conecte-se conosco


ENTRETENIMENTO

Jornalista da Globo se demite após 23 anos na emissora; saiba quem é

Publicado

source

Rodrigo Alvarez, que atuava como correspondente da Globo na Europa, pediu demissão da emissora após 23 anos de serviços prestados. A informação foi divulgada pelo Notícias da TV .

Leia também: Cortes na Globo afetam programa do Faustão; saiba detalhes

Rodrigo Alvarez arrow-options
Reprodução Instagram

Rodrigo Alvarez

Em sua conta do Instagram, o jornalista da Globo publicou uma despedida da Europa. “Tempos incríveis, quem me dera viver duas vezes”. No feed de comentários, Tadeu Schmidt, apresentador do “Fantástico”, desejou sucesso ao colega: “Marcou tempos com excelência”.

Leia também: Após demissões, Globo reduzirá salários milionários de famosos

Em comunicado, o diretor-geral de jornalismo, Ali Kamel, afirmou que o profissional já não se sentia satisfeito no papel de correspondente. “Não que ele [Alvarez] estivesse cansado do maravilhoso trabalho de ser os olhos e ouvidos dos brasileiros no mundo. O entusiasmo era o mesmo. Mas entusiasmo pelo que a gente rótula de grandes matérias ou matérias especiais. O dia a dia, como correspondente, não lhe dava mais o mesmo prazer que antes.” 

Leia também: Fernando Rocha desabafa após demissão da Globo: “Um pouco sem rumo”

Kamel também sinalizou no texto que Rodrigo Alvarez  deve se dedicar ao ofício de escritor. O jornalista entrou na Globo em 1996 como editor de imagem na GloboNews . Além da Europa, ele foi correspondente no Oriente Médio e em Nova York.

Ver essa foto no Instagram

Despedida da Europa. Tempos incríveis! Quem me dera viver duas vezes.

Uma publicação compartilhada por Rodrigo N. Alvarez (@rodrigo.n.alvarez) em 15 de Dez, 2019 às 1:18 PST



Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Leia mais:  'A Fazenda 13': Adriane Galisteu sugere roça falsa para Carelli
publicidade

ENTRETENIMENTO

‘A Fazenda 13’: Adriane Galisteu sugere roça falsa para Carelli

Publicado


source
Adriane Galisteu quer roça falsa
Reprodução/Instagram

Adriane Galisteu quer roça falsa


A apresentadora Adriane Galisteu quer colocar fogo no feno em “A Fazenda 13”. Durante uma conversa com fãs do reality no TikTok, Galisteu sugeriu para o diretor do programa, Rodrigo Carelli, a formação de uma roça falsa para movimentar o jogo.

Uma fã perguntou da possibilidade de uma berlinda falsa acontecer na décima terceira edição e Galisteu se empolgou com a ideia.

“Ai, amor, eu sou louca pela roça falsa, eu adoraria que tivesse. Eu não sei se o Carelli já pensou, eu vivo pegando no pé deles. Eu falo: ‘Vamos usar o Paiol TiKtok, é a coisa mais linda, poderia ser usado’. Eu ia adorar. Quem sabe?”, disse Adriane Galisteu.

Leia Também


O Paiol TikTok foi usado na primeira semana do reality show por quatro influenciadores. A baiana Sthe Mattos foi a preferida do público em votação e passou a integrar o elenco oficial do reality. Desde então, o espaço não foi mais utilizado.

A ideia lembra bastante a eliminação falsa de Carla Diaz, no “BBB 21”, da Globo. No reality, a atriz passou alguns dias no quarto e teve acesso às câmeras da casa.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Leia mais:  'A Fazenda 13': Adriane Galisteu sugere roça falsa para Carelli
Continue lendo

ENTRETENIMENTO

“Tem uma atriz famosíssima que reza por mim todo dia”, diz padre Antonio Maria

Publicado


source
Padre Antonio Maria
Divulgação/Rodolfo Magalhães

Padre Antonio Maria


Aos 76 anos,  padre Antonio Maria tem fôlego de menino. Recentemente, completou pouco mais de quatro décadas de sacerdócio evangelizando por meio do canto e da comunicação. Além de suas atrações de TV, administra um santuário em Jacareí, no interior paulista, cria seus filhos adotivos, grava músicas, faz celebrações, muitas delas a pedido de artistas — que o têm na mais elevada estima —, e agora está escrevendo um livro.  

Nesta entrevista ao iG , o religioso multitarefas discorreu sobre os seus programas na  TV Aparecida — o diário “Terço de Aparecida” e o semanal “Sábado com Maria”, para o qual sonha em ter  Roberto Carlos sentado em seu sofá. O padre também contou como é a sua rotina diária, a forte relação com os famosos e revelou seus pecados e alguns milagres que presenciou.  Confira os melhores momentos na íntegra! 

Padre Antonio Maria e Roberto Carlos
Divulgação

Padre Antonio Maria e Roberto Carlos



1. Como é conciliar as tarefas de padre com as de apresentador da TV Aparecida e cantor? 

Não as concilio, porque não separo essas atividades. Para mim, está tudo junto. Ser padre, apresentador e cantor é evangelizar.  

2. Para o senhor, transitar entre os famosos e o dom da comunicação é uma forma de evangelizar?   

Sim, é. Desde criança, tinha um carinho muito especial pelos artistas, e meu coração sempre esteve aberto para eles. Queria ser cantor, e minha irmã me levava aos auditórios das rádios, lá no Rio de Janeiro — sou carioca —, especialmente à Rádio Nacional, para eu ver os cantores. Ainda não tinha televisão naquela época. Não gosto muito quando dizem que sou “o padre dos artistas”. Sou padre do povo de Deus, e quem está ligado à arte faz parte desse grupo. São almas que precisam ser salvas também. Tenho tido experiências lindas com eles, pois me ajudam a ser padre. Dão-me exemplos de cristianismo, fé, cuidado com as coisas de Deus, vida e oração. Não vou aqui nomear, mas tem uma atriz famosíssima que reza por mim todos os dias, porque, anos atrás, ela prometeu isso. E cumpre. Uns são apresentadores de grandes emissoras, que rezam o terço de Aparecida, na TV Aparecida. Olha só!  

Leia mais:  'A Fazenda 13': Erasmo não acredita em eliminação de Tati: "Única mulher negra"

3. Esses famosos que são mais próximos costumam se confessar com o padre Antonio Maria?

Sim (risos)!  Alguns deles fazem isso, o que também é uma alegria muito grande pra mim. Eles também pecam e têm a consciência de que são pecadores e precisam da misericórdia de Deus. E, como padre, eu me sinto feliz em poder lhes dar, em nome da Santíssima Trindade, o perdão.  

4. Qual dos sete pecados capitais o senhor admite não controlar?      

Ah, às vezes, sou um pouquinho impaciente devido à correria na minha vida. Mas eu tenho todos os pecados, viu (risos)! Quando, por exemplo, vou falar com meus filhos — os adotivos, os que criei, os do coração, e uns ainda moram comigo —, para chamar atenção de algum, eu peço “Senhor, dai-me a graça da paciência” para não estourar, porque tem que ser com ternura, perdão e carinho… Mas, ocasionalmente, falta essa virtude (risos).  




Leia Também

Padre Antonio Maria
Juan Ribeiro/Divulgação

Padre Antonio Maria


5. Quem canta os seus males espanta, padre? Fale um pouco da sua trajetória com a música.

Sempre cantei na escola, na catequese, nas festinhas, em casa, quando tinha visitas. E participei de programas de calouros mirins e ganhei alguns prêmios. Então, tudo foi me fazendo crer que nasci para cantar. Mas, graças a Deus, Ele me fez ver que a minha vocação primeira era ser padre. Foi tão generoso comigo que não tirou de mim essa possibilidade. No seminário, eu cantava, e continuo a fazer isso como padre, até hoje, para evangelizar.  

6. Quem gostaria de ter como convidado no sofá do seu “Sábado com Maria”, na TV Aparecida? 

Ah, eu sonho com tanta gente! Se Roberto Carlos pudesse ir ao programa que faço nas tardes de sábado, seria maravilhoso! Porque ele poderia falar de seu amor a Jesus, a Nossa Senhora, da sua fé, que sempre foi muito grande. E o cantor Daniel, como tantos outros, eu adoraria ter sentadinho lá para conversarmos sobre as coisas de Deus.  

Leia mais:  Jojo Todynho rebola de biquíni e rebate críticas: "As sem bunda passam mal"

7. Quais os benefícios que os cristãos têm por rezarem o terço com o padre Antonio Maria diariamente na TV?      

O  terço de Aparecida tem sido um grande fenômeno para mim. Por onde eu ando, sempre tem quem diga que reza comigo. E já ouvi coisas do tipo: “Eu não ia à igreja, e agora até o meu marido reza o terço… Esse homem mudou de vida, padre”. Então, há muita coisa boa acontecendo nas famílias por meio dessa iniciativa, que é uma arma poderosíssima contra o demônio, por ser uma homenagem à Maria, aquela que esmaga a cabeça do mal. Digo que esse momento é um dos maiores presentes que Deus me deu nessa caminhada, de meus 76 anos de vida. 

Padre Antonio Maria
Divulgação

Padre Antonio Maria


8. Como é o seu dia a dia fora dos compromissos com a igreja e a televisão?

Olha, quando estou em casa, não paro. Tenho programas de rádio para gravar. Vivo em Jacareí [interior paulista], junto ao Santuário do Novo Caminho, que é uma devoção, que fundei há doze anos, e estou levando adiante com as irmãs e os freis, e ao qual preciso me dedicar também. Tenho meus filhos do coração — três deles ainda moram comigo, e dois são especiais — dos quais necessito estar mais ao lado na caminhada. Agora também estou escrevendo um livro sobre Nossa Senhora do Bom Caminho e, às vezes, acordo de madrugada para escrever, porque de dia é uma correria. Mas, após o almoço, sempre que posso, tiro meia hora para descansar, mesmo hábito que tem o Papa Francisco.  

9. Sobre esses filhos adotados, como isso aconteceu?   

Desde pequeno, sempre tive um carinho especial pelas crianças carentes. Sou de família pobre, meu pai foi pedreiro, minha mãe, dona de casa. Mas, quando eu andava de trem no Rio de Janeiro e via algumas delas desnutridas ao longo do caminho, nos trilhos, eu pedia ao Papai do céu para abençoá-las. E até fazia o sinal da cruz — meio escondidinho, porque podiam achar que era um garoto doido (risos). Eu as abençoava sem saber o que aquilo significava de fato. Já tinha a vocação sacerdotal e não sabia. Então, após ser consagrado padre, quis dedicar muito da minha vida aos menores necessitados. Trabalhei em creches, centro juvenil e aí construí um lar, onde recebi 60 deles — os não infratores — que viveram na Febem. E esses são meus filhos. Alguns adotei porque foi necessário. Hoje muitos vêm me visitar e trazem meus netos para eu ver. Tenho filhas maravilhosas já casadas.  

Leia mais:  Yudi Tamashiro assume desejo de casar e ter filhos com Mila: "Questão de tempo"

10. Já testemunhou milagres? Quais? 

Sim, já vi vários sinais de Deus. Certa vez, um amigo que trabalhava num restaurante me disse que a filha recém-nascida estava morrendo e não queria que isso acontecesse sem o batismo. Fui ao hospital, e o bebê estava muito pálido, quase falecendo, na incubadora. Molhei um algodão com água, pinguei algumas gotas na cabecinha da menina e disse: “Isabela, eu te batizo, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. E, nesse momento, todos nós vimos que, desde os dedinhos dos pés, o corpo dela começou a ganhar cor. Hoje, a Isabela está aí, crescida. Foi um milagre do batismo.    


Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana