conecte-se conosco


MATO GROSSO

SES e instituto de referência nacional firmam parceria em projeto de enfrentamento à hanseníase

Publicado


A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) e o instituto Alliance Against Leprosy (Aliança Contra a Hanseníase) assinam, na próxima segunda-feira (16), um Termo de Cooperação Técnica em prol do projeto “Mato Grosso em Redes: Cuidado Integral em Hanseníase”. A assinatura do documento será às 11h, na sede da SES, em Cuiabá.

A parceria visa estruturar a rede de cuidados integrais para a hanseníase no Estado a partir da implementação de estratégias inovadores e permanentes. Por meio da parceria, uma unidade móvel de sapataria percorrerá diversas cidades de Mato Grosso. Também haverá oferta de teleconsultorias e tele interconsultas médicas desenvolvidas por médicos especialistas em hansenologia,  garantindo suporte especializado aos pacientes  e capacitações multiprofissionais para os profissionais da Atenção Primária à Saúde via Programa Telessaúde MT. 

“A atual gestão da Saúde entende que a questão da hanseníase é prioritária em Mato Grosso. Com essa parceria, o nosso objetivo é preparar e capacitar os profissionais, facilitar o acesso ao diagnóstico da doença e promover tratamento integral dos pacientes acometidos. Precisamos enfatizar que a hanseníase tem cura e é tratada pelo SUS”, explicou o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Para a assinatura do termo, estará em Cuiabá a médica especialista e presidente do Alliance Against Leprosy, Laila de Laguiche. Após a assinatura do documento, ela segue para uma visita ao Centro Estadual de Referência em Média e Alta Complexidade (Cermac) e Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa (Cridac), onde ocorrerão diversas apresentações de contextualização da hanseníase em Mato Grosso e explanação do projeto.

Na terça-feira (17), Laila viaja juntamente com uma equipe da SES para Alta Floresta, onde irá visitar o Ambulatório de Atenção Especializada Regionalizado em Hanseníase (AAER) da cidade e se reunirá com os profissionais do Escritório Regional de Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde com o objetivo de discutir a hanseníase na região, tendo como foco as incapacidades físicas.

Leia mais:  Escola Salim Felício terá novo prédio com estrutura ampla e modernizada

“A hanseníase é uma doença extremamente complexa, que envolve atendimento crônico, cirurgias reparadoras, sistemas de órteses e próteses, exames laboratoriais e tudo isso precisa ser regido por um sistema eficaz. A importância da parceria está em aprimorar a rede de atendimento como um todo no estado do Mato Grosso, tanto a nível municipal, regional e estadual”, pontua Laila de Laguiche.

O projeto

O projeto prevê ainda a implantação do fluxo de cuidados e o fluxo de regulação nas 16 regiões de saúde, o desenvolvimento de um software de gestão do cuidado para acompanhamento do itinerário e rastreabilidade das pessoas acometidas pela hanseníase e a criação de mais ambulatórios – atualmente existem seis.

“Precisamos formalizar um canal de teleconsultas para pacientes que não têm acesso à  especialidade dos hansenologistas. É muito importante que isso não seja conduzido na informalidade”, avaliou a presidente do instituto parceiro.

Em Mato Grosso, o projeto é coordenado pela Coordenadoria de Atenção às Doenças Crônicas e também conta com o apoio das superintendências de Atenção à Saúde, Gestão Regional Vigilância em Saúde, Atenção Especializada, Regulação, Núcleo Técnico Científico de Telessaúde-MT, Escola de Saúde Pública e as unidades assistenciais Cermac, Cridac, AAER e Escritórios Regionais de Saúde.

“O Estado tem o Cermac, Cridac e seis referências em hanseníase espalhadas nas regiões para fazer o acompanhamento oportuno daqueles casos que extrapolam o perfil de assistência de atenção primária e que necessitam de cuidados especializados, mas ainda assim é preciso continuar aprimorando os serviços prestados, tendo em vista o cenário hiperendêmico”, destaca a coordenadora de Atenção às Doenças Crônicas da SES-MT, Ana Carolina Landgraf.

A parceria

A parceria entre a SES e o Alliance Against Leprosy será vigente até o dia 16 de novembro de 2023, podendo ser prorrogado por meio de Termo Aditivo. Conforme o documento, fica sob a responsabilidade do Instituto manter o custeio mensal das teleconsultorias realizadas por médicos hansenólogos; ofertar apoio técnico e científico especializado na área de Hansenologia; custear consultorias técnicas com especialistas nas áreas de interesse do projeto quando identificadas as fragilidades para a sua execução; proceder à doação de insumos e equipamentos permanentes necessários para a reestruturação dos pontos de atenção voltados à abordagem integral em hanseníase.

Leia mais:  Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso realiza cerimônia de promoção nesta quarta-feira (2)

Já a SES terá que prover a articulação entre as instâncias de gestão do SUS nas regiões de saúde do estado; criar condições necessárias de infraestrutura e gestão; promover articulação junto ao Telessaúde MT e à regulação; prover recursos humanos e financeiros para as gestões do Cermac e do  Cridac, além de viabilizar a execução do plano de cuidados nas regiões de saúde pela Oficina Ortopédica fixa e Itinerante.

O Instituto

A Alliance Against Leprosy – em português “Aliança Contra a Hanseníase” – é uma associação civil sem fins lucrativos, com atuação em pesquisa, educação e filantropia na área de hanseníase e sede em Curitiba (PR).

Serviço

A assinatura do Termo de Cooperação Técnica em prol do projeto “Mato Grosso em Redes: Cuidado Integral em Hanseníase” ocorrerá nesta segunda-feira (16), às 11h, na sede da SES, em Cuiabá.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Aumento na oferta leva a queda nos preços de hortifrúti

Publicado


Os preços das principais hortaliças comercializadas no atacado em Cuiabá e Várzea Grande apresentaram queda brusca nesse início de dezembro, em relação à semana anterior. É o que aponta o levantamento realizado pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), divulgado nesta terça-feira (01.12). De acordo com o comparativo de hoje com a da semana anterior, a redução nos preços das principais frutas, verduras e legumes comercializados na Central de Abastecimento de Cuiabá foi percebida em 22 dos 66 itens pesquisados.

Entre os produtos que tiveram os preços reduzidos vertiginosamente estão o tomate, a berinjela, o jiló, o chuchu e a pimenta-de-cheiro. Nesse último item o índice de queda chegou a 83% em apenas sete dias. De R$ 120, a caixa com 8kg do tempero de refogados está sendo vendida a R$ 20.

Já a berinjela que hoje custa R$ 15 a caixa com 12kg, na semana passada era vendida a R$ 35. Queda de 57% no valor de comercialização do fruto. De R$ 100 a caixa com 15kg do jiló caiu para R$ 50, representando uma redução de 50% no valor, e o chuchu teve redução de 42% no preço, passando de R$ 60 para R$ 35 a caixa com 21kg.

De acordo com técnica da Seaf, Doraci Maria Siqueira, a oferta elevada desses produtos no atacado é a causa para a redução nos preços. “A pimenta-de-cheiro por exemplo está em grande quantidade no comércio e por ser um produto com prazo de consumo curto, os comerciantes tratam de abaixar o preço significativamente para não correr o risco de perder o produto por descarte”, comenta a técnica da Seaf.

O único item que subiu de preço foi a mandioca, que de R$ 120 subiu para R$ 150. Nos últimos meses a raiz, tradicionalmente cultivada na agricultura familiar, está em escassez em Mato Grosso. A seca prolongada, a incidência de pragas e a pandemia provocaram a queda na produção da mandioca no Estado e, consequentemente, causaram a elevação do preço da raiz. Com a falta para abastecer o mercado interno, o comércio está tendo de importar mandioca de outros estados. “A grande maioria da mandioca que hoje é consumida em Mato Grosso tem vindo do Paraná, Mato Grosso do Sul e Goiás”, acrescenta Doraci Maria de Siqueira.

Leia mais:  Escola Militar do Corpo de Bombeiros abre inscrições para processo seletivo

Cotação

A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, toda terça-feira, a partir 5h, por técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e Prefeitura de Cuiabá. A pesquisa de preço é realizada na Central de Abastecimento de Cuiabá, levando em conta o preço mínimo, mais comum e o preço máximo dos produtos encontrados nas barracas em três horários distintos durante o período matutino.

Além disso, o índice de preço médio dos 66 principais produtos da agricultura familiar em 21 estados brasileiros podem ser conferidos no site http://www.prohort.conab.gov.br/

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Mato Grosso registra redução de 37% nos crimes de roubo seguido de morte

Publicado


Mato Grosso registrou reduções nos principais índices criminais no período de janeiro a outubro deste ano. O levantamento é da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), por meio da Superintendência do Observatório de Segurança, vinculada à Adjunta de Inteligência. As maiores reduções foram nos crimes de roubo seguido de morte (-37%); roubo, quando há violência ou ameaça (-31%); e furto (-30%).

O levantamento leva em conta os registros de Boletim de Ocorrências (BO) registrados nos 141 municípios do estado e é medido em relação aos primeiros 10 meses de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Neste ano, foram registrados 24 casos de roubo seguido de morte (latrocínio). Já em 2019 foram 38 ocorrências. Também em 2020, houve 8.273 queixas de roubos, contra 11.932 em 2019. Os furtos em 2020 foram 26.092, enquanto no mesmo período de 2019 ocorreram 37.504.

“Estes resultados refletem o bom trabalho dos policiais, investimento, e são reflexos também da organização da sociedade, das operações que nós fizemos e ainda têm resquícios da operação dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE). Recentemente, tivemos a inauguração de um raio na unidade, onde nós colocamos as principais lideranças das organizações criminosas e a ideia é continuar nessa mesma linha, construindo novos raios para poder realmente separar os presos condenados dos presos provisórios, presos de alta periculosidade dos de baixa periculosidade”, avalia o secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante.

Já no caso de homicídio doloso, a queda foi de 0,9%. Este ano morreram 685 pessoas em Mato Grosso, contra 691 no mesmo período de 2019. “Estas ações também provocaram a diminuição do homicídio doloso, mas nossa meta é reduzir ainda mais. Agora, quando se percebe os outros delitos, o roubo seguido de morte, o roubo, as reduções alcançam mais de 30%, e isso é muito bom, muito significativo. É atividade de inteligência ajudando na parte operacional. Nós melhoramos a qualidade das viaturas e isso já deu um impacto muito bom”, destaca Bustamante.

Leia mais:  Vacinação contra febre aftosa em Mato Grosso segue até dia 10 de dezembro

Ainda segundo o gestor, a meta é que no próximo ano as ações sejam ampliadas, porque o Governo de Mato Grosso vai investir ainda mais na segurança pública. “A gente espera que no ano de 2021 os números continuem em redução”.

Mais reduções

O total de veículos roubados e furtados no estado também reduziu. Foram 1.581 roubos em 2019 e 1.129 ocorrências em 2020, o que equivale a uma redução de 29%. Já os furtos de veículos saíram de 1.963 registros para 1.555, ou seja, -21%.

Quanto ao tráfico e uso de drogas, a redução foi de 14%, passando de 5.564 ocorrências no ano passado para 4.793 em 2020.

Compõem as forças de segurança a Polícia Militar (PM), Polícia Judiciária Civil (PJC), Corpo de Bombeiros Militar (CBM), Perícia Técnica e Identificação Oficial (Politec), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Sistema Penitenciário e Sistema Socioeducativo.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana