conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Para apoiar Baleia Rossi, PT exige que pedidos de impeachment sejam analisados

Publicado


source
Presidente Nacional do PT%2C Gleisi Hoffmann
Luis Macedo/Câmara dos Deputados – 16.4.19

Presidente Nacional do PT, Gleisi Hoffmann

Gleisi Hoffmann , deputada federal e presidente nacional do PT , declarou nesta terça-feira (29) à CNN que o apoio à Baleia Rossi (MDB) à presidência na Câmara dos deputados está condicionado a ele analisar pedidos de impeachment protocolados contra o presidente Jair Bolsonaro.

“Queremos pelo menos que isso não seja descartado. Que todas as medidas que a Constituição oferece em relação a contração de abusos e crimes praticados pelo governo sejam considerados: CPIs, convocações e inclusive o impeachment”, declarou Gleisi.

Desde que tomou posse em 2019, Bolsonaro foi alvo de mais de 50 pedidos de impeachment contra eles. 56 ao todo, e para ser protocolado, precisaria ser pautado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), que não levou para frente nenhum deles.

Ainda em dezembro, questionado se estava sendo ‘omisso’ em relação a isso, Maia se defendeu e declarou que a prioridade da Câmara deve ser o combate a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

“Entendo parte da sociedade que está ficando com muita aflição e raiva do governo pela péssima condução da pandemia, e principalmente agora pelo caso da vacina, mas o processo de impeachment é político e precisa ser tomado com muito cuidado para não tirar o foco da pandemia. Não há condições para se avaliar esse tema, o que não quer dizer que eu avaliaria nem positivamente nem negativamente. Não considero omissão da minha parte”, declarou Maia em entrevista ao Valor Econômico.

O Partido dos Trabalhadores ainda avalia sua posição nas eleições na Câmara e se reunirá com Baleia para definir se irá apoiá-lo. Caso não haja acordo, a tendência é que o partido lance candidatura própria ou fazer alianças com outros partidos de oposição.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Candidato de Alcolumbre ao Senado diz não ver crime que justifique impeachment

Publicado


source
Senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
Marcos Oliveira/Agência Senado

Senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) é o candidato de Davi Alcolumbre (DEM-AP) para a presidência do Senado

O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), candidato de Davi Alcolumbre (DEM-AP) à presidência do Senado, afirmou que não vê a prática de crimes de responsabilidade por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que justifiquem a abertura de um processo de impeachment .

“Não consigo depreender desses fatos [gestão do governo durante a pandemia] um crime de responsabilidade que suscite a necessidade do pedido de impeachment”, afirmou Pacheco em entrevista ao portal UOL .

Para o parlamentar, princípios constitucionais, aos quais ele diz ter “apego”, “não podem ser banalizados”. “O que digo em relação ao impeachment é que não temos um ambiente adequado para esse tipo de encaminhamento no momento”, completou Pacheco.

Para justificar seu entendimento, Pacheco disse que o Brasil assistiu a dois impeachments em sua história recente e os classificou como um “triste episódio da história nacional”. “Temos que evitar que eles se repitam. Ter um ambiente de pacificação é o que eu vou buscar como presidente do Senado”, afirmou.

Em campanha para chegar ao comando do Senado, Pacheco tem apoio do presidente e ainda do PT e do PDT, que fazem oposição ao governo federal. A principal tônica da chapa do parlamentar tem sido a da “pacificação” .

Você viu?

O senador ainda defendeu foco “na saúde pública, desenvolvimento social para as pessoas que precisam do estado e fundamentalmente crescimento econômico para sair da crise”.

Questionado se ele acha que Bolsonaro cometeu erros durante a pandemia, Pacheco disse que o presidente Jair Bolsonaro “talvez reconheça erros que possa ter praticado”.

Leia mais:  PSL abandona bloco de Baleia Rossi e confirma apoio a Arthur Lira na Câmara

“No final das contas, talvez o presidente reconheça eventuais erros que tenha praticado. Eu também serei capaz de reconhecer erros que o Parlamento possa ter praticado. O objetivo agora é encontrar um caminho comum de uso de máscara, isolamento social e tratamento apropriado para a doença.”

Segundo o senador, as atenções devem estar voltadas para a vacinação, e não aos erros “do passado”. “Que todos tenhamos em conjunto uma esperança grande e energia redobrada em torno da imunização do povo brasileiro. O foco agora é na vacinação e os erros do passado ficarão na história para serem corrigidos no futuro quando outras situações similares puderem acontecer”, disse.

Pacheco também falou sobre a possível abertura de um processo no Conselho de Ética da Casa contra o senador e filho do presidente da República, Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), e defendeu que o colega de Casa deve ser tratado como um dos 81 senadores.

“Ele é um senador da República, não pode ser tratado no ambiente do Senado nem para bem, nem para mal, como filho do presidente. Como senador, ele precisa ter o mesmo tratamento que os demais 80”, afirmou.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Covid-19: São Paulo estuda endurecer medidas do plano de flexibilização

Publicado


source
Governo João Doria deverá aumentar restrições no estado
Reprodução: ACidade ON

Governo João Doria deverá aumentar restrições no estado

governo de São Paulo anunciará na sexta-feira (22) uma nova reclassificação do Plano São Paulo, e devido ao aumento de casos do novo coronavírus (Sars-Cov-2), as medidas de isolamento social devem ser endurecidas.

Esta será a terceira atualização de fases em apenas 15 dias. Isso se dá pelo fato do agravamento da pandemia no estado paulista, que vive uma segunda onda da doença. Na última terça (19), São Paulo alcançou a marca de 50 mil mortes em decorrência do vírus.

Atualmente, 2 terços da população está na fase amarela, e apenas uma região, a de Marília, está na vermelha.

Fruto das festas de fim de ano,  São Paulo apresenta os piores índices de Covid-19 desde março de 2020, quando foram registrados os primeiros casos.

Na última segunda-feira (18), o secretário da saúde, Jean Gorinchteyn declarou que na semana passada, São Paulo registrou o pico de média diária de novos casos da Covid-19.

Você viu?

Nos últimos 45 dias, foram 11.300 diagnósticos positivos. Em comparação com a última semana de 2020, as internações aumentaram 28%, e as mortes, 59%.

 Vacinação

No domingo (17), a enfermeira Mônica Calazans se tornou a primeira brasileira a ser imunizada contra a Covid-19 no país, em evento feito pelo governo de São Paulo no mesmo dia em que a Anvisa aprovou o uso emergencial da CoronaVac .

Leia mais:  Chanceler nega problema com a China; insumo em falta seria pela alta procura

Desde então, o estado é o que vacinou o maior número de pessoas, 33 mil.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana