conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Maia quer construir projeto de união para as eleições de 2022

Publicado


source
Rodrigo Maia%2C presidente da Câmara
Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia, presidente da Câmara

O presidente da Câmara , Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem seis meses restantes na cadeira de líder de Casa e, mesmo que houvesse a possibilidade de disputar o cargo novamente, diz que não vai se candidatar. Apesar de abrir mão desse protagonismo, pretende continuar atuando na política e quer contruibuir para o que ele chama de “projeto de união” para as eleições de 2022.

“Tenho condições e vou querer ajudar a construir um projeto para 2022. Sem desrespeitar o projeto dos outros, mas temos que construir um ambiente que saia dos extremos e procure defender o que é o certo e o melhor para a sociedade brasileira”, afirmou Maia em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo .

Questionado sobre a chance de um novo cenário de polarização se repetir nas próximas eleições presidenciais, o presidente da Câmara disse que isso pode acontecer novamente caso não haja um projeto que una agendas da esquerda e da direita.

“Se não surgir um candidato que tenha uma agenda reformista na economia e menos radical na questão dos valores, pode se repetir. A sociedade é conservadora, mas o radicalismo de um lado ou de outro vem gerando essa polarização.”

Nos últimos meses, a relação entre os três poderes teve sua tensão elevada sobretudo após manifestações em Brasília que pediam intervenção militar, a implantação de um novo AI-5 e o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF). Algumas dessas contaram, inclusive, com a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Leia mais:  Russomano lidera corrida pela prefeitura em SP, com 24%; Covas é 2º, diz Ibope

Na avaliação do parlamentar, essa situação já melhorou, mas ele defendeu que se estabeleça um “muro” que divida a atuação das Forças Armadas no governo.

“É importante separar o Estado e o governo. As Forças Armadas estão no Estado. Os gestores públicos, os ministros, o presidente estão no governo. É importante que fique claro que há um muro. Não é algo contra os militares que estão no governo Bolsonaro, mas esse debate vai acontecer, no mínimo, para o próximo governo, para que fique clara essa separação”, disse.

Sobre a gestão do Ministério da Saúde no enfrentamento à pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), Maia disse que a indicação do general Eduardo Pazuello para o comando da pasta não foi a melhor escolha. No entanto, ele deixou de atribuir a culpa pelas 100 mil mortes pela doença somente ao militar.

“É claro que há falta de articulação com os governadores e conflitos por causa de posicionamentos equivocados. Isso pode ter prejudicado, certamente, mas transferir 100% dessa responsabilidade para o ministro está errado. O problema é ter um vírus que vai tirar vidas de brasileiros e que vai derrubar a economia.”

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Andrea Matarazzo é o candidato entrevistado pelo iG nesta segunda

Publicado


source
Andrea Matarazzo de camisa branca com casas desfocadas ao fundo
Divulgação

Andrea Matarazzo, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSD

O empresário Andrea Matarazzo (PSD) é o entrevistado desta segunda-feira (21), às 11h, na série de lives do portal iG com os candidatos à Prefeitura de São Paulo nas eleições municipais de 2020.

Matarazzo foi ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência de Fernando Henrique Cardoso entre 1999 e 2001. Em 2005 se tornou subprefeito da Sé na gestão de José Serra na capital paulista. Ele assumiu também, em 2006, a Secretaria Municipal de Serviços, como subprefeito da Sé e secretário de Coordenação das Subprefeituras na gestão de Gilberto Kassab.

Em 2010, assumiu a Secretaria de Estado da Cultura, cargo que ocupou até 2 de abril de 2012. Se último cargo foi de vereador em São Paulo, entre os anos de 2013 e 2016.

Ao entrevista ao ar no  canal do YouTube ou na  página do Facebook do portal. Todas as entrevistas serão transmitidas nas duas plataformas a partir de hoje, sempre às 11h.

Durante a entrevista, os internautas poderão interagir e mandar perguntas. Essa é a hora para esclarecer todas as dúvidas e votar de forma consciente. Somente com informação de qualidade e democracia caminhando lado a lado que se toma a melhor decisão nas urnas.

Comentários Facebook
Leia mais:  PF investiga financiamento do governo a sites com conteúdo antidemocrático
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

Russomano lidera corrida pela prefeitura em SP, com 24%; Covas é 2º, diz Ibope

Publicado


source
russomano e bolsonaro
Marcos Corrêa/PR

Celso Russomano, líder da pesquisa do Ibope, tem boa relação com o presidente Jair Bolsonaro

O deputado federal Celso Russomano (Republicanos), que busca pela terceira eleição seguida a prefeitura de São Paulo, aparece como líder da primeira pesquisa do Ibope desde a confirmação dos candidatos à eleição municipal na capital mais populosa do país. Russomano tem 24% das intenções de votos e é seguido pelo atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), que tem 18% em sua busca pela reeleição. A pesquisa foi divulgada neste domingo (20) pelo jornal O Estado de S. Paulo .

A terceira colocação tem um empate técnico entre Guilherme Boulos (PSOL), com 8%, e Márcio França (PSB), com 6%. Após o bloco dos quatro primeiros, surgem candidatos menos citados pelos entrevistados do Ibope , como Joice Hasselmann (PSL) e Artur do Val (Patriota), o “Mamãe Falei”, ambos com 2%. O Partido dos Trabalhadores (PT), historicamente forte, vê seu candidato, Jilmar Tatto, amargar apenas 1% das intenções de voto.

Andrea Matarazzo (PSD), pré-candidato em 2016 pelo PSDB, que perdeu internamente e deixou o partido após desentendimento com João Doria, atual governador e eleito prefeito no primeiro turno naquele ano, tem 1%, assim como Marina Helou (Rede) e Filipe Sabará (Novo), que concorrem à prefeitura de São Paulo pela primeira vez. Os já conhecidos Levy Fidelix (PRTB) e Vera Lucia (PSTU) também aparecem com 1%.

Feita pelo Ibope a pedido da Associação Comercial de São Paulo, a pesquisa traz ainda a rejeição dos candidatos à prefeitura. O atual prefeito, Bruno Covas , lidera, com 30% dos que responderam dizendo que não votariam nele de jeito nenhum. O líder da pesquisa de intenção de voto, Celso Russomano, é o segundo, com 24% de rejeição. Boulos é o terceiro, com 13%, novamente seguido por França, com 10%.

Leia mais:  Russomano lidera corrida pela prefeitura em SP, com 24%; Covas é 2º, diz Ibope

Desinteresse da população

Segundo o Estadão , a eleição municipal em meio à pandemia, adiada para novembro, ainda gera pouco interesse dos paulistanos. Em pesquisa com recorte específico, em que o entrevistado cita sua opção de voto antes de ver as opções em um papel, 56% se declaram indecisos e 22% afirmam que votarão nulo ou em branco. Em 2016, 45% se diziam indecisos. Na pesquisa estimulada, após ter acesso aos candidatos, os indecisos ainda são 10% neste ano, o dobro da última eleição em São Paulo.

Alfredo Cotait Neto, presidente da Associação Comercial de São Paulo, quem contratou a pesquisa, alerta: “é um número [de brancos e nulos] maior até que o dos dois primeiros colocados na pesquisa. É importante que os munícipes de São Paulo prestem mais atenção nas propostas dos candidatos, muitos deles desconhecidos do grande público, para que os eleitores possam exercer sua cidadania com consciência”, afirmou ao Estadão .

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana