conecte-se conosco


MATO GROSSO

Safra comercial de trigo em Mato Grosso pode começar em Primavera do Leste

Publicado

A cultura do trigo começa a ganhar destaque em Mato Grosso. A vinda da indústria Moinho Dona Hilda para Cuiabá faz com que produtores rurais se interessem em produzir o grão com a garantia de demanda e preço. Para tratar das questões técnicas, foi realizado o 1º Workshop para Implantação da Cultura do Trigo em Mato Grosso na sexta-feira (13.12), em Primavera do Leste.

“A região tem 40 mil hectares de área com pivô, local ideal para a cultura do trigo. Por isso, decidimos conversar com os produtores rurais locais e mostrar toda a potencialidade que há em fazer uma terceira safra no Estado”, explicou o superintendente de Política da Agricultura e Pecuária da Sedec, Eldo Leite Gatass Orro.

A primeira demanda do moinho necessitaria de produção de 50 mil hectares de trigo. Porém, a expectativa dos técnicos dos órgãos envolvidos é que em dois ou três anos haja somente na região a produção em 20 mil hectares.

“O município e a região poderão se destacar como pólo logístico para distribuição com a futura instalação de um armazém da indústria”, disse João Antônio Sentchuk, diretor do Moinho Dona Hilda.

A indústria na capital mato-grossense terá a capacidade final para moer 300 toneladas de trigo por dia, mas iniciará sua produção com 150 toneladas por dia. A fábrica será instalada em 2021 com produção de 50% no primeiro ano e capacidade total em 2022. Neste período de instalação, o trigo produzido em Mato Grosso será transformado na fábrica do Paraná.

Para o início do trabalho no estado, há à disposição quatro mil sacas de sementes para o produtor rural. Os interessados em apostar nesta cultura terão o compromisso de compra da indústria.

Leia mais:  Governo de MT já pactuou 86% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

Há atualmente seis variedades de trigos que se adaptaram ao solo e ao clima mato-grossenses e todas elas são de trigo melhorador, comparado ao argentino e utilizado na panificação. Além de opção para a renda do produtor rural, o pesquisador da Empresa Mato-grossense de Assistência Rural (Empaer), Hortêncio Paro, destaca que melhorará o solo no que se refere a controle de nematoides e pragas.

O pesquisador Gilberto Cunha, da Embrapa Trigo, explicou o zoneamento do trigo em Mato Grosso e as condições de produção do cereal. A empresa ainda revelou que há cursos já em andamento no Rio Grande do Sul, em parceria com cooperativas, para capacitar os produtores rurais.

Para o prefeito de Primavera do Leste, Leonardo Bortolin, o município tem condições de se tornar referência. “Podemos fazer desta cultura algo rentável para os produtores rurais e para toda a região trazendo desenvolvimento e gerando emprego e renda com a implantação do armazém aqui, que irá estocar e distribuir a produção”, afirmou.

O presidente do Sindicato Rural, José Nardes, relembrou que a cultura do trigo no município é desenvolvida pela família Borguette. “Neste ano, colheram 70 sacas por hectare, porém a expansão não foi possível por causa dos custos. Agora, eles serão reduzidos com a indústria em Cuiabá e também com desenvolvimento das áreas de pivô”.

“Incentivamos e discutimos as políticas produtivas e diversificação das culturas e, depois de todo o estudo, verificamos que não é só viável mas também eficiente para a rotação”, disse Afrânio Cesar Migliari, presidente da Associação dos Produtores de Feijão e Irrigantes de Mato Grosso (Aprofir).

O workshop foi uma realização da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), com apoio da Aprofir e do Moinho Dona Hilda e com a parceria da Empaer, Embrapa, Banco do Brasil, OCB MT, Câmara Municipal de Primavera do Leste e Prefeitura Municipal.

Leia mais:  Terça-feira (26): Mato Grosso registra 546.000 casos e 13.922 óbitos por Covid-19
Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Empaer testa capim kurumi como alternativa para produtores de leite

Publicado


Conhecido pelo valor nutritivo, o capim kurumi é a nova aposta da Empresa Mato-grossense de Pesquisa Assistência e Extensão Rural (Empaer) e vem sendo testado junto a produtores de leite da agricultura familiar de Juara, Terra Nova do Norte e Nova Bandeirantes. A equipe técnica segue na produção de mudas e avaliação do potencial nutritivo da cultivar, que pretende junto com o capiaçu ser uma das alternativas de baixo custo e auxiliar os produtores, principalmente durante o longo período de estiagem.

O técnico da Empaer em Terra Nova do Norte, Rodrigo Cezar Ribeiro, explica que quanto maior a produção de leite, maior a demanda energética e proteica. Independente das estações do ano, a alimentação dos animais devem ser uma constante e no caso do período de entressafra, quando a chuva diminui é quando o pasto e o cocho necessitam de uma redobrada atenção.

Ele destaca que as mudas de BRS Kurumi foram fornecidas o ano passado pela Embrapa Agrossilvipastoril de Sinop, multiplicadas e plantadas no sitio Nonoai do senhor João Luis da Rosa, na comunidade Quinta Agrovila.  Na propriedade, em uma área de 1 hectare, a cultivar foi desenvolvida conforme planejado e no dia 20 de novembro será realizado o primeiro pastejo e a avaliação do potencial produtivo do Kurumi com a produção das matrizes leiteiras que irão consumir o pasto.

Rodrigo frisa que insumos para produção da ração como a soja e o milho tiveram um grande aumento nos últimos anos. “Na teoria, o capim produz 20% de proteína bruta e, por este motivo, está sendo plantado na propriedade com a intenção de reduzir custos de produção, principalmente com a alimentação”, destaca.

Ainda em Terra Nova do Norte, 100 produtores já receberam as mudas de kurumi, mas a meta é chegar a 160, o mesmo público atendido nos últimos dois anos com capiaçu.

Leia mais:  Auxílio do programa SER Família deverá ser depositado entre final de outubro e início de novembro

Trabalho semelhante dos técnicos da Empaer em Nova Bandeirantes, Luma Regina Maldaner e Eder José Barreiros, que vêm atendendo produtores dos Projetos de Assentamento de Japuranã e Japuranomann junto ao Programa REM.

Luma Maldaner destaca que as mudas foram trazidas do escritório regional de Juara através de um produtor. “Em Nova Bandeirantes, nós trabalhamos em parceria com a Secretaria de Agricultura, Meio Ambiente e Saneamento. Elas foram plantadas em uma área de 1 hectare no viveiro municipal e serão doadas posteriormente aos produtores da cidade”.

De acordo com Luma, o objetivo é buscar novas alternativas que sejam de baixo custo. O próximo passo será gradear a área para o plantio. “Temos bons exemplos de produtores dos estados de Goiás e da região sul país que o kurumi é uma boa alternativa por ser de pastejo. Em contrapartida, com o capiaçu de silagem. Duas boas alternativas para o produtor da agricultura familiar”.

Mudas sendo mutiplicadas para serem distribuidas e plantadas                              Foto: Empaer 

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Estado fixa datas para início da obrigatoriedade de uso do Sigadoc por cada órgão

Publicado


O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) e Controladoria Geral do Estado (CGE-MT), publicou no Diário Oficial do Estado, desta terça-feira (26.10), o cronograma de início da obrigatoriedade de uso do Sistema Estadual de Produção e Gestão de Documentos Digitais (Sigadoc) por cada órgão/entidade para todos os atos processuais. A obrigatoriedade de implantação da ferramenta será progressiva, por grupos de instituições, com início entre 1º de novembro de 2021 e 1º de janeiro de 2022.

De acordo com o Decreto Estadual nº 1.161/2021, os órgãos/entidades do grupo 1 (Casa Civil, CGE, MTI, Fapemat, Gabinete do Governador, Seciteci, Secom, Sedec, Seplag e Sesp) deverão adotar a sistemática digital a partir de 1º de novembro de 2021.

Já para os órgãos/entidades do grupo 2 (Detran, Empaer, Funac, Unemat, MT Saúde, Ipem, Jucemat, Secel, Seduc, Sefaz, Sinfra e Sema) a exigência começará a valer a partir de 1º de dezembro de 2021.

Por fim, para as instituições do grupo 2 (Desenvolve MT, Ager, Ceasa, MT Gás, Metamat, Indea, MT Prev, MT Par, PGE, Seaf, Setasc e SES), obrigatoriedade de uso do sistema começará dia 1° de janeiro de 2022.

A partir das datas de início da exigência, o atual Sistema de Protocolo do Estado permanecerá disponível apenas para consulta, com uso vedado para registro de novos documentos.

Entretanto, os processos autuados em meio físico que já se encontrem em tramitação nos órgãos e entidades estaduais poderão ter seus atos processuais expedidos em suporte físico, inclusive com utilização do Sistema de Protocolo, desde que, posteriormente, os processos sejam digitalizados e inseridos no Sigadoc.  

Treinamentos

As datas de início da exigência para cada grupo de instituições foram definidas com base no cronograma de capacitações em andamento para uso da ferramenta. A série de treinamentos teve início neste mês de outubro com encerramento previsto para 10 de dezembro de 2021, como parte do 14º do “Programa CGE ORIENTA – Estado Íntegro e Eficaz”.

Leia mais:  Governo antecipa calendário e paga servidores estaduais nesta quinta-feira (28)

Até o fim do ano, serão realizadas 40 capacitações, com transmissão ao vivo e de forma simultânea pela plataforma Google Meet e pelo canal de YouTube da CGE.

Já foram realizados 12 treinamentos direcionados aos servidores de oito órgãos/entidades estaduais. Após as transmissões, os vídeos ficam disponíveis para consulta no canal de Youtube da CGE.

Independentemente das datas iestabelecidas no Decreto Estadual nº 1.161/2021 para início da obrigatoriedade, alguns órgãos já implantaram o sistema em  suas rotinas administrativas, como CGE, Seplag, Seciteci, Intermat, Secom e Casa Civil.

Modernização

Instituído pelo Decreto Estadual nº 511/2020, o Sigadoc permite a produção, edição, assinatura e tramitação de documentos e processos de forma totalmente eletrônica.

Algumas das vantagens de uso da ferramenta são: celeridade na tramitação de documentos, aumento da produtividade, redução de custos (com papel, impressão, envio de malotes etc), segurança da informação, transparência dos processos administrativos (os quais poderão ser rastreados) e preservação ambiental (pela redução no consumo de papel).

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana