conecte-se conosco


MATO GROSSO

Museus de MT apresentam balanços de atividades da Temporada 2019

Publicado

No Brasil, o Dia do Museólogo é comemorado todo 18 de dezembro. Pensando nisso, resolvemos rememorar a trajetória de conquistas dos museus e galeria sob a salvaguarda do Estado, durante a produtiva Temporada 2019. 

A propósito, a reabertura dos museus é uma prioridade da nova gestão da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, compromisso firmado pelo secretário Allan Kardec nos primeiros dias de seu mandato. Quase doze meses após assumir a pasta, o secretário parece estar contente com os resultados alcançados até aqui.

“Estamos comprometidos com reabertura dos museus e, mais que isso, mantê-los abertos com programações atrativas e de qualidade. Este foi um ano de muitas conquistas para os museus de Mato Grosso. Tivemos a reativação e reestruturação de quatro importantes aparelhos públicos [Arte Sacra, Casa Dom Aquino, Galeria Lava Pés e Residência dos Governadores]. E estamos trabalhando para que em 2020, todos os museus da capital estejam em pleno funcionamento. Para o ano que vem, vamos reativar ainda o Museu de Arde de MT e o Museu Histórico, este último já em obras”, adianta Kardec.

Entre estreias, reinaugurações, reformas e muitas exposições, quatro museus de Mato Grosso superaram as expectativas no que diz respeito ao público visitante. Vale lembrar que Mato Grosso integrou este ano a 17ª Semana Nacional de Museus. Confira o balanço de atividades da Temporada 2019 dos museus da capital.   

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso

Após dois anos fechado para visitação, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso (MASMT) reabriu as portas em 2019 com novas alas, mais acessibilidade e um acervo de valor imensurável a população. De acordo com a coordenadora do Museu, Viviene Lozzi, aproximadamente dez mil pessoas visitaram o MASMT na Temporada 2019.

“O Museu de portas abertas novamente é uma conquista da sociedade. Nosso objetivo é fazer com que o aparelho se recoloque novamente para a sociedade, com atividades educativas e culturais, pesquisas e preservação do patrimônio. Estamos no caminho certo”, diz Viviene Lozzi.

Vale ressaltar que o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso está trabalhando arduamente na formação de público. Além de abrir as portas aos fins de semana, o que não ocorria antes, seu programa educativo tem o foco em atendimentos escolares, universidades e agências de turismo.

“Percebemos que, pela primeira vez, as visitas espontâneas superaram o público de agendamento. Isso já é fruto do nosso empenho em formar novos públicos e, claro, da abertura do Museu aos fins de semana. Além dos eventos paralelos que trazem outro tipo de público. Nosso público escolar atendido de 13 de julho a 31 de outubro foi 1123 visitantes, número bem inferior ao público espontâneo. Isso significa que a população tem procurado mais os espaços museológicos”, explica Viviene.  

Leia mais:  Terça-feira (26): Mato Grosso registra 546.000 casos e 13.922 óbitos por Covid-19

Um dos grandes destaques dessa nova fase do MASMT é a ala reservada aos retábulos da antiga catedral, Igreja Bom Jesus de Cuiabá. São dois altares dos séculos 18 e 19, com 8 metros de altura cada, um neoclássico e outros barroco rococó, expostos pela primeira vez desde que a antiga Catedral foi demolida, em 1968.

Outra novidade é o espaço reservado a instrumentos musicais. Lá estão expostos um piano de estante e um órgão de pedaleira, instrumentos que já pertenceram a Igreja do Bom Jesus de Cuiabá do período colonial.

Além de encontros, cursos e palestras, duas exposições temporárias marcaram a Temporada 2019 do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso: a exposição fotográfica Festas Religiosas de Cuiabá, que reuniu trabalhos de 14 importantes fotógrafos de Mato Grosso; e a exposição Narrativa de Ficção, com obras da artista plástica Marly Silva, em cartaz até janeiro.

Por fim, o Museu de Arte Sacra e a Paróquia Santuário Eucarístico Nossa Senhora do Bom Despacho realizam a partir desta semana (17 a 22/12) o Natal de Luz. O evento é beneficente e contara com diversas apresentações culturais alusivas as comemorações natalinas.

Aberto a visitação de quarta-feira a domingo, sempre das 9h às 17h, o Museu de Arte Sacra de Mato Grosso está localizado ao lado da Igreja do Bom Despacho, no complexo Seminário Nossa Senhora da Conceição.  

Associação dos Produtores Culturais de Mato Grosso – Ação Cultural assina em conjunto com Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer a gestão compartilhada do O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso por meio do termo de colaboração nº 1393/2018.

Museu de História Natural Casa Dom Aquino

Após três meses de reformas, o Museu de História Natural Casa Dom Aquino está de portas abertas novamente. Considerando o tempo fechado para reparos e novas edificações, a Casa Dom Aquino recebeu quase cinco mil visitantes, entre agendamentos escolares e visitas monitoradas, na Temporada 2019, de acordo com a coordenadora Suzana Hirooka. 

Leia mais:  "Governo caminha a passos largos para o desenvolvimento sustentável quando materializa este programa", avalia titular do Juvam

Além de constantes cursos e oficinas, o Museu de História Natural está acessível à visitação de terça-feira a sábado, sempre das 8h às 18h e aos domingos das 8h ao meio dia.  A nova fase do Museu apresenta importantes mudanças, tanto na parte estrutural da edificação quanto no acervo, que agora conta com uma nova ala da exposição permanente e uma reserva técnica novinha.

“Até pouco tempo atrás, todo material arqueológico e paleontológico descoberto em Mato Grosso seguia para outras regiões do país ou mesmo para o exterior, com a desculpa de que aqui em Mato Grosso não tínhamos um espaço adequado para acondicionamento. Com a nova reserva técnica, isso não voltará a acontecer. Agora temos um espaço tão bom quanto o de qualquer outro museu do mundo”, garante Suzana Hirooka.

Entre as mudanças estruturais, destaque para reparos e substituição parcial do telhado, esquadrias, substituição de toda a parte elétrica e banheiros com acessibilidade. Sobre o acervo, à exposição permanente do Museu somou-se a ala de mascaras sagradas dos povos waurá e uma reserva técnica que segue os padrões internacionais de museologia.

Além disso, um novo cenário representativo do homem pré-histórico, composto por um bio lago com cascata, rochas naturais e peixes silvestres da bacia do Rio Cuiabá, foi construído. O monumento é uma representação do período holoceno, que corresponde aos últimos dez mil anos de evolução. Para melhor retratar a época, foram instaladas no lago, estátuas de barro alusivas ao paleoíndio, em tamanho real, esculpidas pelo artista plástico Junne Fontenele.

Com um amplo acervo distribuído entre a exposição aberta ao público e itens salvaguardados cuidadosamente na reserva técnica, o Museu de História Natural Casa Dom Aquino é gerenciado pelo Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (ECOSS) juntamente com a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso e tem como parceiros o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Ministério da Cultura, Grupo Terna e as Usinas Hidrelétricas (UHE) Sinop e São Manoel. 

O Museu Casa Dom Aquino está localizado na Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Dom Aquino, Cuiabá (MT). 

Galeria de Artes Lava Pés

Quatro diferentes exposições marcaram a Temporada 2019 da Galeria de Artes Lava Pés. Localizada no piso térreo da Secretaria Estadual de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), o espaço, aberto de segunda-feira a sexta-feira, sempre das 8h às 18h, recebeu neste ano, aproximadamente, seis mil visitantes, de acordo com a Superintendência de Patrimônio Histórico e Cultural, Vicente Paulo.

Leia mais:  Governo de MT já pactuou 86% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

“Estamos felizes com essa retomada da Galeria Lava Pés, numa sequência muito interessante de novas exposições, valorizando sempre a diversidade das linguagens artísticas, bem como, os artistas de várias regiões de Mato Grosso”, comemora Allan Kardec.

Logo no início do ano, no mês de fevereiro, a Galeria Lava Pés estreou a temporada com a exposição coletiva Entre Formas e Cores, reunindo obras de Rosylene Pinto, Janderson Cavalcante, Benedito Silva, José Pereira, Rimaro e Osiris Paulo.

Em abril foi a vez da exposição O Egito Sob o Olhar de Napoleão, na Coleção Itaú Cultural, que chegou a Galeria Lava Pés com um deslumbrante acervo voltado ao conhecimento científico no período das grandes conquistas napoleônicas. Cuiabá de volta a rota das grandes exposições nacionais.

Com obras de Vitória Basaia, Gonçalo Arruda, Junne Fontenelle, Marcelo Velasco e Miguel Penha, a exposição coletiva Sen[s]ação esteve em cartaz na Galeria Lava Pés entre os meses de junho a outubro.

Reservada para a última exposição da Temporada 2019, a mostra coletiva Olhares Cuyaverá, em cartaz atualmente, segue até janeiro de 2020, exibindo uma seleção de 300 fotografias que reverenciam a capital mato-grossense no ano de seu tricentenário. 

Museu Residência dos Governadores

Durante 45 anos, a Residência dos Governadores abrigou 14 dirigentes do Estado e suas famílias. Atualmente tem funcionalidade museológica, mais um equipamento cultural que expões de forma permanente e didática itens do antigo mobiliário, pratarias, louças, entre outros objetos antigos.

Administrado pela Superintendência de Patrimônio Histórico e Cultural da Secel, entre visitas monitoradas, agendamentos escolares, saraus e encontros o Museu Residência dos Governadores recebeu aproximadamente dois mil visitantes, em 2019.

“Tive o privilégio de transformar este lugar num museu, em 1986. Resolvi transformar esse patrimônio que durante mais de 40 anos serviu de residência oficial dos governadores de Mato Grosso. Começou com Júlio Müller na década de 30 e foi até Júlio Campos, em 1986. Hoje é um patrimônio lindo, com os moveis, as pratarias e vestuários antigos a serviço da comunidade”, relembra o ex-governador Júlio Campos.

O Museu Residência do Governadores está localizado na Rua Barão de Melgaço, 3565 – Centro Norte de Cuiabá e fica aberto ao público de segunda-feira a sexta-feira, das 09h às 17h. 

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

MATO GROSSO

Empaer testa capim kurumi como alternativa para produtores de leite

Publicado


Conhecido pelo valor nutritivo, o capim kurumi é a nova aposta da Empresa Mato-grossense de Pesquisa Assistência e Extensão Rural (Empaer) e vem sendo testado junto a produtores de leite da agricultura familiar de Juara, Terra Nova do Norte e Nova Bandeirantes. A equipe técnica segue na produção de mudas e avaliação do potencial nutritivo da cultivar, que pretende junto com o capiaçu ser uma das alternativas de baixo custo e auxiliar os produtores, principalmente durante o longo período de estiagem.

O técnico da Empaer em Terra Nova do Norte, Rodrigo Cezar Ribeiro, explica que quanto maior a produção de leite, maior a demanda energética e proteica. Independente das estações do ano, a alimentação dos animais devem ser uma constante e no caso do período de entressafra, quando a chuva diminui é quando o pasto e o cocho necessitam de uma redobrada atenção.

Ele destaca que as mudas de BRS Kurumi foram fornecidas o ano passado pela Embrapa Agrossilvipastoril de Sinop, multiplicadas e plantadas no sitio Nonoai do senhor João Luis da Rosa, na comunidade Quinta Agrovila.  Na propriedade, em uma área de 1 hectare, a cultivar foi desenvolvida conforme planejado e no dia 20 de novembro será realizado o primeiro pastejo e a avaliação do potencial produtivo do Kurumi com a produção das matrizes leiteiras que irão consumir o pasto.

Rodrigo frisa que insumos para produção da ração como a soja e o milho tiveram um grande aumento nos últimos anos. “Na teoria, o capim produz 20% de proteína bruta e, por este motivo, está sendo plantado na propriedade com a intenção de reduzir custos de produção, principalmente com a alimentação”, destaca.

Ainda em Terra Nova do Norte, 100 produtores já receberam as mudas de kurumi, mas a meta é chegar a 160, o mesmo público atendido nos últimos dois anos com capiaçu.

Leia mais:  Leilão de veículos inservíveis supera expectativas e arrecada cerca de R$ 1 milhão

Trabalho semelhante dos técnicos da Empaer em Nova Bandeirantes, Luma Regina Maldaner e Eder José Barreiros, que vêm atendendo produtores dos Projetos de Assentamento de Japuranã e Japuranomann junto ao Programa REM.

Luma Maldaner destaca que as mudas foram trazidas do escritório regional de Juara através de um produtor. “Em Nova Bandeirantes, nós trabalhamos em parceria com a Secretaria de Agricultura, Meio Ambiente e Saneamento. Elas foram plantadas em uma área de 1 hectare no viveiro municipal e serão doadas posteriormente aos produtores da cidade”.

De acordo com Luma, o objetivo é buscar novas alternativas que sejam de baixo custo. O próximo passo será gradear a área para o plantio. “Temos bons exemplos de produtores dos estados de Goiás e da região sul país que o kurumi é uma boa alternativa por ser de pastejo. Em contrapartida, com o capiaçu de silagem. Duas boas alternativas para o produtor da agricultura familiar”.

Mudas sendo mutiplicadas para serem distribuidas e plantadas                              Foto: Empaer 

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

MATO GROSSO

Estado fixa datas para início da obrigatoriedade de uso do Sigadoc por cada órgão

Publicado


O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) e Controladoria Geral do Estado (CGE-MT), publicou no Diário Oficial do Estado, desta terça-feira (26.10), o cronograma de início da obrigatoriedade de uso do Sistema Estadual de Produção e Gestão de Documentos Digitais (Sigadoc) por cada órgão/entidade para todos os atos processuais. A obrigatoriedade de implantação da ferramenta será progressiva, por grupos de instituições, com início entre 1º de novembro de 2021 e 1º de janeiro de 2022.

De acordo com o Decreto Estadual nº 1.161/2021, os órgãos/entidades do grupo 1 (Casa Civil, CGE, MTI, Fapemat, Gabinete do Governador, Seciteci, Secom, Sedec, Seplag e Sesp) deverão adotar a sistemática digital a partir de 1º de novembro de 2021.

Já para os órgãos/entidades do grupo 2 (Detran, Empaer, Funac, Unemat, MT Saúde, Ipem, Jucemat, Secel, Seduc, Sefaz, Sinfra e Sema) a exigência começará a valer a partir de 1º de dezembro de 2021.

Por fim, para as instituições do grupo 2 (Desenvolve MT, Ager, Ceasa, MT Gás, Metamat, Indea, MT Prev, MT Par, PGE, Seaf, Setasc e SES), obrigatoriedade de uso do sistema começará dia 1° de janeiro de 2022.

A partir das datas de início da exigência, o atual Sistema de Protocolo do Estado permanecerá disponível apenas para consulta, com uso vedado para registro de novos documentos.

Entretanto, os processos autuados em meio físico que já se encontrem em tramitação nos órgãos e entidades estaduais poderão ter seus atos processuais expedidos em suporte físico, inclusive com utilização do Sistema de Protocolo, desde que, posteriormente, os processos sejam digitalizados e inseridos no Sigadoc.  

Treinamentos

As datas de início da exigência para cada grupo de instituições foram definidas com base no cronograma de capacitações em andamento para uso da ferramenta. A série de treinamentos teve início neste mês de outubro com encerramento previsto para 10 de dezembro de 2021, como parte do 14º do “Programa CGE ORIENTA – Estado Íntegro e Eficaz”.

Leia mais:  Governo de MT já pactuou 86% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

Até o fim do ano, serão realizadas 40 capacitações, com transmissão ao vivo e de forma simultânea pela plataforma Google Meet e pelo canal de YouTube da CGE.

Já foram realizados 12 treinamentos direcionados aos servidores de oito órgãos/entidades estaduais. Após as transmissões, os vídeos ficam disponíveis para consulta no canal de Youtube da CGE.

Independentemente das datas iestabelecidas no Decreto Estadual nº 1.161/2021 para início da obrigatoriedade, alguns órgãos já implantaram o sistema em  suas rotinas administrativas, como CGE, Seplag, Seciteci, Intermat, Secom e Casa Civil.

Modernização

Instituído pelo Decreto Estadual nº 511/2020, o Sigadoc permite a produção, edição, assinatura e tramitação de documentos e processos de forma totalmente eletrônica.

Algumas das vantagens de uso da ferramenta são: celeridade na tramitação de documentos, aumento da produtividade, redução de custos (com papel, impressão, envio de malotes etc), segurança da informação, transparência dos processos administrativos (os quais poderão ser rastreados) e preservação ambiental (pela redução no consumo de papel).

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana