conecte-se conosco


POLÍTICA NACIONAL

Vaza Jato: Cunha citou Temer, Maia e 120 políticos em tentativa de delação

Publicado

source
Eduardo Cunha arrow-options
Antonio Cruz/Agência Brasil

Eduardo Cunha foi presidente da Câmara durante processo de impeachment de Dilma e tentou fazer delação premiada

O ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), preso há 3 anos, fez uma tentativa fracassada de delação premiada na Lava Jato e atribuiu irregularidades a 120 políticos. As informações são de mais uma série de mensagens obtidas pelo The Intercept Brasil e publicadas nesta quinta-feira (26) pela Folha de S.Paulo

A proposta de delação de Cunha foi feita em julho de 2017 aos procuradores da Lava Jato e recusada por ser considerada “superficial demais” pelos investigadores. No relato, o ex-deputado afirmou ter arrecadado R$ 270 milhões em 5 anos para dividir com aliados, 70% via caixa dois. 

Leia também: Lula é indiciado por doações da Odebrecht a instituto que leva seu nome

Cunha disse que cresceu dentro do MDB e se tornou o responsável por “viabilizar ajuda financeira” para campanhas do partido durante o segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele afirma ainda que, durante as eleições de 2014, também ajudou no financiamento de deputados de outras siglas, o que contribuiu para que fosse eleito presidente da Câmara.

Moreira Franco , ex-ministro dos governos de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB), também aparece diversas vezes na proposta de delação. Cunha o acusa de receber propina em um financiamento quando tinha um cargo na Caixa. O ex-deputado afirma ainda que parte do dinheiro foi destinado ao atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM).

A defesa de Moreira Franco afirmou à Folha que a proposta não foi aceita, que “não merece resposta” e que Cunha sempre teve o ex-ministro como desafeto político. Maia também nega as afirmações e disse, por meio de sua assessoria, que o ex-deputado tenta “atacar sua honra com falsas informações desde que perdeu o mandato”. 

Leia mais:  Cartas mostram que PCC proibia roubos em favelas

Temer também foi citado em 14 anexos da negociação. Em um deles, Cunha afirma que arrecadação para financiar aliados ocorria “dentro do universo liderado por Michel Temer”. Em resposta, a defesa afirmou que o próprio Cunha disse, em entrevista em 2017, que a Procuradoria Geral da República (PGR) recusou a proposta porque ele não apresentou fatos contra ele.

Leia também: Indulto de Bolsonaro desrespeita o Congresso e é ‘média’ para sua base eleitoral

Na proposta, Cunha cita ainda o ex-governador do Rio Anthony Garotinho e afirma que ele teria recebido mesada de desvios de um fundo de pensão em uma estatal. Garotinho nega as acusações e afirma que “foi o maior opositor de Cunha” na época.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Relatório final da CPI da Pandemia é aprovado

Publicado


source
Registro de uma sessão da CPI da Pandemia
Jefferson Rudy/ Agência Senado

Registro de uma sessão da CPI da Pandemia


Sete dos 11 membros titulares da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia votaram a favor do relatório apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) . Com isso, os pedidos de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de autoridades como o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e o atual chefe da pasta, médico Marcelo Queiroga, serão encaminhados à Procuradoria-Geral da República (PGR) e outras instâncias de investigação competentes.

O texto final foi concluído tendo como alvo 80 nomes , entre políticos, servidores, funcionários e empresas, por crimes cometidos no âmbito da pandemia. Esse documento é a conclusão de seis meses de investigações e depoimentos colhidos que trouxeram à tona as irregularidades no contrato da vacina indiana Covaxin , os atrasos do governo federal em aceitar  as ofertas da Pfizer e, mais recentemente, os procedimentos na operadora de saúde Prevent Senior .


Veja como votou cada senador:

SIM

Eduardo Braga (MDB-AM)

Renan Calheiros (MDB-AL)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Leia Também

Otto Alencar (PSD-BA)

Humberto Costa (PT-PE)

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Omar Aziz (PSD-AM)

NÃO

Carlos Heinze (PP-RS)

Eduardo Girão (Podemos-CE)

Marcos Rogério (DEM-RO)

Jorginho Mello (PL-SC)

Comentários Facebook
Leia mais:  Relatório final da CPI da Pandemia é aprovado
Continue lendo

POLÍTICA NACIONAL

CPI: Aras vai pedir “análise” do relatório antes de decidir eventuais denúncias

Publicado


source
Procurador-geral da República, Augusto Aras
Pedro França/Agência Senado

Procurador-geral da República, Augusto Aras

Assim que receber o relatório final da CPI da Covid , o procurador-geral da República Augusto Aras já definiu que vai encaminhar o material para “análise prévia” de um órgão da Procuradoria-Geral da República (PGR) que fiscalizou as políticas públicas da pandemia, o Gabinete Integrado Covid-19 (Giac). Apenas depois dessa primeira análise é que Aras definirá se vai instaurar investigações ou apresentar denúncias contra as autoridades com foro privilegiado indiciadas no relatório , dentre elas o presidente Jair Bolsonaro.

Senadores da cúpula da CPI, como o relator Renan Calheiros (MDB-AL) e o presidente Omar Aziz (PSD-AM), querem entregar o relatório para Aras na quarta-feira às 11h30, caso o documento seja aprovado ainda nesta terça.

Internamente, ainda há dúvidas sobre como será conduzida essa análise pelo Giac, que é formado por procuradores e servidores do Ministério Público Federal, com participação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A coordenadora do grupo, a subprocuradora-geral da República Célia Delgado, deixou o posto para assumir a função de corregedora-geral do Ministério Público Federal. Com isso, o Giac ficou interinamente sob o comando da subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, que é bolsonarista e recentemente produziu uma manifestação na qual colocava em dúvidas a eficácia do uso de máscaras como medida de prevenção contra a Covid-19.

Fontes da PGR, entretanto, dizem que a análise do relatório não ficará sob atribuição de Lindôra porque ela estaria com grande carga de trabalho devido às suas funções na PGR, que incluem a coordenação das investigações decorrentes da Operação Lava-Jato perante o STF e a condução de inquéritos contra bolsonaristas.

Leia Também

A ideia de Aras é que, como o Giac acompanhou todos os assuntos relacionados à Covid-19, o órgão saberá avaliar quais fatos descritos no relatório final da CPI já são alvo de investigação e quais mereceriam novas frentes de apuração na PGR. Não há prazo para que essa análise prévia ocorra. A definição sobre apresentação de denúncias, aberturas de inquérito ou arquivamentos ficará para a fase posterior, quando o material estiver nas mãos de Aras. 

Leia mais:  Cartas mostram que PCC proibia roubos em favelas

Durante a pandemia, entretanto, o Giac foi alvo de críticas internas sob acusação de tomar poucas ações efetivas contra falhas do governo Bolsonaro na gestão da pandemia. Pelo contrário: uma das medidas tomadas pelo Giac foi pedir esclarecimentos aos governadores sobre a aplicação de recursos enviados pelo governo federal para o combate à pandemia, endossando o discurso do governo federal de que os problemas na gestão da Covid-19 eram de responsabilidade dos governadores.

A PGR tem atribuição para apresentar denúncia ou pedir abertura de inquérito dos fatos descritos no relatório que envolvem não apenas o presidente Jair Bolsonaro, mas também seus filhos Eduardo e Flávio Bolsonaro, ministros do governo e o líder do governo Ricardo Barros (PP-PR), porque todos possuem foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal (STF).

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana