conecte-se conosco


MATO GROSSO

Etapa de novembro da vacinação contra febre aftosa começa domingo (1º)

Publicado


A etapa de novembro de vacinação contra a febre aftosa inicia neste domingo (1º.11) em Mato Grosso. Bovinos e bubalinos de até 24 meses devem ser imunizados e a vacinação deve ser comunicada ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea MT).

Nesta etapa, 14 milhões de animais devem ser vacinados em todo o Estado. Na maioria das regiões, a vacinação ocorre de 1º a 30 de novembro e a comunicação ao Indea MT até 10 de dezembro. Na região do Pantanal, a vacinação e a comunicação seguem até 15 de dezembro.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, determinou que houvesse uma vacinação diferenciada na região do Pantanal. “Devido aos incêndios florestais ocorridos no Pantanal neste ano, o setor pecuário passa por um momento muito delicado. O Indea MT irá avaliar a necessidade de prorrogação ou outro tipo de ação”, explica.

Marcos Catão, presidente do Indea MT, conta que equipes técnicas estiveram na região conversando com pecuaristas e verificando as condições de vacinação. “Normalmente, a vacinação no Pantanal é diferenciada. O que fizemos para o atual cenário é já deixar informado o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que poderá existir alguma modificação no decorrer da imunização”, afirma.

O diretor técnico do Instituto, Renan Tomazele, informa que quinzenalmente as equipes técnicas irão avaliar a comunicação da vacinação no Pantanal para verificar se está abaixo da média dos últimos anos e proceder alguma alteração.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Seduc e UFMT se unem para capacitar professores e melhorar qualidade do ensino na rede estadual
publicidade

MATO GROSSO

Parque Mãe Bonifácia é reaberto com blitz educativa e fiscalização reforçada

Publicado


O Parque Estadual Mãe Bonifácia foi reaberto nesse sábado (28.11) após ficar por quase 30 dias fechado devido a morte de 16 macacos. Hoje pela manhã a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) realizou uma blitz educativa orientando os usuários sobre a proibição de alimentar os animais no local.  A Sema trabalha em parceria com o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA) que reforça a fiscalização na Unidade de Conservação.  

O Mãe Bonifácia estará aberto entre às 06h e 17h com os protocolos de segurança mantidos, com regras para distanciamento social e uso de máscara. Ele permaneceu fechado para varreduras sanitárias e isolamento dos saguis desde o dia 30 de outubro. A orientação da Sema é que se evite entrar com qualquer tipo de alimento e que o usuário não deixe resíduos nas Unidades de Conservação.  

As campanhas educacionais realizadas pela Superintendência de Educação Ambiental da Sema reforçam que os animais silvestres dos parques estaduais não devem ser alimentados por conta própria. A alimentação inadequada é prejudicial aos bichos e traz riscos à população, gera desequilíbrio na cadeia alimentar e é proibido por lei. Os servidores espalharam cartazes informativos em pontos estratégicos do Mãe Bonifácia. 

Os saguis encontram no parque todos os alimentos que precisam, como insetos, brotos de flor, frutas silvestres e seiva, este último uma alternativa importante no período da seca. Os animais que vivem ali são monitoradores por servidores que trabalham no local e só devem ser alimentados em necessidade extrema e comprovada, sempre por profissionais especializados.

Herpes Simplex causou as mortes

Uma infecção por Herpes Simplex foi a causa da morte dos saguis no Parque Mãe Bonifácia, comprovada por exames da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Universidade de Brasília (UNB). O vírus é passado do homem para o macaco por meio de alimentos contaminados ou pelo contato direto. O humano pode transmitir a doença mesmo sem estar com manifestação clínica aparente.

Leia mais:  Corpo de Bombeiros recebe cão para auxiliar nas ocorrências de busca, resgate e salvamento

Apesar da Herpes Simplex quase sempre causar sintomas brandos em humanos, é fatal para os macacos desenvolvendo um quadro severo inflamatório que pode afetar diversos órgãos, podendo causar lesão de pele e nas mucosas e atingir pulmão, coração, fígado e sistema nervoso central. A principal manifestação é neurológica.

Depois que um macaco do grupo é contaminado a tendência é que ele espalhe entre os agregados e a doença, por ser altamente fatal, pode fazer com que todos os membros de um bando morram. Com a possibilidade, inclusive, de contaminar outros grupos de primatas.

Proibido Alimentar Animais Nos Parques Estaduais

Os parques urbanos estaduais são Unidades de Conservação e possuem Plano de Manejo com regras específicas, como o não fornecimento de alimentos a animais de vida livre. Tal medida é necessária para não causar um desiquilibro na cadeia alimentar. Os macacos passam o dia em busca de comida e só param de andar em horários de sol mais quente e a noite, quando se recolhem, e com a alimentação inadequada podem deixar de procurar alimentos em seu habitat natural.

A legislação prevê multa de R$ 500 a R$ 10 mil reais para atividades ou condutas em desacordo com os objetivos da unidade de conservação, o seu plano de manejo e regulamentos específicos. A Polícia Militar Ambiental informou que irá endurecer a fiscalização, orientando os usuários e autuando as pessoas flagradas alimentando os animais. A população também pode denunciar as infrações.  

A infração pode ser agravada caso ocorra a morte de um animal de vida livre por alimentação inadequada na Unidade de Conservação. Neste caso, se o responsável for identificado, ele poderá ser detido e ter uma multa adicional de até R$5 mil reais por animal morto, de acordo com BPMPA.

Leia mais:  Escola Militar Tiradentes de Rondonópolis tem autorização aprovada por unanimidade no CEE

Dar comida com objetivo de fazer com que estes animais se aproximem para tirar uma foto ou acariciar, ou mesmo pelo julgamento equivocado de que estão com fome, faz com que eles se acostumem e que esse vire um hábito inadequado, causando o risco, inclusive, de um ataque a um transeunte para se ter alimento, já que o animal associa a presença do ser humano a fonte de alimento fácil.

As gerencias dos parques estaduais estão abertas e quaisquer dúvidas sobre regras do parque e hábitos alimentares animais podem ser esclarecidas com os servidores que atuam no local.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Corpo de Bombeiros recebe cão para auxiliar nas ocorrências de busca, resgate e salvamento

Publicado


O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso contará com um reforço animal na equipe. A nova parceira de apenas três meses é uma cadela da raça pastor belga malinois que foi entregue nesta sexta-feira (27.11) na sede do Comando Geral em Cuiabá. 

A cadela foi doada por uma produtora rural, Denise Vendruscolo, que mora no município de Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá. 

O animal foi recebido pelo comandante-geral adjunto da corporação Coronel, Ricardo Antônio B. Costa, que assinou o documento de recebimento da cadela. Segundo as declarações do militar, o animal receberá todo cuidado necessário e dentro dos rigores da lei.

“A partir do momento que esses animais são doados e fazem parte da corporação já são considerados um Bombeiro Militar. Eles têm a proteção do Estado e toda uma legislação. Portanto, qualquer coisa que acontecer ou for caracterizada como hostil com a nossa nova bombeira é considerada uma própria agressão ao Bombeiro Militar”, disse o adjunto. 

Durante a entrega, a doadora do animal expressou sua satisfação em entregar a cadela para os Bombeiros. “Eu fico muito feliz por ter alguém que vai se responsabilizar por ela. Minha maior preocupação era encontrar alguém, mas alguém que pudesse cuidar bem da cadela”, explicou Denise Vendruscolo.

O filhote ficará sob responsabilidade de um condutor (Bombeiro) que deverá zelar pelo seu bem estar animal por toda a vida. Além  disso o militar vai desenvolver todo treinamento da cadela para atuar no auxílio das ocorrências de busca, resgate e salvamento quando necessário.

A estimativa é que dentro de um ano esse filhote passe por sua primeira avaliação operacional. O binômio deverá ser aprovado em no mínimo quatro provas de certificação que segue diferentes níveis de dificuldade para só então ser considerado apto para o serviço operacional.

Leia mais:  Governo apresenta plano de obras na Transpantaneira a empresários da região do Pantanal

Votação para escolha do nome

A corporação ainda não escolheu o nome para o animal e conta com a sua ajuda para essa escolha. Por isso, abriu uma votação virtual pela página das redes sociais do Corpo de Bombeiros Militar de MT. 

Para participar, o internauta deve entrar na página do instagram (clique aqui), acessar os storys destaques e votar em uma das opções: Pandora ou Jade.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana