conecte-se conosco


ESPORTES

Flamenguistas acompanharam final do mundial no Rio de Janeiro

Publicado

Gritos de desespero em cada ataque do Liverpool e de incentivo cada vez que os jogadores do Flamengo tinham a posse da bola com chance de gol. Além de muitos aplausos a cada chute a gol e “uuuhh” pela bola não entrar.

A cena se repetiu em diversas praças do Rio de Janeiro, como a Varnhagem, na Tijuca, a Nelson Mandela, em Botafogo, a São Salvador, em Laranjeiras, e a Cardeal Câmara, na Lapa, onde os diversos bares tinham televisões e telões para uma multidão de vermelho e preto torcer pelos campeões brasileiros e da Taça Libertadores da América no confronto com os campeões da Europa. A disputa era pelo título Mundial de Clubes.

Por volta do meio dia, na Praça Varnhagem, na Tijuca, zona norte da cidade, torcedores começaram a se reunir para acompanhar o jogo. Chamou a atenção a figura do técnico do Flamengo, Jorge Jesus, em meio a torcida com um cartaz Hoje tem Jesus no controle. Trata-se do aposentado João Roberto Gomes Bezerra, sósia do técnico português. Ele disse que descobriu a semelhança em um evento no próprio clube.

“Eu fui em um evento de entrega de prêmio na Gávea [sede do Flamengo] e começaram a gritar ‘Jesus, Jesus’. Eu nem sabia que eu lembrava o técnico, eu estava com um paletó assim. Então resolvi fazer a plaquinha e ir ao Maracanã com ela”.

Flamenguista, Bezerra disse que já foi chefe de torcida, mas que atualmente “parou com arquibancada”, mas tem adorado fazer a alegria de outros rubro-negros que pedem para tirar foto com ele.

“Hoje faço só uma homenagem solo, sem envolvimento financeiro, sem compromisso com ninguém. É só eu, minha faixa, Jesus que está no céu e Jesus que está no campo. Está muito bom. Mesmo que Jesus saia do Flamengo, algum dia vamos continuar homenageando aqui e em Portugal. Já tenho convite para ir a Portugal e vou”.

Leia mais:  De virada, Galo vence Cuiabá e amplia vantagem na liderança

Maria Eduarda dos Santos, de 10 anos, foi com o pai à praça acompanhar o jogo. “Sou flamenguista desde que nasci, por causa da minha mãe. Acompanhei os jogos mais ou menos, mas eu gosto de futebol. O jogo vai ser dois a um”, apostavaa a menina.

O pai de Maria Eduarda, o corretor Adilson dos Santos, disse que torce pelo São Paulo, mas se rendeu ao espetáculo em campo e acompanha a família na torcida.

“Não sou daqui, mas como a mãe dela torce pro Flamengo, então teve essa tendência. Meu time é o São Paulo, mas acompanho a família aqui. Este ano, o Flamengo foi muito acima da média de todos, não tem como torcer contra se eles mostram em campo, né? Mas o meu time é um só”.

Ansiedade

O primeiro tempo foi de ansiedade na Praça Nelson Mandela, tradicional reduto boêmio na zona sul da cidade. Sem gols, a torcida reagia a cada lance do Flamengo e do Liverpool. No segundo tempo, a torcida reunida na Praça São Salvador comemorou como se fosse um gol quando o árbitro de vídeo anulou o pênalti marcado pelo juiz contra o Flamengo, já nos acréscimos.

Na Lapa, região central da cidade, o clima era de muita tensão e angústia durante os dois tempos da prorrogação, principalmente após o gol do Liverpool, do brasileiro Roberto Firmino, aos 8 minutos do primeiro tempo da prorrogação, que deu o título ao time inglês. Os únicos bares que não estavam lotados eram os que não tinham televisões.

Campanha

Fim de jogo, o estudante Lucas Rico, 19 anos, se disse feliz com a campanha do Flamengo durante o ano, mesmo não tendo vencido a disputa de hoje. “A campanha do ano foi ótima, muita gente não acreditava no time no começo do ano, mas foi ganhando e realmente surpreendeu. Foi uma campanha linda, ganhou dois títulos importantes este ano”.

Leia mais:  Elenco rubro-negro inicia a preparação para a semifinal da Copa do Brasil

Ele lembra que a última vez que o Flamengo ganhou o Campeonato Brasileiro foi justamente no ano em que ele começou a torcer pelo time, em 2009. “Eu sou flamenguista desde os 9 anos. Antes eu convivia com várias pessoas que eram vascaínas e me davam camisa do Vasco. Mas quando resolvi torcer pro Flamengo, foi um pouco antes de ganhar o brasileiro”.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
publicidade

ESPORTES

Grêmio é derrotado pelo Atlético-GO, na 28ª rodada do Brasileiro

Publicado


O Grêmio entrou em campo na noite desta segunda-feira, no Estádio Antônio Accioly, em Goiânia, para disputar a 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor enfrentou o Atlético-GO e não alcançou a vitória que precisava na competição, sendo superado pelo placar de 2 a 0.

Pelos minutos iniciais, já se percebeu que seria uma partida disputada. Logo no primeiro instante do jogo, os donos da casa atacaram com André Luis, pela meia direita, que concluiu a gol, mas Brenno defendeu. Em resposta, aos 6’, Alisson foi acionado no campo de ataque, pela esquerda, mas Wanderson cortou o cruzamento feito pelo atacante. Dois minutos depois, foi a vez de Rafinha colocar na área, mas mais uma vez a zaga adversária conseguiu o corte.

A primeira chance clara de gol foi gremista, após uma cobrança de escanteio, aos 10 minutos. A bola foi colocada na área por Douglas Costa e Thiago Santos desviou de cabeça, mandando à direita da meta, com muito perigo.

Com 18’ jogados, Alisson se lançou em contra-ataque, puxou para dentro e tentou o passe, mas a zaga se recompôs e a bola chegou a Vanderson. O lateral arriscou, houve desvio e ela saiu pela linha de fundo. Na cobrança de escanteio, Diego Souza concluiu de cabeça, mas nas mãos de Fernando Miguel, que defendeu.

Passados 22 minutos, Douglas Costa recebeu na meia direita e arriscou de fora da área, mandando com perigo, mas a bola saiu. Na sequência, Alisson Diego Souza acionou Jean Pyerre, que chutou, mas em cima da marcação. Três minutos depois, o camisa 10 chutou de fora da área novamente, para outra defesa do goleiro adversário.

O Atlético-GO teve uma falta a seu favor. Janderson cobrou e Villasanti cortou. No contra-ataque, Jean Pyerre serviu Villasanti, que desviou para o gol, mas Fernando Miguel fez grande defesa, aos 30’.

Leia mais:  América domina o Santos e vence fora de casa

Na reta final, aos 43’, Igor Cariús recebeu na área e bateu por baixo do Brenno, que não conseguiu a defesa, colocando os donos da casa na frente no marcador. Já nos acréscimos, Janderson finalizou com muito perigo e Brenno fez grande defesa.

O Grêmio voltou igual para o segundo tempo e nos minutos iniciais criou. Após cobrança de escanteio, Villasanti pegou o rebote e chutou, mas para fora. Os adversários responderam de imediato com Janderson, no contra-ataque. Ele finalizou, mas Brenno defendeu.

O Atlético teve mais uma oportunidade passados 10’. Arnaldo chutou cruzado, mandando perto da meta tricolor. Já os gremistas quase empataram com um chute de Villasanti do meio, próximo a grande área, mas a bola saiu.

O técnico Vagner Mancini providenciou duas mudanças, colocando Ferreira e Borja, nos lugares de Douglas Costa e Jean Pyerre.

Aos 15’, o Grêmio teve uma sequência de escanteios. Em uma das cobranças, Ferreira colocou na área, mas defesa cortou.

Os donos da casa tiveram um pênalti a seu favor, aos 22’, de Paulo Miranda sobre André Luis. Após análise do VAR, o zagueiro foi expulso. Na cobrança, Marlon mandou no canto direito da meta gremista, assinalando o segundo gol.

Mais duas mudanças no Grêmio: Ruan e Luiz Fernando ocuparam os lugares de Diego Souza e Villasanti, aos 28’.

Já com 31 minutos, Brenno fez uma grande defesa no chute de João Paulo, impedindo o que poderia ser o terceiro gol adversário. O Tricolor tentou com Ferreira, que passou pela marcação de dois goianos, mas o chute explodiu na defesa.

Depois de uma rápida jogada pela esquerda, Luiz Fernando recebeu na meia esquerda e chutou, para grande defesa de Fernando Miguel, aos 38’.

Leia mais:  São Paulo é derrotado pelo Red Bull Bragantino no Brasileirão

A última mudança na equipe foi providenciada, com Campaz no lugar de Alisson, aos 39’.

Com o resultado, o Tricolor não soma pontos na competição, permanecendo na penúltima posição na tabela.

Fotos: Lucas Uebel | Grêmio FBPA

fonte: https://gremio.net/noticias/detalhes/24753/gremio-e-derrotado-pelo-atletico-go–na-28–rodada-do-brasileiro-

COMENTE ABAIXO:

Comentários Facebook
Continue lendo

ESPORTES

Palmeiras bate o Sport em casa

Publicado


Pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro 2021, o Palmeiras superou a equipe do Sport por 2 a 1 com gols de Luiz Adriano, aos 7 do segundo tempo, e de Felipe Melo, aos 35, após ter saído em desvantagem logo no início do prélio, com gol de Leandro Barcia aos 3 do primeiro tempo. Esta é a quarta vitória de virada do Verdão na temporada 2021: as outras foram em 23 de abril, sobre o Guarani, pelo Campeonato Paulista (2 a 1, com gols de Mateus Ludke,contra, e Willian Bigode), no Brinco de Ouro da Princesa; em 20 de junho, pelo Brasileiro contra o América-MG (2 a 1, ambos os gols de Willian Bigode), no Allianz Parque; e em 27 de junho, novamente pelo Brasileiro, contra o Bahia (3 a 2, após sair na frente com gol de falta de Scarpa, sofrer virada para 2 a 1, mas, em seguida, virar outra vez com Raphael Veiga e Breno Lopes), no Allianz Parque.

Clique aqui para ver a ficha técnica, estatísticas e tudo sobre o jogo!

Vale destacar, aliás, que o segundo gol do Verdão na partida, de Felipe Melo, foi o gol número 100 entre Palmeiras e Sport na história, pois, antes de entrar em campo, o Palmeiras acumulava 98 gols marcados contra o Leão da Ilha nos 65 jogos disputados anteriormente na história (agora são 66). No total destes 66 duelos já disputados, além dos 100 gols marcados (contra 73 sofridos), o Verdão venceu 35 vezes, empatou 12 e foi superado 19 vezes.

Além do gol 100 contra o Sport, o tento do Pitbull também teve outra marca histórica: foi o gol de número 400 do Verdão no Allianz Parque desde que a arena palmeirense fora inaugurada em 2014 – justamente contra o Sport, em 19 de novembro daquele ano. Quando entrou em campo para enfrentar o Leão da Ilha, o Alviverde somava 398 gols em sua casa com o formato atual (o 399 foi de Luiz Adriano e, portanto, o gol 400 foi do camisa 30). Além de 400 gols em casa, contra 170 que sofreu (em 215 jogos), o Maior Campeão do Brasil soma 137 vitórias, 42 empates e 36 derrotas.

  Fortaleza e Corinthians empatam sem gols pela 24ª rodada do Brasileirão

Leia mais:  Palmeiras bate o Sport em casa

Com a vitória, o Palmeiras melhorou ainda mais seu retrospecto ante o Sport: nas últimas dez vezes em que os clubes se encontraram (já considerando a desta noite), o Verdão perdeu só uma (em 2018, último revés sofrido para a equipe recifense) e venceu oito, além de um empate – agora o Verdão emplacou a terceira vitória seguida sobre o rival da vez.

O primeiro gol palmeirense da arena foi marcado por Henrique Dourado (ou Henrique Ceifador), no empate por 1 a 1 contra o Athletico-PR, em 07/12/2014, pelo Campeonato Brasileiro (aquele foi o segundo jogo da arena – no primeiro contra o Sport, 20 dias antes, o Verdão pontuou).

Já o centésimo gol foi anotado por Lucas Barrios, em duelo contra o Vitória-BA – triunfo palmeirense por 2 a 1 pelo Brasileirão de 2016. Por sua vez, o 200º tento foi marcado por Willian Bigode no empate por 1 a 1 contra o América-MG pela Copa do Brasil de 2018 (jogo que valeu classificação às quartas de final da competição). E o 300º gol fora marcado pelo meia Raphael Veiga, na goleada por 5 a 0 sobre o Bolívar-BOL, pela Libertadores de 2020, em 30 de setembro daquele ano.

Destaque individual também para Dudu. O Baixinho, ao ter atuado diante do Sport – deixou o gramado aos 44 do segundo tempo, dando lugar a Danilo Barbosa -, passou a integrar o top 10 dos jogadores que mais atuaram no estádio palmeirense em todos os tempos: hoje possui 140 partidas no local e, igualando as 140 partidas de Bianco Gambini (autor do primeiro gol da história do Verdão, em 1915) e Cléber (ídolo e zagueiro dos anos 90). Além de décimo na história do Parque Antarctica geral, ele já é o líder de partidas na era Allianz Parque (ou seja, desde que a arena – inaugurada em 2014 – possui essa configuração).

Leia mais:  São Paulo é derrotado pelo Red Bull Bragantino no Brasileirão

No que diz respeito ao número de vitórias, ele já aparece no top 10 da história do Palestra Italia, considerando todas as formas físicas que o estádio palmeirense já possuiu outrora: é o décimo colocado (primeiro só da era Allianz Parque), com 97 triunfos. Completam a lista: Bianco Gambini (9º, com 98 vitórias), Cléber (8º, com 105 vitórias), Carnera, zagueiro da década de 30 (7º com 106 vitórias), Junqueira, zagueiro dos anos 30 e 40 (6º, com 108 vitórias), Velloso (5º, com 110 vitórias), Galeano (4º, com 116 vitórias), Heitor, atacante das décadas de 10, 20 e 30 e maior artilheiro da história palmeirense até os dias atuais, com 327 gols (3º, com 122 vitórias), Ademir da Guia (2º da lista, com 125 triunfos) e o eterno goleiro Marcos (1º do ranking, com 135 resultados positivos).

fonte: https://www.palmeiras.com.br/pt-br/noticias/palmeiras-bate-sport-em-casa-pelo-brasileiro-e-vira-pela-quarta-vez-na-temporada/

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

DIAMANTINO

POLÍTICA MT

POLICIAL

MATO GROSSO

POLÍTICA NACIONAL

ESPORTES

Mais Lidas da Semana