conecte-se conosco


MATO GROSSO

Doulas orientam gestantes sobre nascimento e pós-parto em encontros online

Publicado


Como saber que chegou a hora? A amamentação é para todas? E o que acontece depois do parto? Dúvidas como essas podem ser muitas, e o acesso à informação é um dos fatores mais importantes para um período de gestação, nascimento e puerpério saudáveis. E para respondê-las, nada mais democrático que uma roda de conversa.

Por isso, o Ateliê Gestando Artes realiza, quinzenalmente, a partir deste sábado (06), rodas conduzidas pelas profissionais da Associação de Doulas do Mato Grosso (ADOMATO). Atendendo às normas sanitárias estabelecidas em novo decreto estadual, diante do agravamento da pandemia em Mato Grosso, a atividade será online nos dias 6 e 20 de março e 3 e 17 de abril, das 15h às 17h. As inscrições podem ser realizadas AQUI

Mitos e verdades sobre o parto normal, temas como fases do trabalho de parto, aleitamento materno, puerpério e rede de apoio serão abordados durante as rodas de conversa, que tem como público principal mães e gestantes atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Cuiabá. De acordo com a doula Daniela Monteiro, que é proponente do projeto, são bem-vindas puérperas (recém-mães) e todos os agentes na cena do parto: gestantes, acompanhante ou familiar e profissionais de saúde.

“Quando as pessoas se unem à espera de um bebê, é muito comum e natural que aconteçam grandes trocas de experiências. Existe muita partilha e riqueza nesses momentos. Por isso, dentro do projeto Ateliê Gestando Artes também realizamos as rodas de conversas. Uma prática que está vindo à tona em meio a um movimento de humanização do nascimento crescente no Brasil”, explica Daniela, que também é artista e proponente do projeto.

No entanto, para a profissional, as discussões que envolvem o parto natural e humanizado ainda estão muito concentradas nos grandes centros – seja da cidade, ou do próprio país. “A gente vê essas rodas de conversa acontecendo, facilitadas por doulas, parteiras, obstetras e fisioterapeutas pélvicas. Então existe uma certa cultura dessas rodas, mas ela ainda tende a estar restrita a uma pequena parcela da sociedade. Precisamos amplia-las”, destaca Daniela.

Leia mais:  Policiais penais de Sinop encontram buraco em cela e evitam fuga

Descentralizar o movimento de humanização do nascimento é, portanto, um dos objetivos do Ateliê Gestando Artes, que, até o dia 17 de abril, dará assistência a gestantes pacientes das Unidades de Saúde da Família (USF) dos bairros Jardim Industriário e Pedra 90, em Cuiabá.

O projeto é realizado com recursos da Lei Aldir Blanc, viabilizados pelo Governo do Estado de Mato Grosso, através da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), e Governo Federal, via Secretaria Especial de Cultura.

Oficinas e escuta terapêutica

Atendendo à proposta de um espaço para partilha de informações, o Ateliê Gestando Artes também deu início, no último sábado (27), à atividade de escuta terapêutica, também chamada de Oficina da Palavra. Durante os encontros, que estão acontecendo virtualmente (13/03, 27/03 e 04/04) por conta da pandemia, gestantes participam de um momento de trocas entre si, conduzido pela psicóloga e artista Thaisa Souarez.

A programação ainda segue com oficinas com a artista e pedagoga Alice Pereira, que realizará duas oficinas de manualidades (10 e 17/03) e, nas duas semanas seguintes, a artista Thaís Magalhães, que soma com as oficinas de modelagem em argila (24 e 31/03). Já a fotógrafa Ju Queiroz ensina técnicas de auto-retrato (07 e 14/03), importante ferramenta de autoestima.

As oficinas artísticas continuam sendo realizadas de forma presencial, em espaço aberto e ventilado, na sede do Ateliê Gestando Artes, localizado no bairro Jardim Industriário. No local, todas as medidas de segurança contra o contágio da covid-19 estão garantidas: controle de entrada, aferição de temperatura, distanciamento social, distribuição de máscaras e álcool em gel.

Vale lembrar, crianças são bem-vindas e têm a assistência necessária para que suas mães possam participar das atividades.

Leia mais:  Governo conclui estrutura de seis pontes de concreto na região Araguaia

A programação completa e informações sobre cada atividade podem ser acompanhadas pelas redes sociais do Ateliê Gestando Artes no Instagram e no Facebook.

Serviço

Rodas de Conversa – Ateliê Gestando Artes

Datas: 6 e 20 de março; 3 e 17 de abril

Horário: 15h às 17h

Inscrições: https://forms.gle/KdHZQyzLEYQXwX5z8

Mais informações: (65) 99297-5205 (WhatsApp) ou [email protected]

O Ateliê Gestando Artes está localizado na Av. 30, qd. 23, casa 15, Bairro Jardim Industriário I

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Governo conclui estrutura de seis pontes de concreto na região Araguaia

Publicado


O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), finalizou a execução da superestrutura de seis pontes de concreto nas rodovias MTs 100, 020, e 109, na região Araguaia em Mato Grosso.  Com o término dessas obras, o Governo totaliza a conclusão de dez pontes de concreto na região, em menos de um ano.

Falta somente a execução dos encabeçamentos – aterros compactados nas cabeceiras das pontes para nivelá-las à altura da rodovia e dar acesso às estruturas – em cinco das seis pontes para a finalização e entrega definitiva das obras para o uso da população e trânsito de veículos. Os encabeçamentos que ainda faltam serão concluídos neste semestre.

Na MT-100 foram concluídas três pontes de concreto sobre o Córrego Sete Voltas, na cidade de Ponte Branca, e também sobre o Córrego Pitomba e rio Ouro Fino, no município de Barra do Garças. Foram investidos R$ 7,2 milhões nessas obras.

A maior das três pontes é a construída sobre o Córrego Sete Voltas, com extensão de 60,5 metros. O investimento feito é de R$ 4 milhões. Já as pontes sobre o Córrego Pitomba e rio Ouro Fino têm extensão de 30,5 metros e estão sendo investidos R$ 1,5 milhão e R$ 1,6 milhão, respectivamente, na execução das obras.

Na MT-020, em Canarana, foram concluídas duas pontes de concreto, sobre os Córregos Canastra I e II.  Ambas as pontes terão extensão de 31 metros e foram investidos R$ 3,5 milhões na execução das duas obras.  Ainda em Canarana, mas na MT-109, foi construída a ponte sobre o Rio Tanguro, que tem extensão de 31 metros. Foram investidos R$ 1,8 milhão nessa obra.

Para o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, as pontes de madeira são consideradas entraves logísticos para o escoamento da produção e transporte de passageiros e a substituição por pontes de concreto vai assegurar a diminuição desses obstáculos e melhorar a fluidez do trânsito nessa região, que já é conhecida como Vale da Prosperidade em razão dos inúmeros investimentos do Governo de Mato Grosso.

Leia mais:  Secel explica atribuições do Estado e dos municípios quanto à gestão dos recursos da Lei Aldir Blanc

“O Governo do Estado está consertando Mato Grosso. Além dessas obras concluídas, estamos com obras em toda aquela região. Não estamos medindo esforços para levar esta melhoria a toda a população, pois o governo está melhorando não só a logística para o escoamento da produção, mas também para o direito do cidadão, de ir e vir com conforto e segurança”.

Outras pontes já finalizadas

Além dessas pontes, o Governo do Estado concluiu a execução da superestrutura de quatro pontes de concreto sobre os rios Corixinho, Corixão, Água Preta e Borecaia e vazante, localizadas na MT-326, entre os municípios de Cocalinho e Nova Nazaré. Foram investidos aproximadamente R$ 25 milhões na construção das quatro pontes.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Piscicultura tem grande potencial de expansão em Mato Grosso, aponta diagnóstico apresentado pela Sedec

Publicado


A cadeia produtiva da piscicultura está em pleno desenvolvimento em Mato Grosso, tem potencial de expansão e um mercado promissor. Diante destas perspectivas, somadas ao aumento da população mundial e da crescente demanda por alimentos, a produção de peixes como fonte de proteína é uma opção para diversificação de negócios para pequenos, médios e grandes produtores, além de ser uma das alternativas para o desenvolvimento da agroindustrialização do Estado, geração de postos de trabalho e de renda para toda a sociedade mato-grossense.

“O grande desafio econômico e social da cadeia da Piscicultura de Mato Grosso é dar o salto qualitativo para promoção de uma economia industrializada, agregando valor à produção e impulsionando a geração de riqueza e criação de emprego. É um setor que tem muito a crescer de forma rentável e sustentável, com uma grande capacidade de inclusão social e geração de renda em pequenas propriedades e localidades”, explanou César Miranda, secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso.

Nesta terça-feira (20.04), ocorreu live sobre a piscicultura para representantes de setores públicos e privados que teve o objetivo de apresentar o diagnóstico da cadeia, exibir as oportunidades e mostrar os desafios que podem ser mitigados por meio de políticas públicas, bem como pela organização da cadeia, como por exemplo, criação de cooperativas e investimentos em todos os setores do segmento.

De acordo com César Miranda, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) trabalha no fomento e estruturação do setor produtivo, através também dos incentivos programáticos com o objetivo de alavancar e verticalizar a cadeia, agregando valor a produção, gerando empregos e aumentando a renda do produtor rural.

“Em paralelo as atividades desenvolvidas pelas autarquias, a Sedec organizou os Conselhos e a legislação da cadeia. Estabeleceu-se o Proder para a piscicultura, tendo alíquotas estabelecidas para o excedente de mercadorias comercializadas interestadual. Estabeleceu-se também o Prodeic específico para frigoríficos da piscicultura e fábricas de ração, o qual define benefícios para operações internas e operações interestadual”, ressaltou o secretário.

Leia mais:  Governo conclui estrutura de seis pontes de concreto na região Araguaia

Conforme o superintendente de Programas de Incentivos da Sedec, Anderson Lombardi, o estado de Mato Grosso reviu os incentivos fiscais para dar mais segurança jurídica aos investidores, tanto para o produtor rural quanto para o empresário da indústria. “São incentivos que dão competitividade para venda do pescado produzido em Mato Grosso”, disse.

Foram mostradas também as ações realizadas pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea). Renan Tomazele, diretor técnico do órgão, destacou sobre Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar de Pequeno Porte (SUSAF), sobre o recadastramento dos piscicultores e sobre o lançamento da guia de trânsito animal (GTA) eletrônica do peixe.

“Estamos trabalhando para contribuir com a cadeia dos peixes através de certificação do que é produzido de forma simplificada e eficiente”.

A coordenadora da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Maria Cristina Ramos, explanou sobre a autorização para criação de peixe exótico, no caso da tilápia, e a disponibilização, realizada no ano passado, para o licenciamento virtual, auto declaratório, facilitando as licenças para empreendimentos de baixo impacto. “Eram anseios da classe produtora. Havia muitas dificuldades para licenciamento das atividades pesqueiras. Estamos empenhados para ajudar o setor a crescer”, afirmou.

Patricia D´Oliveira Marques, diretora administrativa da Associação dos Aquicultores do Estado de Mato Grosso (Aquamat), falou sobre os trabalhos que vem sendo desenvolvidos junto aos órgãos públicos e destacou que a piscicultura será uma das maiores culturas do Estado em pouco tempo, apesar dos inúmeros desafios da cadeia. “Temos tudo para continuar crescendo de maneira sustentável e com benefícios para toda a sociedade mato-grossense”.

Esta expectativa também foi partilhada por Otávio Conselvan da Peixe BR. “Há muito potencial para o crescimento do setor e para atendimento da grande demanda por peixe”.

Leia mais:  Secel explica atribuições do Estado e dos municípios quanto à gestão dos recursos da Lei Aldir Blanc

De acordo com o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Mato Grosso (Fetagri-MT), Nilton Macedo, nos últimos anos aconteceram muitos avanços na organização da cadeia da piscicultura graças às parcerias de todos os setores econômicos do estado.

“Sabemos da grande necessidade de melhorar nossa atuação e adequar de acordo com a legislação vigente. Estamos muito confiantes. Temos tudo para ter grande êxito. É uma cadeia muito promissora. O produtor poderá melhorar seu negócio com aumento de vendas e investimento do setor público e privado. ” 

Este também foi o pensamento exaltado pelos representantes das instituições do terceiro setor. Para Valéria Neves, analista técnica do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso (Sebrae/MT) a união dos órgãos é fundamental para o desenvolvimento econômico de Mato Grosso.

“Nosso desejo é ter todos os elos da cadeia produtiva interligados”. Segundo Frederico Azevedo, da Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso (OCB/MT), a posição estratégica do estado no setor agrícola contribui muito para o fortalecimento da produção de pescado. “Estamos trabalhando na organização das cooperativas para o setor de peixes com informação e suporte”.a

Diagnóstico da piscicultura

De acordo com dados do Observatório do Desenvolvimento da Sedec, atualmente, Mato Grosso é 5º maior produtor do Brasil, em 2013 ocupava a 1º posição com 75 mil toneladas. Dos 141 municípios, cerca de 139 produzem peixes, isso equivale a 98,58% dos municípios, totalizando a produção do estado em 34 mil toneladas por ano de pescado. Há em Mato Grosso 24 plantas frigoríficas de pescados operantes, cinco possuem o Serviço de Inspeção Federal (SIF), oito possuem o Serviço de Inspeção Estadual (SISE).

Leia mais:  Rotam prende homem com 350 kg de maconha; prejuízo de R$ 500 mil aos criminosos

Os peixes mais cultivados no estado são os redondos, formados pelas espécies pacu, tambaqui, tambacu e tambatinga; os bagres de couro, formados pelo pintado e surubim. Tambacu e tambatinga correspondem a 62% da produção do estado; pintado, cachara e surubim 15% e tambaqui representa 13% do que é produzido em Mato Grosso.

A live “Psicultura no estado de Mato Grosso” foi coordenada pela Superintendência de Agronegócio da Sedec e contou com participação de vários órgãos públicos e privados, bem como representantes do seguimento econômico da cadeia da piscicultura.

Para assistir novamente, clique aqui.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana