conecte-se conosco


MATO GROSSO

MT não registrou ocorrência de roubo a instituições financeiras em 2020

Publicado


A política de tolerância zero à criminalidade tem demonstrado efetividade com a redução dos principais índices criminais no ano de 2020. Neste contexto, os crimes de roubos e furtos a bancos e outras instituições financeiras, antes muito comuns no estado, não só apresentaram redução, como não tiveram nenhuma ocorrência, como é o caso de roubos consumados. No mesmo período de 2019, foram registrados quatro casos.

Os dados são da Superintendência do Observatório de Segurança da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) e são referentes ao período de janeiro a dezembro. O levantamento ainda aponta que em 2020 houve 13 furtos consumados, enquanto em 2019 este número foi de 29 furtos, ou seja, uma redução de 55%. Vale destacar que a diferença entre roubo e furto é que a primeira consiste no emprego de ameaça ou violência.

A forte atuação das forças de segurança para coibir este tipo de crime demonstrou bons resultados. No caso de roubos tentados, também não houve registros em 2020, enquanto em 2019 foram registradas três ocorrências. Já com relação às tentativas frustradas de furto a bancos, no ano passado 19 ocorrências foram registradas, contra 51 que ocorreram em 2019. Ou seja: uma redução de 63%.

Do modus operandi utilizado pelos criminosos em ocorrências tentadas e consumadas, 55% são de aberturas ou cavidades nas paredes das instituições e 45% dos ataques direcionados a caixas eletrônicos.

O secretário adjunto de Integração Operacional da Sesp-MT, coronel PM Victor Fortes, lembra que desde o início da atual gestão, o programa Tolerância Zero já era uma proposta, que dentre os vários eixos de atuação, também previa o enfrentamento aos crimes contra as instituições financeiras. 

Leia mais:  Construção de fábrica vai gerar economia para prefeitura e emprego para presos

“É um crime que há tempos Mato Grosso tem registrado taxas de redução e a gente atribui isso às ações de prevenção que são realizadas com o apoio da Inteligência, que atua de forma muito integrada entre as instituições estaduais e federais, o que colabora com o monitoramento das organizações criminosas”, destacou Fortes.

O secretário adjunto também pontua que qualquer tentativa de crime contra instituições financeiras é respondida de forma rápida e eficiente, devido à estrutura existente no Estado, desde o apoio aéreo para deslocamento de tropa feito pelo Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), como o trabalho investigativo realizado pela Polícia Judiciária Civil (PJC), e a prevenção e enfrentamento pela Polícia Militar (PM-MT) e suas unidades especializadas.

“Cabe também destacar a parceria com as próprias instituições financeiras, que sempre subsidiam a Sesp com informações, e que também têm feito sua parte relacionada ao reforço dos meios de segurança nas unidades financeiras do estado”, finalizou Fortes.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Juiz cita situação “inadmissível” e manda Prefeitura de Cuiabá reabrir UTIs Covid-19 imediatamente

Publicado


O juiz Roberto Seror, da 5ª Vara da Fazenda Pública de Cuiabá, determinou que a Prefeitura de Cuiabá disponibilize 33 leitos de UTI para casos de covid-19, que haviam sido bloqueados pela falta de médicos e remédios nesta semana.

A decisão foi concedida na noite desta quinta-feira (24.02), e atendeu pedido feito pelo Governo de Mato Grosso. O magistrado ainda determinou multa diária de R$ 50 mil ao prefeito e ao secretário municipal de Saúde de Cuiabá, caso não acatem a decisão, e autorizou a averiguação de possível ato de improbidade ou crime nas condutas de ambos.

Na ação, movida via Procuradoria Geral do Estado, o Governo de Mato Grosso relatou que a Prefeitura bloqueou 33 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sendo 30 para adultos e três pediátricos, para o tratamento de pacientes da Covid-19, no Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá.

O Estado explicou que o bloqueio dos leitos de UTI Covid-19 impacta na taxa de ocupação hospitalar e acarreta no descumprimento do Plano de Contingência Municipal. Nesta quinta-feira, a taxa de ocupação de UTIs é de 83%. O município recebe R$ 1,6 mil por leito de UTI pactuado com o Governo do Estado e Ministério da Saúde.

“Caso a conduta do Município persista, o principal prejudicado será o cidadão que venha a necessitar dos leitos de UTI, uma vez que o Estado terá de suspender o repasse de elevado valor referente ao cofinanciamento das diárias dos citados leitos, o que poderá impactar na própria manutenção ou na diminuição do número de leitos destinados aos pacientes Covid-19”, diz trecho do processo.

“Inerte”

Ao analisar o pedido, o juiz Roberto Seror verificou que a Prefeitura de Cuiabá tem recebido os recursos para manter as UTIs abertas, mas, ainda assim, “está descumprindo, de forma imotivada, o Plano de Contingência Municipal, permanecendo inerte perante sua obrigação de fornecer equipamentos e pessoal, bem como quaisquer outros meios necessários para garantir a manutenção e disponibilização dos leitos de UTI destinados exclusivamente ao atendimento de pacientes acometidos pela COVID-19”.

Leia mais:  Gestores da Polícia Civil se reúnem com representantes de municípios do Norte de MT

“Inclusive, o Ofício nº 04/GBSAREG/SES/MT (ID nº 49834120) registrou que a equipe de supervisão administrativa da Central de Regulação de Urgência e Emergência Estadual, ao realizar supervisão in loco no Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, constatou que os leitos de UTI pediátrica, na data da visita, estavam com 07 (sete) pacientes internados, e 05 (cinco) leitos disponíveis (correspondendo à 58,33% de taxa de ocupação) e 03 (três) leitos bloqueados, por falta de equipamentos”, mencionou Seror.

Conforme o magistrado, a Prefeitura de Cuiabá descumpriu os termos do cofinanciamento firmado com o Estado e, ao bloquear os 33 leitos, promoveu uma “deliberada e inadmissível diminuição do número de leitos de UTI disponíveis à população e causando enorme prejuízo ao cidadão que necessita do amparo à sua saúde”. 

“Veja-se que numa capital de Estado tem-se um quadro alarmante hoje, no qual embora existam 33 leitos que poderiam estar funcionando, tem-se apenas 7 leitos de UTI adulto disponíveis para toda a população !!! Mantida essa situação, em pouquíssimos dias ou atés mesmo horas, vai se saber, o sistema de saúde entrará em total colapso e não haverá sequer número de aviões de UTI aéreas suficientes para encaminhar os casos mais graves a outros Estados, isso se houver recursos para esse serviço. Há um periculum in mora de alta gravidade e dimensão social que não pode mais esperar, sob pena de perecimento de vidas humanas !!!!”, ressaltou. 

Desta forma, o juiz concluiu por atender à solicitação do Estado e determinou que as UTIs sejam disponibilizadas imediatamente. Seror também mandou que o prefeito e o secretário sejam intimados ainda hoje para cumprirem a decisão. 

“Deste modo, à vista do exposto, sobejam presentes os requisitos da tutela de urgência, sendo dever deste magistrado o deferimento da medida pleiteada. ISTO POSTO, consoante a fundamentação supra, DEFIRO A TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA vindicada, como requerida, para o fim determinar ao Requerido que proceda imediatamente à todas as providências necessárias ao imediato desbloqueio/disponibilização dos leitos de UTI de atendimento exclusivo de pacientes acometidos pela COVID-19, até ulterior decisão de mérito a ser proferida na presente demanda. Em caso de descumprimento da presente decisão, arbitro, desde já, a aplicação de multa diária conforme previsão disposta no art. 537 do CPC a ser suportado pela pessoa do Prefeito municipal e Secretário de saúde no valor de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), a cada um dos agentes públicos, sem prejuízo de caracterização de outros delitos de natureza civil ( improbidade administrativa ) e criminal”, decidiu.

Leia mais:  Sefaz realiza consulta pública para elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias 2022
Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Estado aciona Justiça para que Prefeitura de Cuiabá desbloqueie imediatamente leitos de UTI Covid-19

Publicado


A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) acionou a Prefeitura de Cuiabá para o desbloqueio imediato de 33 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sendo 30 para adultos e três pediátricos, para o tratamento de pacientes da Covid-19, no Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá.

A ação por obrigação de fazer foi protocolada na Vara Especializada de Fazenda Pública, nesta quinta-feira (25.02), após a gestão municipal não cumprir notificação do Governo do Estado para o desbloqueio dos leitos UTI Covid-19.

Relatório de supervisão da Secretaria de Estado de Saúde (SES) apontou que o bloqueio se dá por falta de medicamentos e falta de médico cirurgião pediátrico.

Conforme a ação, o bloqueio dos leitos de UTI Covid-19 impacta na taxa de ocupação hospitalar e acarreta no descumprimento do Plano de Contingência Municipal. Nesta quinta-feira, a taxa de ocupação de UTIs é de 83%.

“Caso a conduta do Município persista, o principal prejudicado será o cidadão que venha a necessitar dos leitos de UTI, uma vez que o Estado terá de suspender o repasse de elevado valor referente ao cofinanciamento das diárias dos citados leitos, o que poderá impactar na própria manutenção ou na diminuição do número de leitos destinados aos pacientes Covid-19”, de acordo com trecho extraído da petição.

O município recebe R$ 1,6 mil por leito de UTI pactuado com o Governo do Estado e Ministério da Saúde.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Laudo pericial constata que camisas do time do Cuiabá apreendidas são falsificadas
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana