conecte-se conosco


POLICIAL

Chefe de operações na região de fronteira, investigador sonhava desde a infância em ser policial

Publicado


Camila Molina/Polícia Civil-MT

Desde a infância, o sonho do investigador Aleksandro Marques de Aguilar era ser policial, carreira pela qual acreditava que poderia ajudar as pessoas e contribuir para a sociedade. Atualmente lotado na Delegacia Especial de Fronteira (Defron), Marques, como é conhecido por amigos e colegas de profissão, é chefe de operações da equipe, mas passou por outras instituições antes de  realizar o seu sonho de se tornar policial civil.

Atuando na região de fronteira do estado desde que ingressou na instituição, Marques nasceu na capital paulista e veio para Mato Grosso logo após completar um ano de idade, quando seus pais se mudaram para Rio Branco em busca de melhores condições de trabalho.

No final da década de 80, a família mudou-se novamente, desta vez para a cidade de Cáceres, onde Marques passou a sua infância e adolescência cultivando o sonhosde ser policial e se espelhando em seus dois irmãos mais velhos, que já atuavam na área de Segurança Pública (um deles como Bombeiro Militar e o outro como investigador da Polícia Civil, também lotado na Defron).

Exército e Sistema Penitenciário

A certeza de atuar na área da segurança pública ficou ainda mais evidente em 1993, quando Marques ingressou no serviço militar obrigatório no Exército Brasileiro e servindo no 2º Batalhão de Fronteira (2ªBFron) como recruta na Arma e Infantaria.

“Foi uma grande honra e orgulho perfilar as fileiras do Exército Brasileiro e iniciar assim a realização do meu sonho de infância. No ano de 1994, durante a instrução do período básico e qualificação, ocupei posição de destaque recebendo a Honraria de Barreta de Praça mais distinto do Batalhão”, conta.

Depois de sair do Exército, em julho de 2002, Marques retornou para a área de Segurança . Em 2004 ele passou no concurso público para agente penitenciário de Mato Grosso, sendo lotado na Cadeia Pública de Cáceres, cargo em que permaneceu até junho de 2008.

Leia mais:  Suspeito é preso com arma de fogo e material de jogo do bicho em operação em Rosário Oeste

Investigador de polícia

Enquanto estava no Sistema Penitenciário, Marques fez o concurso público para o cargo de investigador de polícia, realizado em 2005. A posse ocorreu em 2008 e a primeira lotação, após o Curso de Formação Policial, foi na Regional de Cáceres, na Delegacia de Mirassol d’Oeste.

“Neste momento, o meu sonho foi efetivamente concretizado. O trabalho policial na Delegacia de Mirassol D’Oeste me trouxe muitas alegrias, foi um momento ímpar em minha vida, onde aprendi na prática a essência de ser investigador de polícia.  Adquiri conhecimento, troquei várias experiências profissionais, tive a oportunidade de conviver com colegas excepcionais e nos tornamos uma grande família”, lembra.

 Na ocasião, Marques trabalhou com o atual delegado-geral, Mário Dermeval, que na época era titular da Delegacia de Mirassol d’Oeste. O investigador recorda que a unidade tinha os melhores policiais da região e atuavam não só no município como em várias cidades vizinhas de fronteira como Rio Branco, Lambari d’Oeste, Salto do Céu, Curvelândia, Porto Esperidião e Glória D’Oeste, pelas quais o delegado também respondia.   

O investigador citou nomes de grandes amigos e mestres (alguns in memorian), que marcaram o período em que esteve em Mirassol d’Oeste e destacou  profissionais respeitados, com inúmeros serviços prestados na fronteira.  

“Carrego um sentimento de nostalgia dessa época, pois era muito bom trabalhar com os amigos no dia a dia, assim como era  prazeroso o trabalho de investigação, desvendando inúmeras ocorrências e dando o devido retorno esperado para sociedade”, destaca.

Um dos casos que marcou a carreira do policial ocorreu em maio de 2010, quando a equipe elucidou um roubo e cárcere privado praticado contra um promotor de Justiça de Mirassol d’Oeste. Após tomar conhecimento do roubo e liberação da família, a equipe mobilizou diligências por toda região e conseguiu em menos de 24 horas prender cinco envolvidos no crime, dois deles menores de idade, na cidade de Porto Esperidião. Além da prisão do grupo, o trabalho resultou na recuperação de todos os objetos e veículos subtraídos no roubo.

Leia mais:  Fiscalização conjunta combate pesca predatória na Baixada Cuiabana

Delegacia Especial de Fronteira 

De Mirassol d’Oeste, Marques foi removido para a Delegacia Regional de Cáceres, onde ficou 2012 a 2016, atuando na Gerência de Investigações Gerais . Em janeiro de 2017, com a instalação da Delegacia Especial de Fronteira (Defron), o policial foi designado para atuar na especializada, onde permanece até hoje e é líder da equipe de investigação.

Para o policial, trabalhar na região de fronteira é um desafio diário, uma vez que é o local de atuação de grandes organizações criminosas fortemente armadas e com grande poder econômico para a movimentação de ilícitos. “Deparamos com inúmeras ocorrências vultosas, com tentáculos em toda faixa de fronteira e também em países vizinhos”, disse.

O investigador destaca que um dos fatores primordiais para atuar na faixa de fronteira é a integração das forças de segurança aliada ao bom serviço desenvolvido, além da gestão frente às necessidades do trabalho investigativo. 

“Somos testemunhas que tudo melhorou. Hoje temos estrutura para trabalhar, prédios novos, armamentos novos, viaturas novas, pagamento de diárias, o Sistema Geia e outros pontos que permitem que o policial possa apenas se preocupar com a sua atividade fim, que é a investigação de qualidade”, destaca.

Dentro de todas as expectativas positivas, Marques abre espaço para um novo sonho em sua carreira, que é a construção da sede própria da Defron, projeto em que está  diretamente envolvido junto com o Conseg de Cáceres para viabilizar o projeto executivo.

 “É um projeto audacioso, orçado em aproximadamente R$ 5 milhões e idealizado em conjunto com a Diretoria Geral. Já conseguimos apoio do Conseg para elaboração do projeto executivo e buscamos parcerias para levantar recursos para construção da nova unidade da Defron. Será a realização de mais um sonho dentro da minha carreira”, finalizou o investigador.   

Leia mais:  Polícia Civil desarticula organização criminosa que utilizava transportadoras para enviar drogas de Barra do Garças para Confresa

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
publicidade

POLICIAL

Depois de diversas tentativas de se esconder, foragido de MT por homicídio bárbaro é localizado no litoral catarinense

Publicado


Assessoria/Polícia Civil-MT 

A trajetória de fugas de um foragido da Justiça, que cometeu um bárbaro homicídio no interior de Mato Grosso, chegou ao fim com a captura do criminoso nesta segunda-feira (10), na cidade de Balneário Camboriú, no litoral catarinense. A prisão ocorreu depois de informações repassadas pela Gerência de Polinter e Capturas de Mato Grosso à Polícia Civil de Santa Catarina, que levaram à prisão do homem de 30 anos. 

A Polinter recebeu no início deste ano uma solicitação de apoio da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cáceres para localizar o atual paradeiro do fugitivo, que foi identificado como autor de brutal homicídio ocorrido o em 11 de fevereiro de 2011, que vitimou Benedita de Paula Nunes, de 27 anos. A vítima foi cruelmente espancada e torturada até a morte e encontrada em sua residência totalmente despida e com várias lesões no corpo. O crime chocou moradores da cidade diante da gravidade e da forma cruel como a vítima foi morta.

Com o avanço das investigações realizadas pela DEDM de Cáceres e com a autoria do crime definida, após representação criminal da autoridade policial, o Poder Judiciário decretou em outubro de 2019 a prisão preventiva do investigado. Desde então, o autor do crime passou a ser considerado foragido da justiça.

Por diversas vezes, a Polícia Civil tentou capturá-lo, mas sem sucesso, pois ele se refugiava na Bolívia, de onde  retornou poucas vezes ao Brasil.

Em fevereiro deste ano, a Polinter chegou a enviar uma equipe a Cáceres, mas as buscas pelo foragido não tiveram êxito. Uma última tentativa foi realizada para localizá-lo em Goiânia, contudo, com os dados obtidos no decorrer das investigações, a equipe da Polinter conseguiu apurar o possível paradeiro do foragido, cujas informações levavam à região Sul do Brasil.

Leia mais:  Uma pessoa é presa em flagrante com arma de fogo na Operação Ares, na região de Chapada dos Guimarães

Em um trabalho em conjunto com a equipe do delegado Vicente Soares, da Divisão de Investigação Criminal de Balneário Camboriú, os policiais civis do município catarinense checaram prováveis locais onde ele poderia esta e com apoio da Polícia Militar local conseguiram realizar a prisão nesta segunda-feira.

As buscas pelo foragido contaram também com o auxílio da Delegacia Regional de Cáceres.

O mandado de prisão preventiva foi expedido pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres, para onde o foragido deverá ser recambiado.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

POLICIAL

Fiscalização conjunta combate pesca predatória na Baixada Cuiabana

Publicado


Assessoria | Polícia Civil-MT

Para intensificar a prevenção a ilícitos ambientais, a Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), em conjunto com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), vem realizando várias fiscalizações em diferentes regiões do estado.

Desde a primeira semana de maio, as equipes da Dema e Sema deflagrou as ações de fiscalização na baixada cuiabana, na região de Barão de Melgaço (113 km ao sul da Capital) visando coibir a pesca predatória.

Durante os oito dias de operação foram realizadas abordagens a aproximadamente 100 pessoas. Também foram vistoriadas 12 embarcações e apreendidas três redes de malhas, quatro remos e três canoas de madeiras.

Ao todo, os policiais civis e fiscais confiscaram 48 quilos de pescados irregulares, que depois de periciados, foram doados a instituições filantrópicas por se tratar de produto perecível.

Conforme a delegada titular da Dema, Liliane Murata Costa, os policiais civis continuarão em parceria com outros órgãos, atuando de forma contínua e permanente em defesa da natureza.

“O principal objetivo dessas operações integradas é reprimir as práticas criminosas e condutas que ultrapassam os limites estabelecidos por lei, causando prejuízos e dano ao meio ambiente, que é um bem fundamental à existência humana”, destacou a delegada.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Depois de diversas tentativas de se esconder, foragido de MT por homicídio bárbaro é localizado no litoral catarinense
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana