conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Projeto prevê criação de app para envio de demanda de segurança pública

Publicado


source
.
Arquuivo/Câmara dos Deputados

“Número de linhas de celular já é sete vezes maior que o de telefonia fixa”, diz Edna Henrique

Um novo Projeto de Lei (5318/20) determina que o governo federal crie um aplicativo de internet destinado ao envio de demandas a órgãos de segurança pública em caso de emergência. 

O app deverá possibilitar o acesso tanto por páginas na internet quanto por meio de aplicativos para smartphones e deverá estar disponível na plataforma do governo destinada ao compartilhamento de softwares públicos livres.

Pelo texto em análise na Câmara dos Deputados, os apps, que poderão ser desenvolvidos em parceria com os estados e o Distrito Federal, deverão possibilitar, no mínimo: o registro de boletim eletrônico de ocorrência pelo cidadão; o envio de alerta para casos de emergência que requeiram a atuação imediata de órgãos de segurança pública; e o envio, pelos órgãos de segurança pública, de alertas aos usuários acerca de emergências.

“Na segurança pública, persiste a oferta quase que exclusiva de atendimento por meio da telefonia, em um modelo tão antigo quanto a própria telefonia fixa”, afirma a deputada Edna Henrique (PSDB-PB), autora da proposta.

“Assim, ao cidadão, discar o 190 para a PolíciaMilitar e o 193 para os Bombeiros tem sido, na maioria dos estados, sua única opção para entrar em contato com essas forças”, completa.

Acessos

A parlamentar cita dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), segundo os quais existiam em 2019 apenas 33 milhões de acesso de telefonia fixa no Brasil, enquanto, no mesmo ano, o número de acessos de telefonia celular já ultrapassava a casa dos 226 milhões. “Ou seja, número quase sete vezes maior que o de linhas de telefonia fixa”, observou.

Leia mais:  Maia e Alcolumbre cumprimentam Joe Biden, novo presidente dos EUA

Ela acrescentou ainda que a maior parte desses telefones celulares era composta por smartphones . “O o acesso à internet em 4G – tecnologia mais avançada disponível no Brasil – , já correspondia a 68,7% do total de acessos móveis de internet aqui existente”, complementou.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Rede pede no STF afastamento imediato de Pazuello do Ministério da Saúde

Publicado


source
Ministro da Saúde Eduardo Pazuello
Reprodução: iG Minas Gerais

Ministro da Saúde Eduardo Pazuello

O partido Rede Sustentabilidade entrou nesta quarta-feira (20) com uma ação no  Supremo Tribunal Federal ( STF ) pedindo que o ministro da saúde, Eduardo Pazuello seja afastado do cargo por conta dos diversos erros cometidos durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

“O imediato afastamento do Ministro Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde, pelos diversos equívocos, incluídos os de logística, na condução das atividades ministeriais durante a pandemia do Coronavírus, que, infelizmente, causaram a morte de mais de 210.000 cidadãos brasileiros, sendo que alguns não tiveram sequer a chance de lutar pela vida, por não terem oxigênio”, pede a sigla no na ação protocolada nesta quarta (20).

A sigla também critica o presidente Jair Bolsonaro , que é acusado de omissão, negacionismo e equívocos no planejamento de compra das vacinas contra a Covid-19.

Você viu?

A questão da falta de oxigênio nos hospitais em Manaus também foi vista com preocupação. Isso se dá pelo fato de que no município de Faro, no Pará, na região norte, pelo menos seis pessoas morreram asfixiadas, devido a crise de abastecimento de oxigênio desde domingo (18).

Por conta disso, a Rede requereu ao ministro Ricardo Lewandowski que o governo federal especifique o estoque de cilindros de oxigênio em todo o país, com foco na região norte.

Além disso, pede que a União “apresente, em no máximo 24h, um planejamento para disponibilização de oxigênio aos Estados da Região Norte e faça o provisionamento imediato de oxigênio nos Estados da Região Norte em que houver insuficiência ou mera perspectiva de ausência nos próximos 30 dias”.

Leia mais:  Pacheco lança candidatura e defende "pacificação" com apoio do PT e Bolsonaro

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Embaixador chinês se reúne com Maia e nega “obstáculo político” para importações

Publicado


source
Rodrigo Maia%2C presidente da Câmara
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quarta-feira (20) que foi informado pelo embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, que o atraso na importação de insumos para a produção de vacinas não foi causado por “obstáculos políticos”, mas por problemas de ordem técnica. 

De acordo com Maia, Wanming disse que trabalharia para acelerar o processo de liberação de substâncias essenciais para a produção dos imunizantes no Brasil. Tanto a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan , quanto a vacina de Oxford/Astrazenica , que será produzida pela Fiocruz , necessitam de matéria-prima daquele país.

“[O embaixador] disse claramente que não havia obstáculo político, e sim problema técnico”, disse Maia ao comentar os assuntos tratados na reunião com o diplomata chinês, em entrevista à GloboNews .

Segundo Maia, o diplomata elogiou a parceria da Sinovac Biotech com o Instituto Butantan, além de ressaltar a histórica boa relação do Brasil com a China.

Você viu?

“Ele [embaixador] abriu a conversa já relatando que, de forma nenhuma, haveria obstáculos políticos para a exportação dos insumos da China”, relatou Maia. “Ele disse que trabalha junto ao governo chinês para que possa acelerar a exportação, no caso a nossa importação desses insumos, para que possamos restabelecer a nossa produção. Então, a reunião foi muito positiva”, completou.

O presidente da Câmara disse que não entrou em detalhes sobre a data em que poderia haver a liberação dos insumos. Porém, afirmou que a “impressão” é que o governo chinês vai acelerar a exportação.

Desde que assumiu o mandato, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus filhos promovem publicamente ataques à China. Perguntado se isso seria um empecilho para a exportação de insumos, Maia respondeu que “isso ficou claro: a China não vai retaliar o Instituto Butantan ou a Fiocruz”.

Apesar da crise sanitária, o presidente da Câmara disse que o governo federal, segundo as informações que obteve, não entrou em contato com a Embaixada da China para resolver a situação.

“Na conversa hoje, não (conversei sobre o assunto com o embaixador), mas as informações que eu tenho da embaixada é que de fato não houve nenhum tipo de diálogo entre o governo federal e a embaixada chinesa. Essa informação, infelizmente, faz sentido. Infelizmente, a questão ideológica tem prevalecido em relação à importância de salvar vidas no Brasil”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana