conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Haddad chama Bolsonaro de “ameaça” e defende “pacto democrático” para 2022

Publicado


source
Ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad
Ricardo Stuckert

Ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) chamou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de “ameaça” e defendeu um “pacto democrático” para o turno das eleições de 2022 com o objetivo de reunir candidaturas que façam oposição ao governo federal.

“A eleição do ano que vem tem que começar no 2º turno. Quem resiste ao Bolsonaro deveria fazer um grande pacto de 2º turno. O Bolsonaro é uma ameaça permanente e a nossa agenda tem que agregar todos nós democratas”, disse o petista em entrevista à CNN Brasil .

Questionado sobre eventuais alianças que o ex-presidente Lula faria para lançar sua candidatura, Haddad disse que elas seriam “as mais amplas possíveis”. “O Lula vai procurar ampliar o tanto quanto for possível o leque de alianças para 2022. Nós precisamos de base popular e base parlamentar”, completou.

As articulações, de acordo com o ex-prefeito da capital paulista, podem incluir também parte do Centrão, grupo conhecido por ser mais interessado na troca de cargos do que na defesa de suas pautas. “Nós vamos nos aliar com todos que se opõem ao Bolsonaro. Hoje o Bolsonaro tem 80%”, disse.

Um dos exemplos que Haddad citou como possibilidade de aliança foi com o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ). “No discurso de Lula esta semana, ele reconheceu que não há semelhança dele com Bolsonaro”, afirmou.

Leia mais:  PT cogita Márcio França como vice de Lula em 2022 para ampliar base de apoio

“Nós precisamos que as forças democráticas não cometam o mesmo erro de 2018 e permitam a vitória do Bolsonaro. Temos que ter um compromisso no 2º turno. O que está em jogo é a democracia e as instituições”, completou.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

STF julga suspeição de Moro nesta 5ª feira; saiba o que está em jogo na Corte

Publicado


source
Sergio Moro, ex-juiz da 13ª Vara Federal da Curitiba
Marcos Oliveira/Agência Senado

Sergio Moro, ex-juiz da 13ª Vara Federal da Curitiba

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta quinta-feira (22) um habeas corpus da defesa do ex-presidente Lula que acusa o ex-juiz Sergio Moro de ser parcial na condução de casos envolvendo o petista. A análise do caso vai ocorrer após a Corte finalizar a coleta dos votos para anular as condenações de Lula, que começou na semana passada, mas já tem o placar definido de 8 a 3 a favor do ex-presidente .

Embora já tenha sofrido derrota na Segunda Turma do STF por 3 votos a 2, o que está em jogo agora para Moro é a confirmação pelo plenário de que ele foi suspeito no julgamento dos processos contra Lula que tramitaram na 13ª Vara Federal de Curitiba e, consequentemente, um revés para a Operação Lava Jato .

Integrante da Segunda Turma e relator do caso, o ministro Edson Fachin decidiu levar o caso ao plenário em uma estratégia para que a força-tarefa ainda saísse com vida desse processo, levando em conta que Lula teve suas condenações anuladas. A interpretação foi a de que, com esse resultado, o caso perderia objeto e Moro não poderia mais ser declarado como parcial.

Para o advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, no entanto, esse julgamento no plenário não deveria ocorrer. Segundo Kakay, ocorrências como essa podem trazer insegurança jurídica ao Brasil.

Leia mais:  Luciano Hang aciona Justiça para Lula prestar depoimento presencial

Você viu?

“Não se pode falar que o plenário pode fazer a revisão da turma. O Supremo fala pela independência de seus ministros, pela independência das turmas e pelo plenário, mas não necessariamente uma decisão da Corte tomada pela Segunda Turma é menor que uma tomada pelo plenário. É uma decisão do Supremo, essa decisão já se deu”, diz.

O julgamento sobre a suspeição de Moro teve início em 2018, quando foi interrompido por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes . O processo ficou parado por dois anos, e foi reinserido na pauta um dia depois de Fachin ter anulado, por meio de decisão monocrática, todas as condenações de Lula na Lava Jato. O entendimento de Fachin foi que Moro não era o juiz competente para ter julgado os casos envolvendo o ex-presidente.

“Quando ele [Gilmar Mendes] levou esse habeas corpus para continuidade do julgamento, o ministro Fachin e a ministra Cármen Lúcia já tinham votado. De maneira correta, ele fez uma preliminar e indagou a turma se a questão da perda do objeto do habeas corpus estava correta e a Segunda Turma e votou essa questão. Por quatro a um, vencido apenas o ministro Fachin, eles a turma entendeu que não havia tido a perda de objeto e que o habeas corpus deveria ter o seu julgamento terminado naquele dia”, lembra Kakay.

Sobre o mérito do caso, o advogado criminalista ainda considera que o que Moro fez foi “gravíssimo”. “O ex-juiz Sergio Moro instrumentalizou o Poder Judiciário, a força-tarefa e, com isso, parte do Ministério Público. Agora, do meu ponto de vista, têm que ser examinados quais foram os motivos. O Supremo entendeu que Moro perseguiu o ex-presidente Lula. Isso é gravíssimo. O Supremo entendeu que foi de forma dolosa, premeditada, trabalhada”, disse.

Leia mais:  STF julga suspeição de Moro nesta 5ª feira; saiba o que está em jogo na Corte

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Joice e Frota vão colaborar na elaboração do pedido de impeachment de Bolsonaro

Publicado


source
Partidos articulam a elaboração de um pedido de impeachment contra Bolsonaro
Divulgação

Partidos articulam a elaboração de um pedido de impeachment contra Bolsonaro

Os deputados federais Joice Hasselmann (PSL-SP) e Alexandre Frota (PSDB-SP) aceitaram participar da elaboração de um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro . A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo .

As tratativas são lideradas por partidos de oposição . Os deputados e membros dos partidos PT, PSOL, PDT, UP, Rede, Cidadania, PC do B, PSB e PV devem se reunir nesta sexta-feira (23) para definir os trâmites do pedido.

Os partidos e parlamentares de ideologias contrárias à esquerda acreditam que o pedido é um desejo supraideológica, e preveem a adesão de outros partidos no pedido.

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) deve ser um dos convidados. À Folha , Kataguiri afirmou que vê a iniciativa com bons olhos, mas ressaltou não ter sido contactado ainda.

Outro que deve aparecer na lista é o presidente do NOVO, João Amoedo . A expectativa é que, se aceito, Amoedo possa incentivar outras lideranças políticas que já articula para aderirem ao pedido de impeachment de Bolsonaro.

Comentários Facebook
Leia mais:  Doria assume que disputará prévias do PSDB para se candidatar a presidente
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana