conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

De 2016 a 2020: ascensão e queda dos partidos nas prefeituras do Brasil; confira

Publicado


source
Primeiro turno ocorreu no dia 15 de novembro.
José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

Primeiro turno ocorreu no dia 15 de novembro.

No último domingo (15), brasileiros foram às urnas para eleger os prefeitos que irão comandar os mais de 5.000 municípios do país pelos próximos quatro anos. Com 78,86% de comparecimento e 100% das seções totalizadas e do eleitorado apurado, conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é possível fazer um balanço de quais partidos avançaram e quais recuaram nos cargos executivos municipais.

Os dados utilizados foram compilados pelo G1 , fornecidos pelo TSE e consideram o primeiro turno das eleições. 

Altas e baixas

De 2016 a 2020, o partido que mais perdeu prefeituras foi o Partido da Social Democracia Brasileira ( PSDB ), que sofreu com um tombo de 273 municípios. Apesar disso, com 512 candidatos eleitos, a sigla ainda é a quarta com mais prefeitos.

Outra bandeira que também entrou em declínio foi o Movimento Democrático Brasileiro ( MDB ), que perdeu 261 municípios. A queda, porém, não fez com que o MDB deixasse de ocupar o posto de sigla com mais prefeitos: 774.

A legenda que mais cresceu, por sua vez, foi o Democratas ( DEM ), que conquistou 193 prefeitos a mais do que em 2016. Com um total de 459, os democratas ocupam o 5º lugar no ranking de partidos com mais prefeituras.

O Partido Progressista ( PP ) foi o segundo que mais cresceu. A sigla saltou de 495 municípios em 2016 para 682 em 2020, sendo a segunda legenda que mais acumula prefeituras no país.

Leia mais:  A 3 dias das eleições, aliados de Covas distribuem cestas básicas na periferia

Veja abaixo o comparativo entre 2016 e 2020 do número de prefeituras que cada partido obteve:

  • DEM: subiu de 266 para 459 (+193)
  • PP: subiu de 495 para 682 (+187)
  • PSD: subiu de 537 para 650 (+113)
  • Republicanos: subiu de 103 para 208 (+105)
  • Avante: subiu de 12 para 80 (+68)
  • Podemos: subiu de 29 para 96 (+67)
  • PSL: subiu de 30 para 90 (+60)
  • PL: subiu de 294 para 345 (+51)
  • Patriota: subiu de 13 para 48 (+35)
  • Solidariedade: subiu de 60 para 93 (+33)
  • PSC: subiu de 87 para 116 (+29)
  • Cidadania: subiu de 117 para 139 (+22)
  • PSOL: subiu de 2 para 4 (+2)
  • Rede: subiu de 4 para 5 (+1)
  • PMB: caiu de 3 para 1 (-2)
  • PRTB: caiu de 9 para 6 (-3)
  • DC: caiu de 8 para 1 (-7)
  • PROS: caiu de 50 para 40 (-10)
  • PMN: caiu de 28 para 13 (-15)
  • PTC: caiu de 16 para 1 (-15)
  • PDT: caiu de 331 para 311 (-20)
  • PCdoB: caiu de 80 para 46 (-34)
  • PTB: caiu de 254 para 212 (-42)
  • PV: caiu de 98 para 47 (-51)
  • PT: caiu de 254 para 179 (-75)
  • PSB: caiu de 403 para 250 (-153)
  • MDB: caiu de 1.035 para 774 (-261)
  • PSDB: caiu de 785 para 512 (-273)

Segundo turno

Ainda há 57 disputas para prefeituras no 2º turno , que ocorrerão no dia 29 de novembro.

O MDB , partido com maior número de prefeituras, também é a sigla mais presente nas capitais que terão 2º turno: os emedebistas estão em 7 das 18 disputas.

A sigla que mais estará presente no geral é o Partido dos Trabalhadores ( PT ), que estará em 15 dos 57 municípios com segundo turno.

Leia mais:  "Chaga infame", diz Fachin sobre injúria racial ser imprescritível

Veja abaixo os partidos presentes no segundo turno:

  • PT: 15 municípios
  • PSDB: 14 municípios
  • MDB: 12 municípios
  • PSD: 10 municípios
  • PODE: 9 municípios
  • DEM e PSB: 8 municípios
  • PP e Republicanos: 5 municípios
  • PDT: 4 municípios
  • PSC: 3 municípios
  • Avante, Cidadania, Patriotas, PL, PROS, PSL, PSOL, PTB e Solidariedade: 2 municípios
  • Novo, PCdoB, Rede: 1 município

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Marília Arraes tem 52% dos votos válidos e João Campos 48%, aponta Datafolha

Publicado


source
Marília Arraes e João Campos
Yacy Ribeiro/JC Imagem/Redes Sociais

Marília Arraes (PT) e João Campos (PSB)

candidata à Prefeitura do Recife Marília Arraes (PT) apareceu liderando a disputa com 52% dos votos válidos, enquanto João Campos (PSB) aparece com 48%. Os dados do Datafolha foram divulgados nesta quinta-feira (26) e mostra um empate técnico entre os dois.

Os votos válidos são dados que excluem votos brancos, nulos e indecisos. Na amostra anterior ela estava com 55%.

Em relação às intenções de votos, Marília Arraes surge com 43%, oscilando positivamente dois pontos percentuais, em comparação ao último resultado de pesquisa, que era de 41%.

João Campos aparece com 40%, seis pontos percentuais a mais do que a amostra anterior, que era de 34%.

O Datafolha entrevistou 1.036 eleitores nos dias 24 e 25 de novembro e foi realizada em parceria com a Folha de São Paulo e a TV Globo. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, com 95% de confiança.

Comentários Facebook
Leia mais:  Presidente do Cidadania diz que Luciano Huck é o "candidato dos sonhos"; entenda
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Presidente do Cidadania diz que Luciano Huck é o “candidato dos sonhos”; entenda

Publicado


source
Huck
Reprodução

Luciano Huck chegou a participar do Fórum Econômico Mundial, em Davos, neste ano

O presidente do partido Cidadania, Roberto Freire, está investindo na disputa presencial de 2022 com o nome do apresentador Luciano Huck . Na visão de Freire, Huck seria o “candidato dos sonhos” por ter “conteúdo” e ser um “progressista”. As declarações foram feitas à revista Crusoé.

“Eu o conheço, não estou falando do nome de uma celebridade. Ele tem conteúdo, tem formação. E informação. É alguém que tem liderança, não é qualquer um que faz programa de televisão com ligação direta com a população mais vulnerável deste país”.

O presidente do Cidadania defendeu que Huck também conseguiria mostrar conhecimento sobre desigualdade social e meio ambiente, com foco na construção “do futuro de uma pátria verde”.

“Só beócios é que ficam imaginando que riqueza se constrói destruindo a floresta, a Amazônia, quando a riqueza está na floresta em pé, na biodiversidade, na biotecnologia. Esse é o mundo do futuro. O pasto e o plantio de soja precisam de cada vez menos terra pelo avanço da produtividade, do conhecimento. Se alguém pensar que falo isso dele é porque ele é apresentador de televisão, não entendeu nada”.

Na visão de Freire, Huck “está atravessando a rua”, expressão utilizada por ele para definir que o apresentador estaria disposto a abrir mão da carreira na televisão para ingressar na política.

O apresentador Luciano Huck tem até março de 2021 para decidir se será candidato em 2022. O prazo foi estipulado pela Rede Globo.

Leia mais:  "Chaga infame", diz Fachin sobre injúria racial ser imprescritível

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana