sorteado relator de ação que pede a retirada do senador Renan Calheiros (MDB-AL) da relatoria da CPI da Covid . A ação foi movida por parlamentares aliados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Eles alegam que Calheiros deve deixar o cargo por ser pai de Renan Filho , governador de Alagoas. As informações são do jornal Estado de São Paulo .

O mandado de segurança foi apresentado por Eduardo Girão (Podemos-CE), Jorginho Mello (PL-SC) e Marcos Rogério (DEM-RO) para que o ato que tornou Calheiros relator seja suspenso.

A comissão vai investigar as ações do governo federal e eventuais omissões no combate à pandemia da Covid-19. Foi incluído como alvo da CPI, no entanto, o desvio de recursos federais que foram repassados a estados. Como Calheiros é pai de Renan Filho, os autores do mandado de segurança dizem que o trabalho do relator pode deixar a CPI “eivada de desconfiança”.

“É possível considerar legal e impessoal a indicação de senador relator, cujo filho está entre os governadores “investigados”? Sabe-se que não há investigação direta da pessoa do governador, mas indiretamente se investigará eventual má aplicação das verbas públicas repassadas pela União, no enfrentamento da covid-19 pelos Estados/Municípios”, apontam os senadores.

Instalada nesta terça, 27, a CPI da Covid é presidida pelo senador Omar Aziz (PSD-AM), que indicou Renan Calheiros para a relatoria do colegiado após acordo com parlamentares.

Na segunda-feira (26), o juiz Charles Renaud Frazão de Moraes, da 2ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, deu liminar em ação movida pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP) para barrar Renan Calheiros da relatoria da CPI . A l iminar foi derrubada pelo desembargador Charles Renaud Frazão de Moraes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que considerou que a decisão invadia competência do Congresso.

Antes disso, porém, o próprio presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que nenhuma decisão judicial iria interferir nos trabalhos da Casa.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

CPI vai ouvir Wajngarten sobre filhos de Bolsonaro

Publicado


source
CPI vai interrogar Wajngarten sobre filhos de Bolsonaro
O Antagonista

CPI vai interrogar Wajngarten sobre filhos de Bolsonaro

“A influência dos filhos do presidente da República sobre as decisões do governo poderá ser destrinchada por Fabio Wajngarten na CPI da Covid “, diz a Crusoé.

“O ex-chefe da Secom , que trabalhou na campanha eleitoral de Jair Bolsonaro em 2018, conhece a fundo a atuação da prole do presidente e será questionado sobre o papel de Flávio, Carlos e Eduardo no governo sobretudo durante a pandemia .”

Comentários Facebook
Leia mais:  Pazuello terá habeas corpus produzido pela AGU para poder manter silêncio na CPI
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Pazuello terá habeas corpus produzido pela AGU para poder manter silêncio na CPI

Publicado


source
AGU prepara habeas corpus para Pazuello, como aval de Bolsonaro
O Antagonista

AGU prepara habeas corpus para Pazuello, como aval de Bolsonaro

Com o aval do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a Advocacia-Geral da União (AGU) está preparando um habeas corpus que será apresentado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tenha o direito de ficar calado durante seu depoimento na CPI da Covid, respondendo apenas as perguntas que quiser. A presença de Pazuello no Senado está marcada para o dia 19.

Um ex-ministro da Saúde ser assessorado pela AGU é um fato inédito. O Planalto avalia que proteger Pazuello na CPI seria proteger também Jair Bolsonaro. Segundo apuração da CNN Brasil, o Planalto avalia que a CPI já condenou o governo e, principalmente, a gestão Pazuello.

Apesar de o general ter sido convocado como testemunha, o que lhe obriga a falar, há jurisprudência no STF para que tenha o direito do silêncio. Em 2019, o ex-ministro Celso de Mello autorizou que uma ex-funcionária da Câmara de Comércio Exterior ficasse em silêncio durante depoimento na CPI do BNDES. O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, também conseguiu o mesmo direito na época. 

Comentários Facebook
Leia mais:  PF pede ao STF que abra inquérito contra Toffoli, acusado de vender decisões
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana