conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Witzel compara Bolsonaro a Hugo Chávez e Fujimori

Publicado

source
Witzel arrow-options
Luciano Belford / Agência O Dia

Comparação foi feita durante café da manhã com jornalistas nesta terça-feira.

Em um café da manhã com jornalistas, nesta terça-feira, o governador do Rio, Wilson Witzel , comparou o presidente Jair Bolsonaro a Hugo Chávez e Alberto Fujimori, que presidiram a Venezuela e o Peru, respectivamente. Chamado por bolsonaristas de ‘traidor’, Witzel rebateu as críticas do presidente de que tenta “destruí-lo” para se eleger em 2022.

Leia também: Governo de São Paulo é condenado por despir menina de 7 anos em presídio 

“Ele (Bolsonaro) usa vocabulário típico de Chávez, Fujimori e Erdogan (presidente da Turquia). Típico de quem não respeita diversidade de opiniões. Está no livro ‘Como morrem as democracias”, afirmou em referência a políticos apontados como ditadores.

Indagado se está decepcionado com a atuação de Bolsonaro na Presidência, Witzel respondeu:

“Só eu? É só olhar os índices de reprovação. Evidente que o Bolsonaro não se preparou. Você não consegue conversar com ele sobre economia. É uma pauta muito mais ideológica do que concreta”.

Witzel, que pleiteia mudanças no Regime de Recuperação Fiscal, disse não acreditar que a conflituosa relação com Bolsonaro prejudicará as negociações.

“Bolsonaro não tem me recebido, mas o posto Ipiranga dele, o Paulo Guedes (ministro da Economia), tem. A animosidade pessoal (de Bolsonaro) não se reflete em seu staff, uma vez que tenho sido recebido pelo Paulo Guedes, pelo Mansueto (Mansueto Almeida, secretário do Tesouro do Ministério da Economia) e conversado com o ministro Tarcísio (Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura). Bolsonaro precisa tomar suas decisões sob o ponto de vista legal, do contrário pode haver consequências como improbidade administrativa e crime de responsabilidade”, disse.

Leia mais:  Pacheco defende Heinze após pedido de indiciamento na CPI: 'Excesso'

Leia também: Joice critica Eduardo por uso de dinheiro público e ataca: “Garoto surfistinha” 

Segundo Witzel, seu partido, o PSC, terá candidatura própria ao governo do Rio.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Relatório final da CPI da Pandemia é aprovado

Publicado


source
Registro de uma sessão da CPI da Pandemia
Jefferson Rudy/ Agência Senado

Registro de uma sessão da CPI da Pandemia


Sete dos 11 membros titulares da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia votaram a favor do relatório apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) . Com isso, os pedidos de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de autoridades como o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e o atual chefe da pasta, médico Marcelo Queiroga, serão encaminhados à Procuradoria-Geral da República (PGR) e outras instâncias de investigação competentes.

O texto final foi concluído tendo como alvo 80 nomes , entre políticos, servidores, funcionários e empresas, por crimes cometidos no âmbito da pandemia. Esse documento é a conclusão de seis meses de investigações e depoimentos colhidos que trouxeram à tona as irregularidades no contrato da vacina indiana Covaxin , os atrasos do governo federal em aceitar  as ofertas da Pfizer e, mais recentemente, os procedimentos na operadora de saúde Prevent Senior .


Veja como votou cada senador:

SIM

Eduardo Braga (MDB-AM)

Renan Calheiros (MDB-AL)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Leia Também

Otto Alencar (PSD-BA)

Humberto Costa (PT-PE)

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Omar Aziz (PSD-AM)

NÃO

Carlos Heinze (PP-RS)

Eduardo Girão (Podemos-CE)

Marcos Rogério (DEM-RO)

Jorginho Mello (PL-SC)

Comentários Facebook
Leia mais:  TSE defende maior investigação sobre ataques de Bolsonaro a sistema eleitoral
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

CPI: Aras vai pedir “análise” do relatório antes de decidir eventuais denúncias

Publicado


source
Procurador-geral da República, Augusto Aras
Pedro França/Agência Senado

Procurador-geral da República, Augusto Aras

Assim que receber o relatório final da CPI da Covid , o procurador-geral da República Augusto Aras já definiu que vai encaminhar o material para “análise prévia” de um órgão da Procuradoria-Geral da República (PGR) que fiscalizou as políticas públicas da pandemia, o Gabinete Integrado Covid-19 (Giac). Apenas depois dessa primeira análise é que Aras definirá se vai instaurar investigações ou apresentar denúncias contra as autoridades com foro privilegiado indiciadas no relatório , dentre elas o presidente Jair Bolsonaro.

Senadores da cúpula da CPI, como o relator Renan Calheiros (MDB-AL) e o presidente Omar Aziz (PSD-AM), querem entregar o relatório para Aras na quarta-feira às 11h30, caso o documento seja aprovado ainda nesta terça.

Internamente, ainda há dúvidas sobre como será conduzida essa análise pelo Giac, que é formado por procuradores e servidores do Ministério Público Federal, com participação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A coordenadora do grupo, a subprocuradora-geral da República Célia Delgado, deixou o posto para assumir a função de corregedora-geral do Ministério Público Federal. Com isso, o Giac ficou interinamente sob o comando da subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, que é bolsonarista e recentemente produziu uma manifestação na qual colocava em dúvidas a eficácia do uso de máscaras como medida de prevenção contra a Covid-19.

Fontes da PGR, entretanto, dizem que a análise do relatório não ficará sob atribuição de Lindôra porque ela estaria com grande carga de trabalho devido às suas funções na PGR, que incluem a coordenação das investigações decorrentes da Operação Lava-Jato perante o STF e a condução de inquéritos contra bolsonaristas.

Leia Também

A ideia de Aras é que, como o Giac acompanhou todos os assuntos relacionados à Covid-19, o órgão saberá avaliar quais fatos descritos no relatório final da CPI já são alvo de investigação e quais mereceriam novas frentes de apuração na PGR. Não há prazo para que essa análise prévia ocorra. A definição sobre apresentação de denúncias, aberturas de inquérito ou arquivamentos ficará para a fase posterior, quando o material estiver nas mãos de Aras. 

Leia mais:  CPI volta atrás e desiste de pedir indiciamento de Carlos Heinze

Durante a pandemia, entretanto, o Giac foi alvo de críticas internas sob acusação de tomar poucas ações efetivas contra falhas do governo Bolsonaro na gestão da pandemia. Pelo contrário: uma das medidas tomadas pelo Giac foi pedir esclarecimentos aos governadores sobre a aplicação de recursos enviados pelo governo federal para o combate à pandemia, endossando o discurso do governo federal de que os problemas na gestão da Covid-19 eram de responsabilidade dos governadores.

A PGR tem atribuição para apresentar denúncia ou pedir abertura de inquérito dos fatos descritos no relatório que envolvem não apenas o presidente Jair Bolsonaro, mas também seus filhos Eduardo e Flávio Bolsonaro, ministros do governo e o líder do governo Ricardo Barros (PP-PR), porque todos possuem foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal (STF).

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana