conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

PT aposta em “sintonia” com centrão de Lira para criar CPMI da Lava Jato

Publicado


source
Vitória de Arthur Lira pode abrir caminho para criação da CPI; entenda
Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Vitória de Arthur Lira pode abrir caminho para criação da CPI; entenda

Após a “vitória” conquistada junto ao STF, que  autorizou acesso da defesa do ex-presidente Lula às mensagens trocadas pelo ex-ministro Sergio Moro com procuradores da Lava Jato, o PT tenta articular o próximo passo na batalha contra a operação.

Segundo informações do blog do jornalista Lauro Jardim, petistas já estariam recolhendo assinaturas entre senadores e deputados para criar uma CPMI da Lava Jato . A aposta para garantir vitória também nesta etapa é a proximidade com o centrão de Arthur Lira, novo presidente da Câmara, que já sinalizou a favor da criação.

Na última semana, o líder do governo Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros , chamou a  operação Lava Jato de “quadrilha” e afirmou que ela só foi criada para garantir a prisão após segunda instância e tirar a possibilidade de Lula disputar as eleições presidenciais de 2018.

“Nunca teve prisão em segunda instância no Brasil. Só teve para prender o Lula e tirá-lo da eleição. Foi um casuísmo. Não vamos permitir que as conversas do Intercept, que foram autenticadas pelo ministro Lewandowski, desapareçam. São crimes cometidos pela quadrilha da Lava Jato “, afirmou Barros.

Comentários Facebook
Leia mais:  Flávio Bolsonaro compra mansão de quase R$ 6 milhões em Brasília
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Mansão de Flávio Bolsonaro: valor 4x maior que patrimônio e paga com chocolate

Publicado


source
Senador Flávio Bolsonaro
Leopoldo Silva/Agência Senado

Senador Flávio Bolsonaro



O senador  Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) comprou no início do ano uma mansão no valor de R$ 6 milhões em bairro nobre de Brasília. O valor do imóvel é quase quatro vezes o patrimônio declarado por ele nas eleições de 2018.

Naquele ano, ele informou possuir bens no valor de R$ 1,7 milhão, incluindo dois imóveis e participações em uma loja de chocolates, vendida recentemente. Sobre a participação no empreedimento, o senador revelou a amigos que a compra da mansão foi feita exatamente com o dinheiro obtido com a venda, conforme informações do blog do jornalista Guilherme Amado.

Você viu?

O Extra teve acesso ao registro do negócio em cartório, cujo valor da compra foi de R$ 5,97 milhões. O documento informa que o imóvel tem 2.400 m², fica localizado em uma área batizada de “Setor de Mansões Dom Bosco” e teve a aquisição registrada no dia 29 de janeiro. Constam como compradores Flávio e sua esposa, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro, com quem é casado sob comunhão parcial de bens. A vendedora é a RVA Construções e Incorporações.

A certidão do imóvel registra que, do total do imóvel, houve a contratação de um financiamento junto ao Banco de Brasília (BRB) para o pagamento de R$ 3,1 milhões. Serão 360 prestações mensais, com taxas de juros entre 3,65% e 4,85%. Flávio ganha salário de R$ 33 mil mensais como senador.

Leia mais:  Kassio Nunes nega liminar para procuradora acusada de ofender Bolsonaro

Investigado pela suposta existência de um esquema de desvios de recursos dos salários de seus assessores quando era deputado estadual da Assembleia Legislativa do Rio ( Alerj ), o senador é suspeito de realizar a lavagem de dinheiro por meio da venda e compra de imóveis.

Na semana passada, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça ( STJ ) anulou as quebras do sigilo bancário e fiscal da investigação da rachadinha , acolhendo um recurso da defesa do senador. Com isso, as principais provas da denúncia apresentada no fim do ano contra Flávio pelo Ministério Público do Rio de Janeiro devem ser descartadas.

A denúncia apontava que 12 funcionários fantasmas lotados no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj teriam desviado R$ 6,1 milhões dos cofres públicos. Procurada, a assessoria do senador ainda não se manifestou a respeito do imóvel.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Flordelis usou tornozeleira eletrônica sem bateria por 17 horas, diz relatório

Publicado


source
Em outubro, logo após colocar o aparelho, deputada o exibiu durante culto
Reprodução

Em outubro, logo após colocar o aparelho, deputada o exibiu durante culto



Relatório da Secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap) do Rio aponta que a bateria da tornozeleira eletrônica usada pela deputada federal  Flordelis dos Santos de Souza (PSD) terminou 11 vezes de outubro até o mês passado. Em uma das ocasiões, segundo o documento, o equipamento da deputada ficou desligado por quase 17 horas. Quando a carga chega ao fim, o monitoramento é suspenso.

O relatório, ao qual O Globo teve acesso, foi enviado pela Seap à Justiça. Flordelis é ré em processo na 3ª Vara Criminal de Niterói na qual é acusada de ser mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo .

A deputada passou a usar tornozeleira eletrônica em 8 de outubro do ano passado, após uma determinação da juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói. Pela decisão judicial, a deputada deve permanecer em casa das 23h às 6h. Somente no primeiro mês de uso, a bateria do equipamento terminou três vezes. Uma delas, no dia 31, quando o monitoramento ficou suspendo por quase 17h. A tornozeleira desligou às 6h56 e só foi religada às 23h51.

Você viu?

Consta, no relatório da secretaria, que ao comparecer à Seap para fazer a instalação, Flordelis foi orientada sobre a necessidade de carregar a tornozeleira eletrônica. Para recarregar o aparelho, é preciso ficar conectado a uma tomada.

Leia mais:  Governador da Paraíba desmente Bolsonaro e o acusa de "distorcer valores"

O monitoramento eletônico é uma das medidas cautelares previstas no Código de Processo Penal. O descumprimento dessas medidas pode acarretar na decretação da prisão do réu. No entanto,  Flordelis tem imunidade parlamentar e só pode ser presa em flagrante delito por crime inafiançável, conforme determina a Constituição Federal.

No relatório, consta ainda que em 15 ocasiões Flordelis não estava em casa entre os horários estabelecidos pela juíza. Em 14 delas, segundo o documento, a deputada estava em deslocamento para Brasília. Já em um episódio, a pastora estava no fórum de Niterói, em audiência no processo no qual é ré.

No documento, consta ainda um rompimento da tornozeleira eletrônica . No entanto, o Extra constatou que isso ocorreu no momento em que Flordelis estava na Seap instalando a tornozeleiran eletrônica. Todos os episódios de término de bateria, permanência de casa fora dos horários permitidos e rompimento de tornozeleira são considerados, pela secretaria, violações ao uso do equipamento. O relatório que consta no processo foi gerado pelo Sistema de Acompanhamento de Custódia da secretaria no último dia 23. 

O Globo procurou a assessoria de imprensa de Flordelis para que a parlamentar explicasse as violações que constam no documento, mas não houve resposta até a noite dessa segunda-feira.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana