conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Belém: Edmilson Rodrigues (PSOL) e Eguchi (Patriota) disputarão segundo turno

Publicado


source
Belém terá disputa de 2º turno entre Rodrigues (PSOL) e Eguchi (Patriota)
Reprodução

Belém terá disputa de 2º turno entre Rodrigues (PSOL) e Eguchi (Patriota)

Está definido o segundo turno em Belém (PA). Edmilson Rodrigues (PSOL)  aparece na frente na disputa com 34,24% dos votos válidos, e Delegado Federal Eguchi (Patriota), em segundo, com 23,06% dos votos válidos.

José Priante (DEM) ficou em terceiro, com 17,03%, e Thiago Araújo (Cidadania) em quarto, com 8,08%. Cassio Andrade (PSB) ficou com 6,89% da preferência do eleitorado, Vavá Martins (Republicanos) com 6,79% e Gustavo Sefer, com 3,16%. Os demais candidatos registram menos de 1% dos votos cada.

O novo prefeito governará uma cidade marcada pela violência, Belém é a 5ª capital brasileira com a maior taxa de mortes violentas intencionais. Na capital paraense, a taxa de mortes violentas intencionais foi de 38,3 por 100 mil habitantes em 2019, segundo dados da mais recente edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Comentários Facebook
Leia mais:  "PT abriu mão da negociação e não vai governar nenhuma capital", diz João Campos
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Com mais vereadores do que Doria, Covas terá de brigar por maioria na Câmara

Publicado


source
Bruno Covas no debate da Band do 2º turno
Patrícia Cruz/Divulgação

Bruno Covas (PSDB) foi eleito para mais quatro anos de mandato

O eleito para o comando da Prefeitura de São Paulo Bruno Covas (PSDB), vai ter mais vereadores na Câmara Municipal  dos partidos que fazem parte de sua coligação do que teve seu antecessor e padrinho político João Doria (PSDB). O aumento de aliados no Legislativo subiu de 23 para 25, em um total de 55 parlamentares. Vale lembrar que Doria deixou o cargo de prefeito para disputar as eleições para governador em 2018.

Apesar do aumento, Covas ainda vai precisar negociar com uma oposição – que ganhou força nessas eleições – para que as pautas de seu governo avancem a partir de janeiro de 2021.

Além do próprio PSDB, que elegeu oito vereadores, fazem parte da base de apoio do prefeito eleito o MDB, partido de seu vice Ricardo Nunes e que teve três vereadores eleitos, DEM (6), Podemos (3), PL (2), PP (1), PSC (1), PV (1), Cidadania (nenhum), PTC (nenhum) e Pros (nenhum).

O PSOL, por exemplo, que tradicionalmente faz oposição a governos tucanos, elegeu seis vereadores este ano. Em 2016, os vereadores eleitos pela sigla foram dois. Junto com o PT, que levou oito de seus candidatos à Câmara, um a menos que em 2016, a oposição forma um grupo de 14 parlamentares.

Mais partidos, menos vereadores

Para este ano, Covas montou uma coligação com 11 partidos. Há quatro anos, o ex-prefeito João Doria tinha 13 legendas aliadas. Mesmo com um número de siglas maior, o número de vereadores eleitos em 2016 foi menor.

Leia mais:  "The Guardian" cita colunista e proprietário do DIA sobre derrota de Crivella

Os partidos que se aliaram ao atual governador foram DEM, que elegeu quatro vereadores, PSB (3), PV (2), PTN (1), PP (1), PHS (1), PMB, PPS, PSL, PT do B, PRP e PTC — todos sem nenhum vereador eleito.

Em compensação, PT e PSOL juntos também tinham menos representantes, com nove e dois parlamentares, respectivamente, somando 11 vereadores.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

PGR é acionada para investigar Moro por contratação em consultaria da Lava Jato

Publicado


source
Moro
O Antagonista

Sergio Moro é contratado por empresa americana de compliance


O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro , teve um pedido de investigação por corrupção registrado na Procuradoria Geral da República (PGR) a pedido do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP). O parlamentar argumenta que Moro estaria se sendo retribuido pela consultora norte-americana Alvarez & Marsal , que é a responsável por administrar a recuperação do Odebrecht.


Segundo Teixeira, Moro está se beneficiando por ter autorizado os acordos de leniência e delação premiada que favoreceram a Alvarez & Marshal, quando ainda era juiz federal em Curitiba. O parlamentar pede que a Procuradoria Geral da República investigue “valores e condições” para que Moro fosse trabalhar na empresa, bem como da contratação da Alvarez & Marshal pela Odebrechet.

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) que investigue a possibilidade de crime de corrupção na contratação do ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro pela empresa norte-americana de consultoria Alvarez & Marsal.

“Diante desse cenário, é urgente que se apure as relações, as condições e os valores envolvidos nos contratos celebrados entre o Grupo Odebrecht, a consultoria norte-americana Alvarez & Marsal e, agora, o sr. Sergio Fernando Moro. As decisões proferidas pelo então juiz Sérgio Moro provocaram significativos impactos políticos, sociais e econômicos ao país. Sua atuação foi decisiva para que fossem celebrados acordos e concedidos benefícios ao Grupo Odebrecht , seus sócios e executivos. O mínimo que se espera é que os desdobramentos dessa operação sejam trazidos às claras e que haja transparência na conduta dos envolvidos”, escreve no documento.

Leia mais:  Flordelis faz magia negra e só é evangélica "porque dá dinheiro", diz testemunha

Moro e a Alvarez & Marshal disseram à imprena que não vão se manifestar sobre o caso.


Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana