conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro ganha com reeleição de Maia e Alcolumbre; entenda os motivos

Publicado


source
Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre
Pedro França/Agência Senado

Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre querem colocar em votação emenda que permite reeleição nas presidências do Senado e da Câmara

Próximos de terminarem seus mandatos como presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente,  Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) articulam para que  continuarem no comando das duas casas legislativas por mais um período de dois anos. Nos últimos meses, ambos assumiram posições contrárias ao Palácio do Planalto e, embora já tenham se indisposto algumas vezes com o Executivo, a permanência dos dois pode ajudar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo o professor Rubens Beçak, que dá aulas na Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) e é especializado em direito constitucional, o Legislativo ter destaque e poder tão grandes não é notícia boa para o governo federal. Nesse momento, porém, ele avalia que isso poderia ser benéfico para Bolsonaro.

“Uma recondução pode melhorar a relação entre o Congresso e o Planalto. Caso isso não ocorra, ela só vai arrefecer”, afirma Beçak ao lembrar que uma manifestação favorável da Advocacia-Geral da União (AGU) para a reeleição sinaliza essa intenção do Executivo de acalmar os ânimos entre os poderes. “Isso tem o objetivo de evitar que as coisas piorem”, completa o professor.

Atualmente, a Constituição não permite a reeleição de um mesmo presidente dentro do mesmo mandato. Mas até a escolha dos novos presidentes, que está com votação marcada para 1º de fevereiro, essa regra ainda pode mudar. Isso porque está em tramitação uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), proposta pela senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), que permite a reeleição dos presidentes e dos integrantes das mesas diretoras.

Leia mais:  Chico Rodrigues deveria se licenciar por 120 dias, diz Conselho de Ética

“Eles estão querendo criar um paralelo com a possibilidade de reeleição em outros poderes”, diz o professor de Gestão de Políticas Públicas da USP Pablo Ortellado. Na visão dele, o sinal de melhora veio na reunião que Bolsonaro teve com o ministro Dias Toffoli , ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF)  no início deste mês. O encontro teve a presença de Alcolumbre e do desembargador Kassio Nunes , recém-indicado para assumir a vaga de Celso de Mello na Corte.

Maia candidato em 2022?

Apesar desse alinhamento recente, Ortellado chama atenção para a possibilidade de Maia estar com uma agenda própria. Ele cita como exemplo a Reforma da Previdência, que foi uma pauta que o presidente da Câmara abraçou e costurou sozinho todo o apoio para que a proposta fosse aprovada no Congresso.

“O Maia tem uma agenda própria, mas ele não tem condições de ser um candidato a presidente. Ele tem pouco carisma e está mais para alguém que vai ser candidato a vice”, afirma o especialista.

A opinião é compartilhada parcialmente pelo cientista político e pesquisador da FGV-SP, Humberto Dantas, que aponta como característica principal de Maia as pontes que ele constrói com políticos de diferentes ideologias. No entanto, avalia que existem outros nomes dentro do DEM que têm mais potencial para se lançarem candidatos.

“Ele é mais um figura de intermediação, que dialoga inclusive com o Centrão . É com esse tipo de político que o Bolsonaro precisa se preocupar, com aquele que é independente, que não é contra nem a favor. Esses pactos com o Maia precisam ser sempre repactuados a todo instante”, diz Dantas.

Maia X Guedes

Esse cuidado necessário ficou evidente, de acordo com o cientista político, após os recentes desentendimentos e troca de farpas de Maia com o ministro da Economia, Paulo Guedes .

Leia mais:  Vacina Covid-19: ministro da Saúde deve cancelar reunião marcada com João Dória

O confronto entre os dois começou depois que Maia usou as redes sociais para acusar Guedes de interditar o debate sobre a reforma tributária no Congresso. Na ocasião, o governo havia desistido de enviar a segunda fase da proposta um dia antes. O texto incluiria um imposto de transações digitais semelhante à CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira).

Em resposta, o ministro da Economia acusou o deputado de fazer um acordo com a esquerda para evitar que as privatizações fossem pautadas no Congresso. Maia replicou dizendo que Guedes era um “desequilibrado”.

“O Guedes é a inabilidade em pessoa. Ele até pode ter bastante conhecimento em economia, mas não tem paciência para fazer política e não sabe dimensionar o tamanho do poder que o Rodrigo Maia tem”, afirma o pesquisador da FGV-SP.

Depois dessa troca de farpas, Maia e Guedes fizeram as pazes e assumiram que poderiam ter evitado as discussões . Maia chegou a dizer que foi “grosseiro” e que se a briga continuasse o Brasil acabaria sendo colocado em segundo lugar.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Amiga de Flávio Bolsonaro no TRF-1 foi pivô de indicação de Kassio para o STF

Publicado


source
Desembargadora Maria do Carmo Cardoso
Reprodução/JusTocantins

Desembargadora Maria do Carmo Cardoso, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1)

Nos bastidores da indicação do juiz federal Kassio Nunes  para a vaga de  Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF), a desembargadora Maria do Carmo Cardoso , Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), é tida como a madrinha para que o nome dele fosse o escolhido. Conhecida como “tia Carminha” pela família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a magistrada é amiga do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo , Maria do Carmo é apontada por participantes do processo como a principal entusiasta da ideia de aproveitar Kassio para uma cadeira no Supremo. Ela ainda seria contra à escolha de seu colega de tribunal para uma futura vaga no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Essa era a ideia inicial para Kassio.

O indicado para o STF, que também atuava no TRF-1, foi apresentado a Flávio há menos de três meses. Na aproximação, Kassio estava em campanha para o STJ. Após a primeira conversa, ele ainda teve ao menos mais dois encontros com o filho do presidente.

À época, o senador tentava garantir a indicação do juiz William Douglas, do Rio de Janeiro, para o STF. Um dos que contribuiu para a mudança de ideia foi o senador Ciro Nogueira (PP-PI), conterrâneo de Kassio e fiador da indicação do juiz para o STJ.

Foi neste momento, segundo assessores do presidente, que Maria do Carmo, considerada uma espécie de conselheira jurídica da família Bolsonaro, entrou na história.

Leia mais:  Russomanno e Covas ficam em empate técnico em São Paulo, diz pesquisa

Após ser cogitada para o Supremo, a juíza, segundo relatos à Folha, sugeriu o nome de Kassio para a vaga de Celso de Mello.

Comentários Facebook
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Russomanno e Covas ficam em empate técnico em São Paulo, diz pesquisa

Publicado


source
Urna eleitoral
José Cruz/Agência Brasil

Candidatos em São Paulo estão disputando voto útil uns dos outros nas eleições para chegar ao segundo turno

O candidatos à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno (Republicanos) e Bruno Covas (PSDB) estão empatados tecnicamente na corrida para chegar ao comando do Executivo municipal da capital paulista. Enquanto o aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem 25% das intenções de voto, o tucano e atual prefeito da cidade tem 24%, mostra levantamento do Instituto RealTime Big Data encomendado pela CNN Brasil. A margem de erro é de três pontos percentuais.

De acordo com o levantamento, em terceiro lugar aparece Guilherme Boulos (PSOL), com 12%. Ele é seguido por Márcio França (PSB), com 8%, Jilmar Tatto (PT), com 4%, Andrea Matarazzo (PSD), com 3%, Joice Hasselmann (PSL), 2%, Arthur do Val (Patriota), com 1%, Marina Helou (Rede), com 1%, e Orlando Silva (PCdoB), com 1%. 

Os candidatos Antônio Carlos (PCO), Levy Fidelix (PRTB), Filipe Sabará (Novo) e Vera Lúcia (PSTU) não pontuaram na pesquisa. A pesquisa identificou ainda 10% de intenções de voto nulo ou branco e 9% que não souberam responder.

Foram entrevistadas 1.050 pessoas, por telefone, entre os dias 14 e 17 de outubro. A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. Isto significa dizer que, considerando a margem de erro, resultado representa a realidade em 95% dos casos.

Leia mais:  Candidaturas coletivas: entenda o fenômeno político que não para de crescer

Rejeição

Os dois candidatos líderes são os que têm maior índice de rejeição. Russomanno não teria os votos de 32% dos entrevistados, enquanto Covas receberia os votos de 21% deles. Confira o resultado:

  • Celso Russomanno (Republicanos) – 32%
  • Bruno Covas (PSDB) – 21%
  • Guilherme Boulos (PSOL) – 20%
  • Jilmar Tatto (PT) – 18%
  • Joice Hasselmann (PSL) – 16%
  • Filipe Sabará (Novo) – 15%
  • Marina Helou (Rede) – 14%
  • Arthur do Val (Patriota) – 14%
  • Orlando Silva (PC do B) – 13%
  • Márcio França (PSB) – 13%
  • Levy Fidelix (PRTB) – 13%
  • Andrea Matarazzo (PSD) – 13%
  • Vera (PSTU) – 10%
  • Antônio Carlos (PCO) – 9%

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana