conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Lava Jato, ataques a Bolsonaro e combate à pandemia: como foi o discurso de Lula

Publicado


source
Lula realiza discurso no Sindicato dos Metalúrgicos do ACB
Reprodução

Lula realiza discurso no Sindicato dos Metalúrgicos do ACB



ex-presidente Lula afirmou que não tem mágoas pela condenação e pelos 580 dias em que permaneceu preso na Lava-Jato após a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin que anulou os processos da operação que condenaram o ex-presidente. Segundo o petista, ele foi vítima da “maior mentira jurídica” da história do país.

“Se tem um brasileiro que tem razão de ter muitas e profundas mágoas, sou eu. Mas não tenho. Sinceramente, eu não tenho porque o sofrimento que o povo brasileiro está passando é infinitamente maior que qualquer crime que cometeram contra mim. É maior que cada dor que eu sentia quando estava preso na Polícia Federal”, afirmou Lula .

O presidente fez críticas à Operação Lava Jato e afirmou que foi vítima da maior mentira jurídica em 500 anos de história do Brasil: “se tem um cidadão que tem razão de estar magoado com as chibatadas, sou eu. Não estou. Pensam que, depois de dar chibatada, é só jogar um pouco de sal e pimenta que a pessoa vai se curar ao longo do tempo, não importa as cicatrizes que ficam. Eu sei de que eu fui vítima da maior mentira jurídica contada em 500 anos de história”.

Leia mais:  Kalil anuncia reabertura em BH com restrições:"Contra a ciência, não há achismo"

Durante o pronunciamento, o ex-presidente criticou o presidente Jair Bolsonaro , sobretudo no campo da segurança pública e do combate ao coronavírus. O ex-presidente Lula afirmou que o Brasil, atualmente, não tem um governo.

“Este país está totalmente desordenado e desagregado porque não tem governo. Este país não cuida da economia , do emprego, do salário, da saúde, do meio ambiente, da educação, dos jovens, da meninada da periferia. Ou seja, do que que eles cuidam?”, disse. 

Lula destacou que, por ter 75 anos, tomará a primeira dose da vacina na próxima semana. O petista fez um contraponto e pediu para que a população não siga nenhuma “decisão imbecil” do presidente e do Ministro da Saúde .

“Não me importa de que país, não me importa se é duas ou uma e quero fazer propaganda pro povo brasileiro. Não siga nenhuma decisão imbecil do Presidente da República ou do Ministro da Saúde. Tome vacina. Tome vacina porque a vacina é uma das coisas que pode livrar você do Covid. Mas, mesmo tomando vacina, não ache que pode tomar vacina e já tirar camisa, ir pro boteco pedir uma cerveja gelada e ficar conversando .Não. Precisa continuar fazendo o isolamento e continuar usando máscara e álcool-gel. Pelo amor de Deus”, afirmou.

Você viu?

O petista fez, inclusive, um aceno às Forças Armadas e as forças de segurança, afirmando que não é a população que deveria ser armada, como defende Bolsonaro, mas os policiais.

Leia mais:  Deputado do DF compra 818 litros de combustível em apenas um dia

“Quem está precisando de armas é a nossa polícia, que sai para a rua para combater a violência com um revólver (calibre) 38 velho, todo enferrujado. Não são os fazendeiros que precisam de armas para matar sem-terra ou pequenos proprietários. Não são milicianos que precisam de armas para fazer terrorismo na periferia desse país, para matar meninos e meninas, sobretudo meninos e meninas negras”, afirmou. 

No discurso, o ex-presidente manteve  duras críticas aos procuradores da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba e, principalmente, ao ministro Sergio Moro. Durante o discurso, o ex-presidente destacou que vai continuar lutando pela suspeição de Sergio Moro.

“Nunca teve envolvimento meu com a Petrobras , e todo o sofrimento que eu passei acabou. Estou muito tranquilo. O processo vai continuar. Já fui absolvido em todos os processos fora da Curitiba. Mas nós vamos continuar brigando para o Moro ser considerado suspeito, porque ele não tem o direito de se transformar no maior mentiroso da história do brasil e ser considerado herói por aqueles que queriam me culpar”, afirmou.

Lula subiu ao palco acompanhado do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto, Guilherme Boulos, e da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e de sua namorada, Rosângela da Silva, a Janja. Após o pronunciamento, o petista responderá perguntas de jornalistas.

Em conversas nos últimos dias, mesmo antes da decisão de Fachin, Lula vinha enfatizando que antecipar o clima eleitoral neste momento só favorece o presidente Jair Bolsonaro, que patina na condução da pandemia do novo coronavírus. Por isso, qualquer menção a uma provável candidatura do petista em 2022 está descartada neste momento. 

No Sindicato dos Metalúrgicos, foi colocado um painel com as frases “vacina para todos e auxílio emergencial já” e “saúde, emprego e justiça para o Brasil”. O ex-presidente planeja nas palavras de um aliado, se colocar “como porta-voz” para denunciar os problemas que o país tem enfrentado tanto na área da Saúde como na da economia.

Leia mais:  Possível relator da CPI da Covid, Renan diz que vai "estudar" temas da pandemia

Entre os agradecimentos, o presidente fez um longo agradecimento a figuras internacionais e destacou o atual presidente da Argentina, Alberto Fernández , que teria ligado a ele após a decisão do ministro Fachin. No próximo dia 26, o presidente Jair Bolsonaro irá à Argentina.

Além dele, Lula também agradeceu ao ex-presidente do Uruguai, Pepe Mujica, ao senador dos Estados Unidos, Bernie Sanders, e ao Papa Francisco, pelo apoio dado durante o período em que o petista estava preso.

Lula se disse “agradecido” ao  ministro Luiz Edson Fachin por ter “cumprido uma coisa que a gente reivindicava desde 2016” e elogiou as declarações feitas por Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski na leitura de seus votos no julgamento da última terça-feira.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

CPI da Covid: Zambelli entra na Justiça contra Renan Calheiros, possível relator

Publicado


source
Deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) revelou nesta segunda-feira (19) ter protocolado ação na Justiça para tentar barrar que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) assuma a relatoria da CPI da Covid no Senado Federal.

Bolsonarista, Zambelli afirma que o senador alagoano “não pode relatar uma CPI na qual o filho dele será investigado”, se referindo ao governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

“O principal foco da minha ação é o Renan Calheiros, pelo fato de ele ser o propenso relator, mas diversos integrantes da comissão são suspeitos. Jader Barbalho (MDB), por exemplo, que é suplente, também é pai de governador, Helder Barbalho (MDB), do Pará”. (…) “Essa CPI está lotada de integrantes que, de fato, só querem usar a comissão como palanque. Isso não é opinião, é fato”, afirma a deputada ao site O Antagonista.

Confira tuíte da deputada:


A CPI, que irá se reunir nesta semana para definir o presidente, vice e relator, investigará ações e suposta omissões do governo federal e das esferas estaduais e municipais.

Leia mais:  Kalil anuncia reabertura em BH com restrições:"Contra a ciência, não há achismo"

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Possível relator da CPI da Covid, Renan diz que vai “estudar” temas da pandemia

Publicado


source
Senador Renan Calheiros (MDB-AL) é um dos principais críticos do governo na Casa
Edilson Rodrigues/Agência Senado

Senador Renan Calheiros (MDB-AL) é um dos principais críticos do governo na Casa

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) disse nesta segunda-feira (19) que vai começar a “estudar” temas relacionados à pandemia. O parlamentar é tido como o possível relator da CPI da Covid no Senado, que vai investigar as ações do governo federal no combate ao novo coronavírus (Sars-CoV-2) e também eventuais omissões.

Em uma publicação no Twitter, Calheiros afirmou que vai fazer um isolamento sanitário “para evitar a infecção do radicalismo, o contágio dos extremistas e o negaciovírus”.

“Até a próxima sexta vou me dedicar a estudar temas da CPI e fazer uma profilaxia digital. Para evitar a infecção do radicalismo, o contágio dos extremistas e o negaciovírus, farei um isolamento sanitário, podendo voltar a qualquer momento se houver necessidade”, escreveu o parlamentar.

De acordo com informações da CNN Brasil, os sete senadores que ficaram conhecidos como G7 e incluem independentes e opositores ao governo, se juntaram em bloco e cobraram que o senador Omar Aziz (PSD-AM) escolha Renan Calheiros como relator.

O grupo fez a exigência como moeda de troca para que Aziz tivesse o voto deles para presidir da CPI da Covid. Em resposta, ele disse que já está decidido que Renan será o relator da comissão. “Fiz o acordo e não vou mudar de ideia. Se eu for presidente, Renan é relator”, afirmou.

Leia mais:  Kalil anuncia reabertura em BH com restrições:"Contra a ciência, não há achismo"

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana