conecte-se conosco


POLÍTICA MT

ALMT protagoniza a transmissão da apuração dos votos das Eleições 2020

Publicado


Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

Mais de quatro horas no ar, ao vivo, para levar aos cidadãos as informações mais importantes das Eleições 2020. As equipes da TV Assembleia, Rádio Assembleia, redes sociais e do site da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) realizaram um relevante trabalho para dar mais transparência à apuração dos votos. Por meio de uma parceria com o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), a TVAL foi a única emissora a transmitir tudo ao vivo, diretamente da sede da Justiça Eleitoral.

O trabalho de comunicação da ALMT foi destacado pelo desembargador presidente do TRE-MT Gilberto Giraldelli, que ressaltou a importância da transmissão para o processo eleitoral. “A TV Assembleia colaborou conosco de maneira muito competente para que pudéssemos fazer essa divulgação. Gostaríamos de agradecer a parceria”, afirmou o desembargador.

A apuração dos votos começou pontualmente às 17 horas, porém, devido à uma mudança na metodologia de contabilização dos votos, houve atraso na divulgação dos resultados, não somente em Mato Grosso, mas todo o país. O diretor-geral do TRE-MT, Mauro Diogo, explicou que antes os votos eram contabilizados nos estados e depois enviados ao Tribunal Superior Eleitora (TSE), mas que este ano essa contagem foi concentrada no TSE para só depois ser encaminhada aos tribunais regionais. 

Mesmo com o atraso, entretanto, a apuração dos votos no Brasil ainda se mantem em destaque devido à agilidade, visto que duas horas após o encerramento da votação já era possível conhecer os primeiros resultados. Na sede do TRE-MT foram contabilizados os dados relacionados à eleição suplementar para o senado e para os cargos de prefeito e vereadores da capital. Pelo sistema do TSE, porém, era possível acompanhar toda a evolução conforme o sistema era atualizado e os números eram repassados ao vivo pelos apresentadores e jornalistas da TVAL, Anderson Sartori e Priscilla Almeida.

Leia mais:  Com emenda de Fávero, obras e pintura da Escola Dom Bosco entram em fase de conclusão

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

A secretária de Comunicação a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Rosimeire Felfili destacou a importância da parceria firmada entre as instituições para garantir transparência ao processo. “É uma grande satisfação poder contribuir com a transparência e com o trabalho da Justiça Eleitoral”. Jaime Neto, superintendente da TVAL, explicou que toda equipe se empenhou para colocar no ar a programação ao vivo, com os números da apuração para todo o Estado, mostrando toda lisura do processo eleitoral.

Números – Este ano Mato Grosso registrou 2,3 milhões eleitores aptos a votar, sendo 50,7% mulheres e 49,3% homens, distribuídos nos 141 municípios e 48 aldeias do Estado. Ao todo, foram 6.633 mil seções eleitorais em 1.454 locais de votação e 26,6 mil mesários trabalhando para viabilizar a votação, dos quais 10 mil foram inscritos voluntariamente.  As Eleições 2020 custaram à Justiça Eleitoral R$ 14,2 milhões.

Resultados – Os nomes vencedores para os cargos de prefeito e vereadores e para uma vaga ao senado começaram a ser conhecidos a partir das 21 horas. Em Cuiabá, os candidatos Abílio Júnior (PODEMOS) e Emanuel Pinheiro (MDB) ficaram na ponta, com 33,7% e 30,6%, respectivamente, e vão disputar o comando do Palácio Alencastro no segundo turno, marcado para dia 29 de novembro. Em Várzea Grande, segundo maior colégio eleitoral do estado, o candidato Kalil Baracat foi eleito com 46,12%% dos votos válidos.

Para o senado, Carlos Fávaro (PSD) venceu a disputa entre os onze candidatos e vai representar Mato Grosso por pouco mais de sete anos. Esta vaga no Senado Federal surgiu depois que Selma Arruda teve o mandato cassado por abuso de poder econômico e caixa dois.

Fonte: ALMT

Leia mais:  Servidores do CDP de Juína reivindicam redução de carga horária

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA MT

Deputados aprovam prestações de contas do TCE e RGA dos servidores do Judiciário

Publicado


Em sessão ordinária legislativa, os deputados estaduais de Mato Grosso aprovaram, em votação única, os ofícios 326/2019 e 425/2020, relativo às contas dos exercícios de 2018 e 2019, respectivamente, do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT). Os deputados aprovaram, em redação final, a PEC 13/2020, que acrescenta dispositivos à Constituição Estadual de Mato Grosso para disciplinar a segurança viária.

O Projeto de Emenda Constitucional busca incluir o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) dentro do capítulo da Constituição Estadual que trata das forças de segurança e ao mesmo tempo, objetiva disciplinar a segurança viária em Mato Grosso.

“A partir dessa regulamentação, o Poder Executivo concederá a entidade executiva de trânsito, o aparato legal necessário para execução da segurança viária no âmbito estadual, visando a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do seu patrimônio nas vias públicas”, mostra a justificativa da PEC.

O governo destaca ainda que a presente alteração não acarretará qualquer impacto financeiro, uma vez que se propõe somente a suprir lacuna existente na normativa estadual no que tange ao reconhecimento do Detran como força de segurança pública e ao estabelecimento de sua competência para execução da segurança viária.

Os deputados aprovaram, em primeira votação, o Projeto de Lei 971/2020, do Tribunal de Justiça do Estado, que dispõe sobre a Revisão Geral Anual (RGA) das tabelas de subsídio dos servidores do Poder Judiciário. Também em primeira votação, os deputados aprovaram o Projeto de Lei Complementar 49/2020, de autoria do deputado Wilson Santos, que altera dispositivos da Lei Complementar 461, de 28 de dezembro de 2011, para dispor sobre o reconhecimento do relevante interesse social e econômico da Empresa de Pesquisa e Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Mato Grosso (Empaer-MT).

Leia mais:  Deputado Claudinei concede comenda ao delegado-geral da PJC

O deputado cita, em justificativa, que o serviço de extensão rural foi constituído oficialmente no dia 15 de setembro de 1964, com a criação da Associação de Crédito e Assistência Rural de Mato Grosso (Acarmat), marco histórico para a agricultura e pecuária. Durante todo esse período, a Empaer esteve presente incentivando o desenvolvimento rural e inserindo novas tecnologias para os produtores, com o objetivo de gerar e garantir o desenvolvimento econômico das famílias rurais.

Conforme o deputado, em 1992 foi instituída a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), em decorrência da fusão da Emater, da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Empa) e da Companhia de Desenvolvimento Agrícola (Codeagri), das quais é sucessora.

“Hoje a Empaer é uma empresa pública do Estado de Mato Grosso, com personalidade jurídica instituída pela Lei Complementar nº 461 de 28 de Dezembro 2011 e vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf). A Empaer trabalha ao lado dos agricultores familiares, incentivando boas práticas rurais e difundindo novas tecnologias para gerar e garantir o desenvolvimento econômico, social e ambiental da família rural”, ressalta o deputado em sua justificativa.

Conforme o parlamentar, “os avanços e as transformações de realidades de produtores e municípios, nos 55 anos de história, são indicadores de que a Empresa cumpre sua missão: contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida da sociedade mato-grossense”.

 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA MT

Faissal critica o aumento da conta de energia elétrica

Publicado


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O deputado estadual Faissal Calil (PV), criticou na terça-feira (01), no plenário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de cobrar a bandeira vermelha de patamar 2, que resultará em um aumento de R$ 6,24 (seis reais e vinte e quatro centavos) a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Para o parlamentar, faltou sensibilidade a agência e a Energisa, concessionária que distribui energia elétrica no estado.

De acordo com Faissal, existem diversas formas de operacionalizar o sistema sem onerar ainda mais o consumidor, principalmente em tempos de economia em crise, por conta da pandemia da Covid-19. Para o deputado, a concessionária de enregia poderia, juntamente com a agência, fomentar a implantação de empresas geradoras de energia mais baratas, utilizando energia solar, por exemplo.

“Não é prudente, em um período como o que estamos vivendo, um aumento dessa magnitude em um item de nossa economia tão fundamental, como a energia elétrica. A população, que precisa se preocupar com a manutenção de seus empregos, com a queda no faturamento de seus negócios e com a possibilidade desta crise permanecer até meados do ano que vem, agora precisa se preocupar ainda com um reajuste na conta de luz”, apontou.

Para o deputado, Mato Grosso permite que empresas produzam e forneçam energia elétrica de forma limpa e renovável, como a solar e a eólica. Segundo o parlamentar, a Energisa deve incentivar empresas e criar parcerias que impactem positivamente no preço final da energia para o consumidor.

“O aumento na energia elétrica impacta em toda a economia. Buscando fontes mais baratas, a Energisa atuaria positivamente em toda a cadeia produtiva de Mato Grosso. Nosso estado, por exemplo, é conhecido por conta de seu calor. Temos sol o ano inteiro. Porque não incentivar, por exemplo, a construção de pequenas usinas de energia solar? Acredito que isso seria positivo para investidores, para a própria concessionária, que compraria energia mais barata e, finalmente, para o consumidor, que pagaria um preço menor na conta de luz.”, concluiu Faissal.

Leia mais:  Proposta de Ulysses Moraes para construção de parque de geração de energia solar está em andamento na Segurança Pública de MT
Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana