conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Após decisão a favor de Lula, Bolsonaro diz que Fachin “tem ligação com o PT”

Publicado


source
Presidente Jair Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR

Presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se manifestou nesta segunda-feira (8) sobre  a decisão do ministro Edson, do Supremo Tribunal Federal (STF), que anulou todas as condenações do ex-presidente Lula no âmbito da Operação Lava Jato e disse que o entendimento de Fachin “não estranha” por conta de o ministro “ter ligação com o PT”.

“Fachin sempre teve ligação com o PT. [É uma decisão que] Não me estranha, mas todo mundo foi surpreendido”, disse Bolsonaro em entrevista à CNN Brasil em frente Palácio da Alvorada.

“As bandalheiras que esse governo fez estão claras para toda sociedade. No no BNDES teve desvio de 3 trilhões. Na Petrobrás, mais de 2 bilhões”, emendou o presidente.

Bolsonaro ainda avaliou os governos petistas como “catastróficos”. “Isso tudo foi uma demonstração catastrófica do PT no governo. Acredito que o povo brasileiro não quer ter um candidato como esse e sequer pensar nisso em 2022. Prova disso é que o dólar subiu e a bolsa caiu”, disse.

Com a decisão de hoje, Lula deixou de ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa, o que o torna elegível para cargos públicos. Na decisão, Fachin não analisou o mérito das condenações, mas a “incompetência” do juizado da Operação Lava Jato em Curitiba para o julgamento dos casos.

Comentários Facebook
Leia mais:  Kajuru pensa em se candidatar a presidente: "Se Huck é, por que não posso ser?
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Wajngarten revela “incompetência” do governo em negociações com a Pfizer

Publicado


source
Fábio Wajngarte, ex- chefe da Secretaria de Comunicação
Alan Santos/PR

Fábio Wajngarte, ex- chefe da Secretaria de Comunicação

O ex-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom), Fábio Wajngarten , que deixou o cargo no mês passado, disse em entrevista à Veja  publicada nesta quinta-feira que o real motivo do insucesso na compra das vacinas da Pfizer, oferecidas ao Ministério da Saúde em mais de uma oportunidade, foi motivado pela “incompetência e ineficiência” do Ministério da Saúde, até então comandado pelo general Eduardo Pazuello.

Segundo Wajngarten, ele mesmo participou ativamente das tratativas sobre a compra dos imunizantes em 2020. Ele diz que guarda e-­mails, registros telefônicos, cópias de minutas do contrato e tem um “rol de testemunhas” que pode comprovar tudo o que está dizendo.

De acordo com o ex-chefe da Secom, a Pfizer enviou uma  carta ao Ministério da Saúde oferecendo prioridade na venda dos imunizantes, mas que a pasta “nem sequer respondeu”.

“A vacina da Pfizer era a mais promissora, com altos índices de eficácia, segundo os estudos. Precisávamos da maior quantidade de vacinas no menor tempo possível. E dinheiro nunca faltou”, diz.

Você viu?

O publicitário diz que a Pfizer tentou até mesmo baixar o preço do imunizante. O valor ficou abaixo de 10 dólares por unidade. “

“Só para se ter uma ideia, Israel pagou 30 dólares para receber as vacinas primeiro. Nada é mais caro do que uma vida. Infelizmente, as coisas travavam no Ministério da Saúde”, conta à Veja, revelando que as negociações travaram nas cláusulas leoninas que a Pfizer não abria mão no contrato. “Havia excesso de burocracia e pessoas despreparadas cuidando dessa questão”, continua.

Leia mais:  Impeachment de Bolsonaro é pedido por "ladrão e maconheiro", diz filho deputado

Wajngarten conta, ainda, que o general Pazuello foi demitido após rumores de que seria preso. O publicitário, porém, exime Bolsonaro da culpa pela má condução da compra das vacinas.

“Ele era abastecido com informações erradas, não sei se por dolo, incompetência ou as duas coisas. Diziam que a pandemia estava em declínio e que o número de mortes diminuiria muito até o fim do ano.”

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Impeachment de Bolsonaro é pedido por “ladrão e maconheiro”, diz filho deputado

Publicado


source
Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
Reprodução: iG Minas Gerais

Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)

O deputado federal Eduardo Bolsonaro ( PSL-SP) usou as redes sociais nesta quinta-feira (22) para atacar opositores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Ladrão, maconheiro, maluca e prostituto” foram os adjetivos usados pelo parlamentar para criticar aqueles que pedem o impeachment do presidente.

Confira o tuíte:




Eduardo, que participou de uma comitiva até Israel no início do ano com outros membros do governo federal, será investigado pela CPI da Covid no Senado Federal. A comissão quer detalhes do custo, checar relatórios da viagem e o real resultado obtido com a ida ao país do oriente médio.

(Sob supervisão de Valeska Amorim)

Comentários Facebook
Leia mais:  Wajngarten revela "incompetência" do governo em negociações com a Pfizer
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana