conecte-se conosco


CUIABÁ

Que o exemplo dos que perderam a batalha nos dê força para vencer a guerra contra a Covid-19

Publicado


Divulgação

Clique para ampliar

Com profundo pesar e angústia recebi, nesta manhã, a notícia do falecimento do prefeito licenciado de Goiânia, Maguito Vilela, meu correligionário no Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido do qual ele era um dos pilares, tendo participado desde a sua fundação, ainda na época da antiga Arena, e atuado ativamente em prol da redemocratização do Brasil.

Juntamente com o nosso partido e com o povo de Goiás, Maguito Vilela escreveu uma trajetória linda e de sucesso, sempre em prol dos mais carentes. Quando governador, na década de 1990, ele criou importantes programas sociais, com distribuição de cestas básicas para desempregados, entrega diária de pão e leite para famílias com crianças, isenção nas contas de água e luz para os mais vulneráveis e a criação do programa Luz no Campo para as comunidades rurais. Entre 2008 e 2012, quando prefeito de Aparecida de Goiânia, ele continuou na mesma linha de atuação, pensando na sua gente, investindo em pavimentação dos bairros periféricos e ali construindo centros de educação infantil e implantando unidades básicas de saúde. 

Ao longo de 44 anos na vida política, ele foi vereador, deputado estadual, deputado federal, vice-governador, governador, senador, vice-presidente do Banco do Brasil, prefeito de Aparecida de Goiânia e prefeito licenciado de Goiânia, cargo para o qual venceu as eleições de 2020 em plena pandemia, chegando a se infectar com a Covid-19 em outubro. Infelizmente, Maguito não teve a oportunidade de votar nele mesmo, nem no primeiro e nem no segundo turno, e tomou posse de forma virtual, já curado da Covid-19, mas ainda se tratando de uma infecção no pulmão, gerada em decorrência da doença anterior. Deixou esposa, 4 filhos, uma enteada e quatro netos, a quem presto as minhas sinceras condolências.

Leia mais:  Distrito Industrial e Av. do CPA recebem Mutirão da Iluminação Pública nesta sexta-feira (22)

Tudo isso me faz pensar na fragilidade e singularidade da vida e refletir sobre o que podemos tomar como lição e exemplo para nossas próprias condutas. Maguito com certeza foi um homem público admirável, que deixa um legado inestimável de serviços prestados à população goiana e brasileira. 

Enquanto prefeito de Cuiabá, luto diariamente para combater esta pandemia que já assolou e tem assolado tantas famílias que perderam entes queridos ou sofrem com a angústia da internação em um leito de hospital. Sei que esta luta é de todos os prefeitos e governantes de todo o país e de todo o mundo. A responsabilidade é tremenda e muito já foi feito para enfrentar essa doença e seus reflexos na economia e na saúde coletiva. 

Como prefeito, cidadão, pai, marido, filho, só posso dizer que não medirei esforços para honrar a memória de todos aqueles que perderam a batalha para o coronavírus e garantir que nossa população tenha o suporte da Prefeitura de Cuiabá para, juntos, chegarmos ao fim desta guerra pela vida.

Comentários Facebook
publicidade

CUIABÁ

Residencial Avelino Lima Barros ganha novo espaço de lazer e prefeito destaca meta de levar qualidade de vida a todos

Publicado


Davi Valle

Clique para ampliar

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, entregou na sexta-feira (22) mais um espaço de lazer na Capital. O bairro contemplado, desta vez, foi Residencial Avelino Lima Barros, com a praça “ACSA Vitória do Espírito Santo Rodrigues”. Por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), não houve solenidade de inauguração.

O espaço conta com uma academia ao ar livre, playground, iluminação de LED, pista de caminhada, bancos e lixeiras, jardinagem, paisagismo e uma quadra poliesportiva. 

“Estamos valorizando a vida de quem mora na comunidade e merece essa praça para dar qualidade de vida a todos. É dessa forma que iniciamos mais uma gestão, levando as ações da Prefeitura para mais próximo das pessoas”, cita o gestor, destacando que a gestão continuará atuando dos bairros para o centro. 

O diretor-geral da Empresa Cuiabana de Zeladoria e Serviços Urbanos (Limpurb), Vanderlúcio Rodrigues, reforçou que, para os próximos 4 anos, a gestão irá entregar cerca de 150 áreas de lazer e já no prazo de 90 dias, serão entregues mais 22 praças. “Uma das minhas missões é continuar os trabalhos de execução desses espaços, para que a população tenha acesso a um espaço humanizado, com área de lazer, quadra de esporte, parques e academia ao ar livre”, disse Varderlúcio. 

O vice-prefeito José Roberto Stopa, que atuou na Pasta de Serviços Urbanos, ressaltou que uma das marcas do prefeito Emanuel Pinheiro é a democratização das áreas de lazer que, antes, estavam somente na região central. “Esses espaços de lazer transformam a vida das pessoas. Acredito que o Vanderlúcio irá continuar esse belíssimo projeto”, destacou.

O presidente da Associação de Moradores do Avelino Lima Barros, Jovaldo Facincane da Silva, comentou que o diferencial da praça é a preservação das árvores frutíferas e nativas. Ele lembrou ainda que a área deixou o bairro com uma nova “cara”. 

Leia mais:  Novo sistema promove mais segurança e fluidez no trânsito da Capital

“Além de trazer uma bela paisagem para o nosso bairro, essa praça trouxe alegria para a criançada, idosos e a todos os moradores. Era um matagal e que trazia medo e insegurança para os moradores. Hoje, alguns aqui até começaram uma nova vida, com vendas de açaí e cachorro quente para ter uma renda extra”, conta. 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

CUIABÁ

Médico que atua no combate à Covid-19 conta experiência e aconselha sobre cuidados

Publicado


Luiz Alves

Clique para ampliar

Luiz Alves/ Secom

Com apenas 25 anos, o clínico geral, Djullian Baldi, é um dos médicos que atuam na linha de frente no combate à Covid-19, em Cuiabá. O profissional é responsável pelo tratamento de pacientes que estão internados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Covid, no Hospital Municipal São Benedito.

Atualmente, o São Benedito conta com 40 leitos disponibilizados somente para a ala de UTI Covid, que já está com quase 70% dos leitos ocupados, após a nova alta no número de casos do coronavírus em Mato Grosso.

A unidade de saúde está em apoio ao Hospital Referência para a Covid-19 (antigo Pronto-Socorro) desde junho do ano passado. Djulian, que já estava atuando em UTIs, foi convidado e aceitou o desafio. Desde então tem vivido momentos, que segundo ele, são difíceis, mas também de muita alegria, quando os pacientes se recuperam.

“Olhando para trás, vejo que não poderia ter escolhido nada diferente. É uma profissão que me traz muitas alegrias, temos momentos difíceis, mas ninguém esperava passar por uma situação dessa. Foi um desafio muito grande e já faz um ano que trabalho dentro da UTI e a rotina de quem trabalha lá dentro é muito pesada, muito sobrecarregada, principalmente na parte do trabalho físico, quanto da parte emocional. A gente vai para casa, mas não consegue desligar do que acontece lá de dentro”, diz o médico.

O profissional relata que a cada paciente que perde a vida para o vírus comove toda a equipe. “A gente não para nenhum minuto, fazemos várias coisas ao mesmo tempo. O plantão geralmente tem 12h, mas agora vai de cada médico, eu particularmente consigo ficar 24h, até para gente não ficar esgotado, senão prejudica o paciente. O cenário é triste, é uma carga emocional muito grande, porque pelo menos 60% dos pacientes chegam para a gente na maca, falando, conversando, e acabamos tendo um certo apego, não como família, mas criamos uma amizade, um vínculo com eles, e vendo a evolução do quadro, acompanhando os exames, vivemos aquela angústia, a carga emocional é muito grande”, conta.

Leia mais:  Novo sistema promove mais segurança e fluidez no trânsito da Capital

O médico afirma que não contraiu o vírus até hoje e para continuar assim toma todo o cuidado recomendado. Mas, apesar disso, já passou por momentos angustiantes, quando a mãe e os avós pegaram a Covid. Para ele, o momento de maior tristeza ocorreu há pouco tempo, quando a avó de sua namorada perdeu a luta contra o vírus. Ela estava internada no Complexo Hospitalar de Cuiabá e veio a óbito após 29 dias.

“Desde que eu comecei a trabalhar na UTI Covid, evito ao máximo contato próximo com minha família, tudo para evitar um possível contágio, porque nós que trabalhamos diretamente estamos expostos a um risco muito alto e a gente vê as consequências disso lá dentro. Eu não quero que meu pai e minha mãe estejam naquela situação, então eu evito ao máximo ter o contato físico com eles”, relata o profissional.

Djulian é um dos profissionais que estão qualificados a tomar a vacina contra o coronavírus, que chegou em Cuiabá nesta semana, por estar atuando na linha de frente contra à Covid. Apesar disso, afirma que continuará tendo os cuidados necessários e aconselha a população em geral que faça o mesmo.

“Mesmo tomando a vacina, ainda temos que nos cuidar, porque o que as pessoas têm dificuldade de entender, é que a gente não leva um vírus para casa só tossindo ou estando com a doença. Na verdade, se você tocar em algo contaminado e não lavar as mãos, você já está levando para casa. E aí você toca na sua mãe, no seu pai e assim acontece a transmissão. Então, mesmo quem já se vacinou, mesmo quem já pegou, tem que tomar cuidado, porque ainda pode ser um possível transmissor da doença”, explica.

Leia mais:  Pinheiro suspende aumento na tarifa de água e esgoto e proíbe corte no abastecimento

Outro ponto que também chama atenção do médico é o fato do número de pessoas jovens estar crescendo nessa pandemia. Apesar de ainda não ter nenhum estudo que comprove, Djulian afirma que tem visto muitas pessoas com idade entre 20 e 40 anos acometidos pela doença. Diante do cenário atual, o profissional ainda pede mais seriedade com relação ao vírus.

“É uma visão de quem está lá dentro todo dia, de que parece que o perfil de pacientes está mudando, temos muitos pacientes jovens. Temos pacientes de 29 anos, 39 anos, e isso é muito preocupante. Meu conselho é que não esperem perder alguém da família para levar essa doença a sério. Porque o perfil é depois que isso acontece, que começa a levar as coisas a sério. Acham que é tudo brincadeira, que os casos não estão aumentando, só que as UTIs já estão lotadas de novo”, ressalta.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana